ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS POR PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DA SAÚDE

Daniele Maria Knupp Souza Sotte, Larissa Miranda Dutra Cordeiro, Aline Alves da Veiga, Samuel Luiz Pereira da Fonseca, Ana Flávia Hott Silva, Lara Morello de Paulo

Resumo


As infecções sempre foram alvo de grande preocupação na área da saúde pela sua importância relacionada ao prognóstico dos pacientes, e as mãos, objeto de trabalho dos profissionais da área, são grandes protagonistas na transmissão de microrganismos. São encontradas as microbiotas residente e transitória, que se diferenciam pela virulência e dificuldade de serem retiradas durante a antissepsia. O objetivo do trabalho é demonstrar a importância da higienização das mãos na redução de infecções nos cuidados de saúde. O trabalho foi desenvolvido em aula prática com os alunos do 2° período de Odontologia da UNIFACIG para comparação do crescimento microbiano antes e após a antissepsia. Na leitura do experimento foi observado que nas placas antes da higienização houve crescimento de agentes compatíveis com a microbiota residente das mãos, e que após a antissepsia todos os grupos tiveram redução expressiva do crescimento microbiano. Percebe-se que o procedimento é simples de ser realizado e eficaz na redução de microrganismos que podem ser transmitidos por contato direto e/ou indireto. Assim, entende-se que a correta higienização das mãos é de extrema importância durante todo o processo de cuidado de saúde, e por isso, todos os profissionais envolvidos devem estar preocupados com o procedimento.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Ministério da Saúde. Serviços Odontológicos: Prevenção e Controle de Riscos. Brasília, 2006.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Ministério da Saúde. Higienização das Mãos em Serviços de Saúde. Brasília, 2007.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Ministério da Saúde. Segurança do paciente - Higienização das Mãos. Brasília, 2014.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Guideline for Hand Hygiene in Health-Care Settings: recommendations of the Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee and the HICPAC/SHEA/ APIC/IDSA Hand Hygiene Task Force. MMWR, v.51, n. RR-16, p.1-45, 2002.

CUSTÓDIO, J., ALVES, J.F., SILVA, F.M., VON DOLINGER, E.J.O., SANTOS, J.G.S., BRITO, D. Avaliação microbiológica das mãos de profissionais da saúde de um hospital particular de Itumbiara, Goiás. Rev Ciênc Méd, v.18; p. 7-11, 2009.

GOULART, D. R., ASSIS, E. A., SOUA, M. T. Microbiological evaluation of preoperative antisepsis of hands. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., Camaragibe, v.11, n.3, p. 103-112, jul./set. 2011.

LARSON, E. Innovations in health care: antisepsis as a case study. Am J Public Health, v. 79, n. 1, p. 92-9, 1989.

LARSON, E. Skin hygiene and infection prevention: more of the same or different approaches? Clin Infect Dis, v.29; p.1287-94, 1999.

OLIVEIRA, D.G.M., SOUZA, P.R., WATANABE, E., ANDRADE, D. Avaliação da higiene das mãos na perspectiva microbiológica. Rev Panam Infectol, v.12 (3); p. 28-32, 2010.

SANTOS, D. C., ANGELIM, E. S. Z., LIMA, M. F., PAULA, C. C., BITTENCOURT, W. S. Análise microbiológica das mãos de universitários antes e após antissepsia das mãos. Seminário Transdisciplinar da Saúde, n.3, 2015.

SANTOS, N. Q. Bacterial resistence in the contextt of hospital infection. Texto Contexto Enferm., v.13, p.64-70, 2004.

SILVA, Diogo Rêgo da et al. Comparação de Dois Métodos de Antissepsia Pré-operatória de Mãos em Cirurgia Bucal. Revista de Traumatologia Buco-maxilo Facial, Teresina, v. 2, n. 11, p.45-53, jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Hand Hygiene: Why, How and When. Summary Brochure on Hand Hygiene. World Alliance for Patient Safety, p. 1-4, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.