INFECÇÃO URINÁRIA DE REPETIÇÃO EM PACIENTE PORTADOR DE BEXIGA NEUROGÊNICA: RELATO DE CASO

João Pedro Lima Trindade, Renata Teixeira de Melo Diniz, Tony Carlos Rodrigues Junior, Josianne Romagnoli Silva, Danielle Mendes Pinheiro, Hugo Uliana Guerra

Resumo


As infecções das vias urinárias são patologias de expressiva prevalência no contexto de atendimento ambulatorial e hospitalar, podendo acometer qualquer paciente que apresente um ou mais fatores de risco. Classifica-se conforme localização (alta ou baixa), complicada e não complicada, episódica ou de repetição. Já a bexiga neurogênica é uma desordem miccional consequente a alterações neurológicas que acarretam várias complicações ao portador. Servindo como ponto de conexão de ambas patologias, estão as infecções de repetição do trato urinário, juntamente com as repercussões significativas na saúde física, mental e social do paciente. Problemas estes que muitas vezes postergam a busca por atendimento médico, resultando em quadros clínicos agravados e com possível desenvolvimento de sequelas.  Visto isso é de fundamental importância o conhecimento técnico de ambas enfermidades se complementem, para que assim toda uma equipe multidisciplinar venha a garantir o processo de promoção da saúde voltado para prevenção, diagnóstico, tratamento individualizado afim de reduzir custos e proporcionar a reintegração social com o mínimo de sequelas possíveis.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGER, Jennifer et al. Recurrent Uncomplicated Urinary Tract Infections in Women: AUA/CUA/SUFU Guideline. The Journal of urology, p. 10.1097/JU. 0000000000000296, 2019. Disponível em: Acesso em 10 de out. de 2019.

ARRUDA, Raquel Martins et al. Bexiga hiperativa. UNIFESP-Escola Paulista de Medicina. Fevereiro de, 2006. Disponível em: < https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1987.pdf> Acesso em: 19 de maio de 2017.

BRUSCH, J. L. Urinary Tract Infection (UTI) in Males. 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 de out. de 2019.

CAMERON, Anne P.; RODRIGUEZ, Gianna M.; SCHOMER, Katherine G. Systematic review of urological followup after spinal cord injury. The Journal of urology, v. 187, n. 2, p. 391-397, 2012. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2017

CARVALHO, Eliseth Roncáglia de; COMARU, Marlúcia N.; CAMARGO, Celina de Arruda. BEXIGA NEUROGÊNICA - UM PROBLEMA DE ENFERMAGEM. Rev. Bras. Enferm., Brasília , v. 29, n. 2, p. 40-44, 1976 . Disonível em: Acesso em 19 de maio de 2017.

CIPRIANO, Maria Aneuma Bastos et al. Revisão integrativa de estudos sobre ações educativas para portadores de bexiga neurogênica [Integrative review of studies of educational actions for patients with neurogenic bladder dysfunction]. Revista Enfermagem UERJ, v. 20, n. 6, p. 819-824, 2012. Disponível em: < https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/6040> Acesso em 30 de maio de 2017.

FIGUEREDO, José Alaor de. Infecção Urinária. In: JÚNIOR, Archimendes Nardozza, et al. Urologia Fundamental. São Paulo: Planmark, 2010. P. 274-279.

FOXMAN, Betsy. Epidemiology of urinary tract infections: incidence, morbidity, and economic costs. The American journal of medicine, v. 113, n. 1, p. 5-13, 2002. Disponível em: Acesso em: 10 de out. de 2019.

GOMES, Cristiano Mendes. Bexiga Neurogênica. Nardozza Júnior A, Zerati Filho M, Reis RB. Urologia Fundamental–Sociedade Brasileira de Urologia–SBU. São Paulo: Planmark, p. 240-45, 2010. Disponível em: < http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/2022/bexiga_neurogenica.htm?_mobile=off> Acesso em: 19 de maio de 2017.

GROEN, Jan et al. Summary of European Association of Urology (EAU) guidelines on neuro-urology. European urology, v. 69, n. 2, p. 324-333, 2016. Disponível em: < https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S030228381500740X> Acesso em: 10 de maio de 2017.

HEILBERG, Ita Pfeferman; SCHOR, Nestor. Abordagem diagnóstica e terapêutica na infecção do trato urinário: ITU. Revista da Associação Médica Brasileira, 2003. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2017.

JÚNIOR, Antônio Macedo, et al. Bexiga Neurogênica na Infância: Diagnóstico e Tratamento Conservador. In: NARDI, Aguinaldo Cesar, et al. Diretrizes Urologia – AMB. São Paulo: 2014.p.26-38. Acesso em: 30 de maio de 2017.

KOCH, Vera H.; ZUCCOLOTTO, Sandra MC. Infecção do trato urinário: em busca das evidências. Jornal de Pediatria, v. 79, n. 1, p. 97-106, 2003. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2017.

LOPES, Hélio Vasconcellos; TAVARES, Walter. Diagnóstico das infecções do trato urinário. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 51, n. 6, p. 306-308, 2005. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2017.

NETO, Osvaldo Merege Vieira. Infecção do trato urinário. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 36, n. 2/4, p. 365-369, 2003. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2017.

POLITA, Naiara Barros et al. BEXIGA NEUROGÊNICA E O CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, v. 4, n. 2, 2010. Disponível em: < http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=20181&indexSearch=ID> Acesso em: 19 de maio de 2017.

ROCHA, Flávio Eduardo Trigo; GOMES, Cristiano Mendes. Bexiga Neurogênica. In: JÚNIOR, Archimendes Nardozza. et al. Urologia Fundamental. São Paulo: Planmark, 2010. P. 240-249.

RORIZ FILHO, J. S., et al. Infecção do trato urinário. Medicina (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 43, n. 2, p. 118-125, 2010.

logy. European urology, v. 69, n. 2, p. 324-333, 2016. Disponível em: < https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/166> Acesso em: 10 de out. de 2019.

SACOMANI, Carlos Alberto Ricetto, et al. Infecção Urinária de Repetição. In: NARDI, Aguinaldo Cesar, et al. Diretrizes Urologia –AMB. São Paulo: 2014. p.119-128.

VANZELE, Pedro Augusto Ramos et al. A amônia como um novo parâmetro na detecção de infecções urinárias/Ammonia as a new parameter in the detection of urinary infections. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 1, p. 137-153, 2018. Disponível em: Acesso em: 10 de out. de 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.