PERDA DENTÁRIA EM MULHERES ADULTAS

Jesica Olivia Barbosa, Paloma Silvia Pereira, Gabriela Pinto Xavier Miranda, Izabelly Alcure, Juliana Santiago da Silva

Resumo


: As doenças bucais são agravantes para a perda dental, uma simples cárie pode se agravar e desencadear problemas mais graves. O tratamento pode ser paliativo se diagnosticado incialmente ou até mesmo evitado com uma boa higienização. A perda dentaria desencadeia diversos problemas funcionais como a mastigação, oclusão, fonação, além de transtornos estéticos.  O objetivo deste artigo foi avaliar o impacto da perda dentária na qualidade de vida de um grupo de mulheres, estudantes de um curso de magistério de uma escola pública, além de conscientizar as mesmas sobre importância de se cuidar da saúde bucal.Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada por meio de entrevista semiestruturadas, com 28 mulheres estudantes da Escola Estadual Padre Miguel, pertencente à Simonésia-MG. Os resultados mostraram que os problemas vivenciados pelas estudantes foram tanto funcionais quanto psicossociais, e os sentimentos relatados com a perda dentária bastante negativa, pois elas se sentem constrangidas pela falta de determinados elementos dentários. Entende-se que se faz necessário um trabalho de conscientização e programas de prevenção junto a esses indivíduos que são prejudicados em alguns casos pela falta de poder aquisitivo e/ou até mesmo por carência de conhecimento sobre o assunto.

 


Texto completo:

PDF

Referências


APPOLLONIO I.; CARABELLESSE, C.; FRATTOLA, A.; TRABUCCHI, M. Dental status, quality of life, and mortality in an older community population: A multivariate approach. J AmGeriatrSoc ; 45(11):1315-1323. 1997.

BARBATO, P. R.; NAGANO, H. C. M.; ZANCHET, F. N.; BOING, A. F.; PERES, M. A. Perdas dentárias e fatores sociais, demográficos e de serviços associados em adultos brasileiros: uma análise dos dados do Estudo Epidemiológico Nacional (Projeto SB Brasil 2002-2003). Cadernos de Saúde Pública, v. 23, p. 1803-1814, 2007.

BORTOLI, F. R.; MOREIRA, M. A.; PIRES, R. O. M.; BOTAZZO, C.; KOVALESKI, D. F.Percepção da saúde bucal em mulheres com perdas dentárias extensas.Saúde Soc. São Paulo, v.26, n.2, p.533-544, 2017.

BRAGA, S. R. S.; TELARORI JR. R.; BRAGA, A. S.; CATIRSE, A. B. E. B. Avaliação das condições e satisfação com as próteses em idosos na região Central do Estado de São Paulo (Brasil). RevOdontol UNESP; 31(1): 39-48. 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Módulo 12: higiene, segurança e educação. / Ivan Dutra Faria, João Antônio Cabral Monlevade. – Brasília: Universidade de Brasília, 2008.

COSTA, H.; SOLLA, J.; SUASSUNA, A.; PUCCA JR., G. A. Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003. Resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

FERREIRA, A. A. A.; PIUVEZAM, G.; WERNER, C. W. A.; ALVES, M. S. C. F. A dor e a perda dentária: representações sociais do cuidado à saúde bucal. Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, p. 211-218, 2006.

FRAZÃO, P.; ANTUNES, J. L. F.; NARVAI, P. C. Perda dentária precoce em adultos de 35 a 44 anos de idade: Estado de São Paulo, Brasil, 1998. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 6, p. 49-57, 2003.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. Guanabara-Koogan; 4ª ed. Rio de Janeiro, 1988.

GUIMARÃES, M. M.; MARCUS, B. Expectativa de perda de dente em diferentes classes sociais. REVCROMG; 2(1):16-20. 1996.

HEBLING, E. Prevenção em Odontogeriatria. In: PEREIRA A. C., organizador. Odontologia em saúde coletiva: planejando ações e promovendo saúde. Porto Alegre: Editora Artmed; p. 426-37. 2003.

MCGRATH C.; BEDI, R. Can dentures improve the quality of life of those who have experienced considerable tooth loss? J Dent; 29(4):243-246. 2001.

MUNHOS, E. C. P. Estudo Epidemiológico sobre perdas dentarias em adultos. Faculdade de Odontologia de Piracicaba. Piracicaba, SP, 2015.

NICO, L. S.; ANDRADE, S. S. C.; MALTA, D. C.; PUCCA JR, G. A.; PERES, M. A. Saúde Bucal autorreferida da população adulta brasileira: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Ciência & Saúde Coletiva, 21(2):389-398, 2016.

PINTO, V. G. Saúde bucal coletiva. Rev Saúde Pública. São Paulo: Santos; 2000.

PUCCA JR., G. A. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Disponível em: Acesso em 14 out. 2019.

SILVA, M. E. S.; VILLAÇA, E. L.; MAGALHÃES, C. S.; FERREIRA, E. F. Impacto da perda dentária na qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 841-850, 2010.

VARGAS, A. M. D.; PAIXÃO, H. H. Perda dentária e seu significado na qualidade de vida de adultos usuários de serviço público de saúde bucal do Centro de Saúde Boa Vista, em Belo Horizonte. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, p. 1015-1024, 2005.

WOLF S. M. R. O significado da perda dos dentes em sujeitos adultos. RevAssoc Paul CirDent; 52(4):307-315.1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.