A IMUNIZAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Macsuelen de Souza Jacob, Ana Paula Magalhaes Pereira, Eduardo Junio Dias Andrade, Rodrigo Bernardo de Oliveira, Riudo Paiva Ferreira, Roberta Mendes Von Rondow

Resumo


: A completude dos calendários de vacinação é um importante indicador de saúde da população e a obrigatoriedade dos estudantes e profissionais de saúde para algumas vacinas específicas ocorre devido seu contato direto com os pacientes, e a constante exposição a riscos biológicos. Diante disso, o objetivo deste estudo foi conhecer a situação vacinal dos acadêmicos do Curso de Graduação em Enfermagem de um Centro Universitário da Zona da Mata mineira. O carácter deste estudo é epidemiológico, exploratório descritivo, com abordagem quantitativa, a coleta dos dados foi obtida através da análise dos calendários de vacinação dos estudantes respectivos ao 2ª, 4ª, 6ª e 8ª períodos do curso de enfermagem, que se totalizaram 94 estudantes. Após a análise pode-se observar que dos 94 estudantes, 30 apresentaram os cartões de vacina incompletos, sendo o 4ª período de enfermagem o período com maior completude dos cartões com cerca de 78% e o 8ª período com menor frequência com cerca de 50%, os tipos vacinais com maior frequência foi a vacina contra Influenza com 98% e 1ª e 2ª dose de Hepatite B com 95%, já os dois tipos vacinais com maior taxa de ausência foi a 3ª dose de DT com cerca de 41% e 3ª dose de Hepatite B com cerca de 37%, excetuando-se da análise a vacina de varicela, que entrou no calendário de vacinação do ministério da saúde em 2013.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Calendário Nacional de Vacinação. Brasília: Ministério da Saúde;2018. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/vacinação/calendário-nacional-de-vacinação.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 597/GM de 8 de abril de 2004. Institui em todo o território nacional os calendários de vacinação. DOU. Brasília: MS; 2004.

CHEN, RT; ORENSTEIN, WA . Epidemiologic methods in immunization programs. Epidemiol Rev.1996;18(2):99-117.

DINELLI, M.I; MOREIRA, T.N; PAULINO E.R; DA ROCHA M.C; GRACIANI, F.B; MORAES-PINTO M.I. Immune status and risk perception of acquisition of vaccine preventable diseases among health care workers. Am J Infect control. 2009;37(10):858-60

HOEFEL, H.H.K; SCHNEIDER, L. O profissional de saúde na cadeia epidemiológica. In: Rodrigues EAC, Mendonça JS, Amarantes JMB et al. Infecções hospitalares:prevenção e controle. São Paulo: Sarvier;1997, p. 352-66.

LEITE R.D; BARRETO J.L; SOUSA A.Q. Measles reemergence in Ceará, northeast Brazil, 15 years after elimination.Emerg.Infect.Dis 2015; 21:1681-3.

OLIVEIRA, J.P.C; SILVA M.F.C.O; DANTAS R.A et al ,. Situação vacinal dos graduandos de enfermagem de uma instituição pública de ensino. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, vol. 10, núm. 1, enero-marzo, 2009, pp. 29-36. Universidade Federal do Ceará Fortaleza, Brasil

REIS P.G.T.A; DRIESSEN A.L; COSTA A.C.B.A; NARS A; COLAÇO I.A; TOMASICH F.D.S. Perfil epidemiológico de acidentes com material biológico entre estudantes de medicina em um pronto-socorro cirúrgico. Ver.Col.Bras Cir. 2013;40(4):287-92.

SANTOS; BEZERRA L, et al. "Percepção das mães quanto à importância da imunização infantil."Northeast Network Nursing Journal 12.3 (2011).

SANTOS LV et,. Imunização dos profissionais da área da saúde: uma reflexão necessária. Revista Mineira de enfermagem, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.