LEVANTAMENTO DE BEIJA-FLORES (TROCHILIDAE) NO MUNICÍPIO DE MANHUAÇU, MINAS GERAIS

Carlos Leandro de Souza Mendes, Teigla Stenya Coelho, Janícia Fernandes da Silva, Roberta Mirelle Fraça Souza

Resumo


O Brasil é o país com a maior diversidade de aves do mundo, considerando as espécies residentes, as migrantes e as de ocorrência esporádica, abrigando cerca de 1.690 espécies e subespécies reconhecidas. Dentre as várias famílias de aves encontradas no Brasil, a dos beija-flores (Trochilidae) se destaca por compor uma das maiores famílias de aves, com cerca de 83 espécies catalogadas de um total de 322 existentes. O objetivo desse trabalho foi determinar a riqueza e a composição de beija-flores no município de Manhuaçu-MG, contribuindo para maior conhecimento da ornitofauna na região. O trabalho foi realizado de julho de 2015 e maio de 2016, Os dados foram coletados através de observações diretas e a captura por Redes de Neblina. Foi possível registrar 18 espécies de beija-flor pertencentes a 12 gêneros (Amazilia, Phaethornis, Thalurania, Chlorostilbon, Eupetomena, Calliphlox, Leucochloris, Aphantochroa, Florisuga, Colibri, Stephanoxis, Lophornis). A riqueza de espécies neste trabalho representou cerca de 50% do total existente em Minas Gerais e 22% das presentes no Brasil, indicando que Manhuaçu abriga uma grande diversidade de beija-flor.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEIXO, A. Molecular systematics and the role of the “várzea”-“terra-firme” ecotone in the diversification of Xiphorhynchus woodcreepers (Aves: Dendrocolaptidae).The Auk, v. 119, n. 3, p. 621-640, 2002.

CBRO.. Lista das Aves do Brasil. Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. Disponível em: http://www.cbro. org.br Acesso em 31 de maio de 2016. 2012.

COMITÊ BRASILEIRO DE REGISTROS ORNITOLÓGICOS – CBRO. Resolução nº 33 – Substituir

Polyborus Vieillot, 1816, por Caracara Merrem, 1826, na lista principal de aves brasileiras. Nattereria, n. 2, p. 45, 2001.

COMITÊ BRASILEIRO DE REGISTROS ORNITOLÓGICOS – CBRO. Resolução nº 47 – Substituir

Chaetura andrei Berlepsch & Hartert, 1902, por Chaetura meridionalis, Hellmayr, 1907, na lista principal de aves brasileiras. Nattereria, n. 2, p. 54, 2001.

COMITÊ BRASILEIRO DE REGISTROS ORNITOLÓGICOS – CBRO. Resolução nº 64 – Substituir

Troglodytes aedon Vieillot [1809] por Troglodytes musculus, Naumann, 1823, na lista principal de aves brasileiras. Nattereria, n. 2, p. 63, 2001.

DRUMMOND, G.M., MARTINS, C.S., MACHADO, A.B.M., SEBAIO, F.A. & ANTONINI, Y.

Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para sua conservação. Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte, p.222. 2005.

FILHO, E.P.M.C.; ZORZIN, G.; CANUTO, M.; CARVALHO, C.E.A.; CARVALHO, G.D.M. Aves de

rapina diurnas do Parque Estadual do Rio Doce, Minas Gerais, Brasil. MG Biota, v.1, n.5, p. 1-43, 2009.

GARCÍA-MORENO, J.; SILVA, J. M. C. An interplay between forest and non-forest South American avifaunas suggested by a phylogeny of Lepidocolaptes woodcreepers (Dendrocolaptidae). Studies in Neotropical Fauna e Environment, v. 32, p. 164-173, 1997.

IUCN. International Union for Conservation of Nature and Natural Resources. http://www.iucnredlist.org [15-05- 2016] 2015.

MACHADO, A.B.M., G.A.B. da FONSECA, R.B. MACHADO, L.M.S. AGUIAR & L.V. LINS.. Livro

vermelho das espécies ameaçadas de extinção da fauna de Minas Gerais. Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte, Brasil 1998.

MENDES, C. L. S. Fauna de primatas da RPPN Mata do Sossego e seu entorno, com ênfase no estudo auto-ecológico e status de conservação do muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus), Simonésia, Minas Gerais. 93f. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambientais), Universidade do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2007.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA) Lista nacional das espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção. IBAMA, Ministério do Meio Ambiente. Disponível em

PACHECO, J. F. & BAUER, C..A lista de aves do Espírito Santo de Augusto Ruschi (1953): uma análise crítica. In: ALBUQUERQUE, J. L. B.; CÂNDIDO-JR, J. F.; STRAUBE, F. C. & ROOS, A. L.

eds. Ornitologia e conservação: da ciência às estratégias. Tubarão, Unisul. p.261-278. 2001. PRIMARCK, R.B. & E. RODRIGUES. 2001. Biologia da Conservação. Londrina:, 328p 2001.

RAPOSO, M.A.. A new species of Arremon (Passeriformes: Emberizidae) from Brazil. Ararajuba 5: 3-9 1997.

RIBON, R., LAMAS, I.R., GOMES, H.B. Avifauna da Zona da Mata de Minas Gerais: municípios de Goianá e Rio Novo, com alguns registros para Coronel Pacheco e Juiz de Fora. Revista Árvore, v. 28, n. 2. 2004.

SAZIMA, M.; S. BUZATO & I. SAZIMA.. An assemblage of hummingbird-pollinated flowers in a montane forest in southeastern Brazil. Botanica Acta, New York, 109: 149-160. 1996.

SICK, H. Birds in Brazil: A natural history. Princeton University Press. Princeton, EUA. 1993.

SICK, H. Ornitologia Brasileira: Uma Introdução (Edição Revista e Ampliada por José Fernando Pacheco). Rio de Janeiro: Nova Fronteira,. 912 p. 1997.

SICK, H. Ornitologia brasileira. 3.ed. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 912p. 2001. SIGRIST T Iconografia das aves do Brasil: Mata Atlântica.( Avis Brasilis) 2012. SIGRIST T Guia de Campo Avis Brasilis: Avifauna Brasileira (Avis Brasilis) 2013.

SILVEIRA, L.F.; BEISIEGEL, B.M.; CURCIO, F.F.; VALDUJO, P.H.; DIXO, M.; VERDADE, V.K.;

MATTOX, G.M.T. & CUNNINGHAM, P.T.M.. Para que servem os inventários de fauna? Estudos Avançados, USP, 24:173-177. 2010.

SOULÉ, M.E., J.A. ESTES, J. BERGER & C.M. del Rio. Ecological effectiveness: conservation goals for interactive species. Conservation Biology 17(5):1238-1250. 2003.

VEIGA, J. E. da. Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. São Paulo: Senac, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.