AVALIAÇÃO DAS CLASSES DE MEDICAMENTOS MAIS UTILIZADOS POR ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA ZONA DA MATA MINEIRA E SUA ASSOCIAÇÃO COM OS RISCOS/BENEFÍCIOS À SAÚDE

Divalda Oliveira de Melo, Silvana Carvalho Novais, Adriano Carlos Soares, Deisy Mendes Silva, Cristina Maria Lobato Pires, Chintia Mara de Oliveira Lobato Schuengue

Resumo


Resumo: Introdução: Sabe - se que no Brasil a prática da automedicação vem se tornando cada vez mais comum entre a população. Objetivo: Avaliar as classes de medicamentos mais utilizados por alunos do curso de enfermagem e avaliar a associação com os riscos/benefícios à saúde. Métodos: Trata-se de uma pesquisa quantitativa do tipo descritiva. Para coleta de dados foi utilizado como instrumento um questionário semiestruturado foi digitado em uma planilha do Microsoft Excel versão Windows 10 e posteriormente realizadas as análises percentuais dos mesmos. A amostra foi composta por 94 alunos. Resultados: 89,36% afirmaram fazer uso de medicamentos no último ano e 10,63% alunos afirmaram não fazer uso. Constatou-se ainda que 63,09% dos alunos afirmaram que os medicamentos foram prescritos ou indicados por profissionais de saúde e 36,90% usaram sem prescrição ou indicação de um profissional. Conclusões: Observou-se um elevado número de realizações de automedicação, a classe mais utilizada foram os analgésicos, e alguns não verificam se há incompatibilidade entre as classes. E ainda hoje existe o hábito da automedicação.

 


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

AQUINO, D.S. Porque o uso racional de medicamentos deve ser uma

prioridade? Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.13, p. 733-736,

abr.2008.

ARRAIS, Paulo Sérgio Dourado, et al. Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Revista de Saúde Pública. 2016, 50(supl2):13s. DOI:10.1590/S1518-8787.2016050006117.

BARROS, J.A.C.; JOANY S. Anúncio de medicamentos em revista médica:

ajudando a promover a boa prescrição? In: ROZENFIELD, S. Prevalência,

fatores associados e mau uso de medicamentos entre idosos: uma revisão.

Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n.3, p. 717-724, mai-jun.

BRASIL. Ministério da saúde. Portaria GM n°3.916. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Diário Oficial da União, 30 de out, 1998.Brasília.

CABEZAS VPY, ORMENO EAM, PABIAZA LCV. Automedicación de

analgésicos no narcóticos. Consultório Santo Tomás. Santiago do Chile,

114 p.

GAMA, ASM; SECOLI, SR. Automedicação em estudantes de enfermagem do estado do Amazonas. Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2017. Mar. V.30, n.1, p.65111.

LOPES, Alzira das mercês; MATA, Liliane cunha Campos da. Automedicação entre graduandos das áreas de saúde e exatas da faculdade ciências da vida na cidade de Sete Lagoas/MG. Revista brasileira de ciências da vida.2017.jul.v.5, n.1.

MARIN N. et al. (Org). Assistência Farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003

MATOS, Januária Fonseca, et al. Prevalência, perfil e fatores associados à automedicação em adolescentes e servidores de uma escola pública profissionalizante. Cad.saúde.colet. Rio de Janeiro, v. 26, n, 1, p. 76-83, mar- 2018.

NASCIMENTO, Álvaro César. Propaganda de medicamentos no Brasil: é possível regular? Ciênc, Saúde coletiva, 2009, vol.14, n.3, p. 869-877. ISSN:14138123.

NASCIMENTO M.C. Medicamentos: ameaça ou apoio á saúde? Rio de Janeiro: Vieira e Lent; 2003.

SOTERIO, Karine Azeredo. A automedicação no Brasil e a importância do farmacêutico na orientação do uso racional de medicamentos de venda livre: uma revisão. Revista da graduação. ISSN: 1983-1374. v.9, n.2, p.1-15, 2016.

TOMASINI, Alexandre Abujamra; FERRAES, Alide Marina Biehl. Prevalência e fatores da automedicação entre estudantes universitários no Norte do Paraná. Bio Saúde. Londrina, 2015. v.17, n.1, p.1-12.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.