OS CRIMES COMETIDOS CONTRA O CRISTO À LUZ DO DIREITO ATUAL

Jesana Gomes Soares, Leonardo Gomes de Souza, Lídia Maria Nazaré Alves, Fernanda Franklin Seixas Arakaki

Resumo


Este artigo filia-se a um tema de caráter histórico-religioso. Pretende-se com ele abrir um espaço reflexivo sobre as acusações infundadas proferidas à Jesus de Nazaré e o desfecho do seu julgamento, à luz das leis hebraicas e romanas, que culminou com sua crucificação e morte. Neste artigo, faz-se eco à voz dos cristãos, no que tange à inocência do réu. Ao longo da história universal, os judeus foram sempre apontados como os culpados pela morte de Jesus. Tal culpa fizeram-nos vistos como assassinos e incrédulos, persona non grata, portanto, há uma multiplicidade de textos históricos e literários que apontam para tal marginalização. Neste caso, tal reflexão levar-nos-á à problematização dos possíveis culpados de sua morte. A mais rica fonte que narra os últimos acontecimentos de Cristo são os evangelhos, porém, os evangelhos não foram escritos para dar informações, mas para ajudar as comunidades a descobrir o sentido das palavras, ações e vida de Jesus. Isto nos informa que a narrativa dos evangelhos são textos catequéticos com um fundo histórico. Este fundo, no entanto, em união com outras fontes, advindas de modernas pesquisas sobre este tema, permite-nos descrever o processo de Cristo. Optou-se por pesquisa bibliográfica dos seguintes autores: THOMAS (2013), COULANGES (1961), CAPEZ (2011), VADE MECUM (2015), IGREJA CATÓLICA. Papa (1963-1978: Paulo VI. (2016); e pela análise do evangelho de João, no que se refere ao referido processo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.