AVALIAÇÃO DOS CASOS DE SÍFILIS GESTACIONAL E CONGÊNITA DO MUNICÍPIO DE MANHUAÇU- MG (2005 A 2018)

Caroline Lacerda Alves de Oliveira, Dayane Knupp de Souza

Resumo


A sífilis é uma doença de distribuição mundial e que tem se mantido como um problema de saúde pública em vários países. A transmissão vertical desta doença pode causar aborto, óbito fetal ou danos à saúde dos recém-nascidos. O diagnóstico e tratamento da sífilis no período gestacional é a estratégia preconizada para prevenir a sífilis congênita. O objetivo deste estudo foi dimensionar as notificações dos casos de sífilis congênita no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN). A taxa de incidência de sífilis congênita nos anos estudados revelou um grande aumento de casos de gestantes com sífilis e consequentemente os casos de sífilis congênita ocorreu crescimento considerável.  Conclui-se que a sífilis ainda permanece como um problema de saúde pública no Brasil, que apesar da estrutura para triagem ainda existem falhas na assistência pré-natal e na vigilância epidemiológica da sífilis em gestantes e congênitas, contudo se faz necessário um controle que envolva relações complexas da sociedade, que vai desde o sexo seguro adotado no âmbito individual até ações de saúde pública.

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Diretrizes para o controle da sífilis congênita. Brasília: Ministério da Saúde. 2005a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde, 2005b.

CAMPOS, J.E.B. Significado laboratorial dos baixos títulos de VDRL (Venereal Disease Research Laboratories) para a sífilis em gestantes, à luz das provas treponêmicas. 2006. 103 f. Tese (Doutorado em Saúde da Criança e da Mulher) – Instituto Fernandes Figueira Rio de Janeiro 2006.

CARLES G.; LOCHET S.; YOUSSEF M.; GUINDI W.; HELOU G.; ALASSAS N.; LAMBERT V. Syphilis and pregnancy Study of 85 cases in French Guyana. Journal de Gynécologie Obstétrique et Biologie de la Reproduction, v. 37(4), p. 353-357. Junho. 2008.

DE LORENZI, D. R. S.; MADI, J. M. Sífilis Congênita como Indicador de Assistência Pré - natal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 23, n.10, p. 647 – 652, 2001.

LIMA L. H. M, VIANA M. C. Prevalence and risk factors for HIV, syphilis, hepatitis B, hepatitis C, and HTLV-I/II infection in low-income postpartum and pregnant women in Greater Metropolitan Vitória, Espírito Santo State, Brazil. Caderno de Saúde Pública, v. 25(3), p. 668-676. Mar. 2009.

SCHMID, G. Economic and programmatic aspects of congenital syphilis prevention. Bulletin of World Health Organization, v. 82, n. 6, June, 2004.

VERONESI, R.; FOCACCIA, R. Tratado de infectologia. 3. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.