SEDUÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PERCEPÇÃO DOS SEDUZIDOS.

Gabriela Emerick Pereira, Geórgia Luiza Ferreira Ferraz, Rita de Cássia Oliveira Ventura, Reginaldo Adriano de Souza, Lilian Beatriz Ferreira Longo

Resumo


Os modelos de gestão, ao longo do tempo, evoluíram com o intuito primordial de, cada vez mais, alcançarem novos patamares de performance. Dentre as diferentes matizes dos modelos, os discursos de sedução ganharam realce com o interesse de sempre buscar novos adeptos que estejam disponíveis a se doarem, de corpo e alma, à ideologia organizacional. Neste estudo, apresenta-se uma pesquisa sobre as estratégias de sedução utilizadas por uma Instituição Financeira com o objetivo de analisar a percepção dos funcionários sobre as mesmas e como eles se sentem frente a elas. Para conduzir este estudo, utilizou-se de uma pesquisa qualitativa tendo a análise documental, a entrevista semiestruturada e o grupo focal como técnicas de coleta de dados. Como resultado, identificou-se uma aceitação passiva, ou talvez uma submissão consentida, ao discurso de fascínio realizado pela organização. Ainda, apontam-se as estratégias de enfrentamento que os funcionários desenvolvem para que haja distinção entre o “mundo do trabalho e a vida privada”.


Texto completo:

PDF

Referências


AKTOUF, O. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: J. F. Chanlat (Org.). O indivíduo nas organizações: dimensões esquecidas Vol. 2. São Paulo: Atlas, 1994.

ANTUNES, R. Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009.

BACKES, D. S. et al. Grupo Focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O mundo da saúde. São Paulo: v. 35, n. 4, p. 438-442, 2011.

BALESTRIN, A. Inteligência competitiva nas organizações. In: II Workshop Brasileiro de Inteligência Competitiva e Gestão do Conhecimento, 2001, Florianópolis. Anais ... Florianópolis, 2001.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

CASTORIADIS, C. La crise du processus identificatoire. Connexions, Paris, ERES, n.55, p.123-136, 1990.

CHANLAT, J. F. Ciências sociais e management. São Paulo: Atlas, 1999.

CHANLAT, J. F. (Coor.) O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. Vol. 1. São Paulo: Atlas, 1996.

COUTINHO, M. C. Identidade e dominação nas organizações. Anais... do XXIV ENANPAD. Florianópolis, 2000

DAVEL, E.; VERGARA, S. C. Gestão com pessoas, subjetividade e objetividade nas organizações. In: DAVEL, E.; VERGARA, S. C. (Org.). Gestão com pessoas e subjetividade. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. 3. ed. São Paulo: Editora FGV, 2000.

ENRIQUEZ, E. Vida psíquica e organização. Organizações & Sociedade, v. 3, n. 4, p. 75-93, 1995. Disponível em: < https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaoes/article/view/10274>. Acesso em: 25 abr. 2017.

ENRIQUEZ, E. O homem do século XXI: sujeito autônomo ou indivíduo descartável. RAE Eletrônica, v. 5, n. 1, Art. 10, Jan/Jun 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2017.

FARIA, J. H. Trabalho, tecnologia e sofrimento: as dimensões desprezadas do mundo do trabalho. Curitiba: Crítica Jurídica. No. 18, 2001.

FISCHER, A. L. Um resgate conceitual e histórico dos modelos de gestão de pessoas. In: FLEURY, M. T. L. (Coord). As pessoas nas organizações. São Paulo: Editora Gente, 2002.

FREITAS, M. E. de. Contexto social e imaginário organizacional moderno. Revista de Administração de Empresas. v. 40, n. 2, p. 6-15, 2000. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-75902000000200002&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 03 mar. 2017.

GAULEJAC, V. de. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida (SP): Editora Ideias e Letras, 2007.

GIL, A.. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de empresas. RAE. São Paulo, v. 35, n. 4, p. 65-71, jul./ago. 1995.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MOREIRA, M. M. de M. B. Alinhamento entre gestão de pessoas e estratégia organizacional: um estudo de caso em uma empresa pública brasileira. 2010. 94f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Empresas) – Instituto Universitário de Lisboa. Lisboa: Instituto Universitário de Lisboa, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2014.

NATIVIDADE, C.; PIMENTA, S. A semiótica social e a multimodalidade. In: LIMA, C. H. P. et al. (Orgs). Incursões semióticas: teoria e prática de gramática sistêmico-funcional, multimodalidade, semiótica social e análise crítica do discurso. Rio de Janeiro: Livre Expressão, 2009, p. 21-29.

PFEFFER, Jeffrey.The human equation: Building profits by putting people first. Harvard Business Press, 1998. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2014.

RIBEIRO, C. Simbolismo organizacional: adicionando a abordagem arquetípica. Anais... do XXIV ENANPAD. Florianópolis, 2000

RUDIO, F. Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes, 1978.

SCHIRATO, M. A. R. O feitiço das organizações. São Paulo: Atlas, 2000.

SMEHA, L. N. Aspectos epistemológicos subjacentes a escolha da técnica do Grupo Focal na pesquisa qualitativa. Revista de Psicologia da IMED, vol.1, n.2, 260-268, 2009. Disponível em: . Acesso em: 1 ago 2015.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1994.

VIEIRA, F. de O. Quem vê cara, não vê coração: aspectos discursivos e eufemísticos da sedução organizacional que disfarçam violência e sofrimento no trabalho. Revista Economia & Gestão. v. 14, n. 36, jul/set. 2014. Disponível em: < http://periodicos.pucminas.br/index.php/economiaegestao/article/view/6416>. Acesso em: 14 mar. 2017.

WEBER, M. Ensaios de Sociologia. 5. ed. Rio de Janeiro, Guanabara, 1982.

YASUDA, A.; OLIVEIRA, D. M. T. de. Pesquisa de marketing: guia para a prática de pesquisa de mercado. São Paulo: Cengage Learning, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.