MICROBIOTA FÚNGICA DE CONDICIONADORES DE AR RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE BELFORD ROXO, RIO DE JANEIRO, BRASIL

Antonio Neres Norberg, Aluízio Antonio de Santa Helena, José Tadeu Madeira de Oliveira, Vanusa Guimarães Dutra, Paulo César Ribeiro, Thales Soares de Barros de Santana Costa

Resumo


Estudos envolvendo o isolamento de elementos fúngicos em aparelhos de ar condicionado em ambientes internos são relevantes, considerando que muitas pessoas permanecem longos períodos nesses locais, expostos à possibilidade de contaminação. Objetivo: isolar e identificar fungos obtidos a partir de doze aparelhos de ar condicionado instalados em residências da cidade de Belford Roxo, Rio de Janeiro, Brasil. Material e métodos: doze placas de Petri contendo meio de cultura Agar-Sabouraud-dextrose foram abertas e expostas ao fluxo dos condicionadores de ar durante 15 minutos. As placas foram lacradas com fita adesiva e mantidas em temperatura ambiente (±30oC) por sete dias. As colônias de fungos filamentosos foram identificadas em microculturas por caracteres morfológicos e culturais e os leveduriformes pela coloração de Gram e provas bioquímicas. Resultados: foram isolados os seguintes elementos fúngicos: Penicillium spp., 12 (100%), Aspergillus niger, 8 (66,7%), Aspergillus fumigatus, 3 (25%), Alternaria spp., 3(25%), Fusarium spp., 5 (41,7%), Cladosporium spp., 6 (50%), Cephalosporium spp., 3 (25%), Rhodotorula spp., 8 (66,7%). Conclusões: Há risco de contaminação dos ambientes internos por elementos fúngicos, colocando em risco os frequentadores desses locais refrigerados por condicionadores de ar. Sugerimos a limpeza periódica dos filtros e aparelhos, a fim de minimizar os riscos de contaminação.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.