CELULITE INFECCIOSA NA REGIÃO INGUINAL: RELATO DE CASO

Julia Raquel Felipe Caldeira, Isabelle Vieira Pena, Gabriela Soares Diniz Garcia, Indra Peixoto Godinho, Henrique Santos Fernandes, Elis de Oliveira Campos Paiva Mol

Resumo


A celulite infecciosa é um processo que acomete a derme profunda e tecido subcutâneo. A sua etiologia geralmente está associada a bactérias do gênero S. aureus e estreptococos do grupo A, mais ocasionalmente, outras bactérias podem estar implicadas, como Haemophilus influenzae, bacilos Gram-negativos e, ainda, fungos, como Cryptococcus neoformans. Quando se inicia o quadro clinico a celulite se apresenta com sinais flogisticos e nem sempre é possível se diferenciar tecido saudável e tecido infectado. O diagnostico é na maioria dos casos apenas clínico, sendo dispensáveis hemocultura, aspirados e biopsias a não ser que o paciente apresente algum comprometimento sistêmico. Pode ser realizada radiografia para diagnostico diferencial de osteomielite e abscesso. Com a instalação da infecção os sinais flogisticos são acompanhados a variáveis graus de sintomas sistêmicos, resultantes da disseminação da infecção como indisposição, anorexia, febre e calafrios. Os membros inferiores são locais mais acometidos em adultos, seguidos dos membros superiores e da face. O tratamento adequado deve imediatamente ser insitituido para prevenção da evolução para abcesso ou outras comorbidades.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA.Tratamento das principais infecçôes comunitarias e relacionadas à assistencia a saúde e profilaxia antimicrobiana em cirurgia. 2008. Disponível em:

. Acesso em: 12 Out. 2019.

DELFINO, Camila. Infecções da pele e partes moles. Programa de educação médica continuada. Cremesp, 2013. http://www.cremesp.org.br/pdfs/eventos/Infec%E7%F5es%20de%20pele%20e%20partes%20moles.pdf

DE SOUZA FIGUEIREDO, Simone; CAROMANO, Fátima Aparecida. Efeito do Tratamento com Silk Light em Portadores de Celulite. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 4, n. 2, 2000.

FIRMINO, I. C. L. Infecções de pele e partes moles: proposta de protocolo de atendimento em unidade pediátrica.2010. 65f. Monografia (Especialização em Pediatria) - Programa de Residência Médica em Pediatria do Hospital Regional da Asa Sul, Brasília, 2010.

FRANÇA, Luís Henrique Gil et al. Fatores de risco associados a infecção, amputação e mortalidade em pacientes submetidos a pontes arteriais infra-inguinais. Estudo retrospectivo de 27 casos. 2004.

GELATTI, Luciane Cristina et al. Sepse por Staphylococus aureus resistente à meticilina adquirida na comunidade no sul do Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 2009.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822009000400019〈=pt

MALHEIRO, Luís Filipe et al. Infecções da pele e de tecidos moles na unidade de terapia intensiva: estudo retrospectivo em um centro terciário. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 29, n. 2, p. 195-205, 2017. http://www.scielo.br/pdf/rbti/v29n2/0103-507X-rbti-20170019.pdf

PIRES, Carla Avelar et al. Infecções bacterianas primárias da pele: perfil dos casos atendidos em um serviço de dermatologia na Região Amazônica, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 6, n. 2, p. 45-50, 2015. http://scielo.iec.gov.br/pdf/rpas/v6n2/v6n2a06.pdf

SOUZA, Cacilda Silva. Infecções de tecidos moles: erisipela. celulite. síndromes infecciosas mediadas por toxinas. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 36, n. 2/4, p. 351-356, 2003.

Instituto de Previdência Dos Servidores Do Estado de Minas Gerais. Diretriz para tratamento de infecções de pele e partes moles. Protocolo Clinico.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.