AULAS PRÁTICAS INTEGRADAS: EXTRAÇÃO DE CROMOSSOMOS DE GÂNGLIOS CEREBRAIS

Otavio Sanglard Oliveira, Tassianny Felix Pereira, Riudo de Paiva Ferreira, Emanuele Gama Dutra Costa, Soraia Ferreira Caetano de Carvalho, Natália Tomich Paiva Miranda

Resumo


A embriologia e a genética são consideradas uma das mais difíceis disciplinas para estudantes do ensino superior; assim, diferentes métodos de ensino devem ser utilizados para facilitar o seu processo de ensino-aprendizagem e tornar os alunos os protagonistas de seus saberes. Neste relato de experiência, foi avaliado o emprego de aulas práticas de laboratório como método de ensino das disciplinas de embriologia e genética para alunos do 2º período do curso de medicina. Os dados coletados nos questionários avaliativos demonstraram que o uso de aulas práticas favoreceu a aprendizagem dos conteúdos e o desenvolvimento do pensamento científico, além de aumentar a motivação dos alunos e promover o trabalho em grupo.

Texto completo:

PDF

Referências


BURTET, Cecília Gerhardt; KLEIN, Amarolinda Iara da Costa Zanela. Repensando a inovação do século XXI a partir das práticas do Movimento Maker| Rethinking the 2st-century innovation from the practices of the Maker Movement. Liinc em Revista, v. 14, n. 1, 2018.

CACHAPUZ, António et al. A necessária renovação do ensino das ciências. 2005.

DE ALMEIDA, Hélio Mangueira. A didática no ensino superior: práticas e desafios. 2015.

GONTIJO, Eliane Dias et al. Matriz de competências essenciais para a formação e avaliação de desempenho de estudantes de Medicina. Rev Bras Educ Médica, v. 37, n. 4, p. 526-539, 2013.

HORN, Michael B.; STAKER, Heather; CHRISTENSEN, Clayton. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Penso Editora, 2015.

IMAI, H. T., Taylor, R. W., Crosland, M. W., & Crozier, R. H. Modes of spontaneous chromosomal mutation and karyotype evolution in ants with reference to the minimum interaction hypothesis. The Japanese journal of genetics, v. 63, n. 2, p. 159-185, 1988.

LA LUNA, Alexandre. Importância do ensino e aprendizagem de genética para o mundo atual. Revista de Educação, v. 17, n. 23, 2015.

MELO, J. F. R. Desenvolvimento de atividades práticas experimentais no ensino de Biologia: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) - Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

NETO, Luiz Sodré; DE ARAÚJO OLIVEIRA, Maria de Lourdes. AULAS EXPERIMENTAIS NO ENSINO SUPERIOR: A VISÃO DE ESTUDANTES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS SOBRE ESSE TIPO DE PRÁTICA. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 5, n. 2, 2015.

OLISKOVICZ, K.; PIVA, C. D. As Estratégias Didáticas no Ensino Superior: Quando é o momento certo para se usar as estratégias no ensino superior? Revista de Educação, 15(19), 111–127, 2012.

PÉREZ, Daniel Gil; VILCHES, Amparo. Educación ciudadana y alfabetización científica: mitos y realidades. Revista iberoamericana de educación, v. 42, n. 42, p. 31-53, 2006.

RIBEIRO, Lidia Cristina Villela. Testando novas metodologias de aprendizagem para o ensino de embriologia humana: relato de experiência e percepção dos discentes. Revista Docência do Ensino Superior, v. 8, n. 1, p. 151-165, 2018.

VENTURINI, Andressa Monteiro et al. Aulas Práticas de Laboratório como Método de Ensino de Genética Molecular. Revista de Graduação USP, v. 3, n. 2, p. 81-85, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.