ANÁLISE DE MÉTODOS EM TESTES DE EXTRATOS DE PRÓPOLIS E AROEIRA

Juliana Caroline de Araújo, Letícia Luísa Mattos, Lara Morello de Paulo, Christian Carvalho Rodrigues da Silva, Ríudo de Paiva Ferreira, Maria Diana Cerqueira Sales

Resumo


No cenário atual, as bactérias resistentes são uma preocupação crescente para a Organização Mundial da Saúde (OMS), devido á resistência adquirida pelo uso indiscriminado de antibióticos. Novas alternativas farmacológicas como, por exemplo, as plantas medicinais, são de grande interesse para a indústria farmacêutica. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento dos métodos de avaliação da atividade antimicrobiana utilizados em bioextratos de aroeira e da própolis em publicações de revistas e jornais com fator de impacto no intervalo 1,295 à 4 e por consequência classificação no Qualis CAPES de B1 à A1 na área de avaliação Medicina II (abrange a área de infectologia), Farmácia ou Ciências Biológicas III (abrange a área de microbiologia) no período entre o ano 2000 a 2017. Como metodologia foi adotada um pesquisa de natureza qualitativa, com uma abordagem exploratória através de uma revisão de literatura de métodos de extração da Aroeira e do Própolis. Dos métodos utilizados em ensaios com bioextratos nas publicações, destacaram- se os testes de suscetibilidade foram feitos por microdiluição, por difusão de disco (Método Disco- Difusão), por diluição em ágar e por Microdiluição em placas de 96 poços. Para a avaliação dos resultados da eficácia ou ineficácia da ação antimicrobiana das amostras de própolis analisadas foram utilizados espécies de Staphylococcus sp., Streptococcus sp., Enterococcus sp., Klebsiella sp., Escherichia coli, Bacillus subtilis, Micrococus luteus, Bacillus cereus, Enterobacter aerogene, Pseudomonas aeruginosa, Candida albicans, entre outras. Os trabalhos selecionados apresentam uma prevalência do método de microdiluição em placas de 96 poços e a maceração com etanol como meio de extração preferencial dos pesquisadores, pelo seu baixo custo e por ser de fácil replicação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA. Interpretação de dados microbiológicos. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/cursos/atm_racional/modulo2/metodos2.htm. Acesso em: 06 out. 2017. BITTERCOURT, M. L. F. Metabolite profiling, antioxidant and antibacterial activities of Brazilian propolis: Use of correlation and multivariate analyses to identify potential bioactive compounds. Rev. Food Reserarch. v. 76. P. 449-457, 2015.

BIZZO, H. R. Óleos essenciais no Brasil: aspectos gerais, desenvolvimento e perspectivas. 2009. Disponível em: http://quimicanova.sbq.org.br/imagebank/pdf/Vol32No3_588_04-QN09038.pdf. Acesso em: 04 out. 2017. CHARLES D. J.; SIMON J. E. CHARLES, Denys J.; SIMON, James E. Comparison of extraction methods for the rapid determination of essential oil content and composition of basil. Journal of the American Society for Horticultural Science, v. 115, n. 3, p. 458-462, 1990. CRAVEIRO, A. A. et al. Microwave oven extraction of an essential oil. Flavour and Fragrance Journal, v. 4, n. 1, p. 43-44, 1989.

GODEFROOT, M.; SANDRA, P.; VERZELE M. New method for quantitative essential oil analysis. Journal of Chromatography A, v. 203, p. 325-335, 1981.

KARAMAN I. et al. Antimicrobial activity of aqueous and methanol extracts of Juniperus oxycedrus L. Journal of Ethnopharmacol, v.85, n. 2, p. 231-235, 2003.

KOO, H. et al. In vitro antimicrobial activity of propolis and Arnica montana against oral pathogens. Archives Of Oral Biology, v. 45, n. 2, p.141-148, 2000. MARCUCCI, M. et al. Phenolic compounds from Brazilian propolis with pharmacological activities. Journal Of Ethnopharmacology, v. 74, n. 2, p.105-112, 2001. MIRZOEVA, O. K.; GRISHANIN, R. N.; CALDER, P. C. Antimicrobial action of propolis and some of its components: the effects on growth, membrane potential and motility of bacteria. Microbiological Research, v. 152, n. 3, p.239-246, 1997. MOURA-COSTA G. F. et al. Antimicrobial activity of plants used as medicinals on an indigenous reserve in Rio das Cobras, Paraná, Brazil. Journal of ethnopharmacology, v. 143, n. 2, p. 631-638, 2012. MUHS, A. et al. Virulence Inhibitors from Brazilian Peppertree Block Quorum Sensing and Abate Dermonecrosis in Skin Infection Models. Scientific Reports, v. 7, p.42275-42275, 2017.

BRASIL. OMS publica lista inédita de bactérias resistentes a antibióticos. 2017. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-publica-lista-inedita-de-bacterias-resistentes-a-antibioticos/. Acesso em: 04 out. 2017.

OSTROSKY, E. A. et al. Métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da concentração mínima inibitória (CMI) de plantas medicinais. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v. 18, n. 2, p. 301-307, 2008.

PEREIRA E. M. et al. In vitro antimicrobial activity of Brazilian medicinal plant extracts against pathogenic microorganisms of interest to dentistry. Planta medica, v. 77, n. 04, p. 401-404, 2011.

III Seminário Científico da FACIG – 09 e 10 de Novembro de 2017

II Jornada de Iniciação Científica da FACIG – 09 e 10 de Novembro de 2017

PINTO T.J.A., KANEKO T.M., OHARA M.T. 2003. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos, Correlatos e Cosméticos. 2.ed. São Paulo: Atheneu, 2003.

QUEIROZ S. C. N., COLLINS C.H. e JARDIM I. C. S. F. Métodos de extração e/ou concentração de compostos encontrados em fluidos biológicos para posterior determinação cromatográfica. Química Nova, 2001.

SANTOS A. S. et al. Descrição de Sistema e de Métodos de Extração de Óleos Essenciais e Determinação de Umidade de Biomassa em Laboratório. Embrapa Amazônia Oriental-Comunicado Técnico (INFOTECA-E), 2004.

SILVA, R. P. D. et al. Antioxidant, antimicrobial, antiparasitic, and cytotoxic properties of various Brazilian propolis extracts. Rev. Plos one, v. 12, n. 3, p. e0172585, 2017.

SILICI, S.; KUTLUCA, S. Chemical composition and antibacterial activity of propoliscollected by three different races of honeybees in the same region. Journal of Ethnopharmacology, v. 99, n. 1, p. 69-73, 2005.

SPRINGFIELD, E. P. et al. An assessment of two Carpobrotus species extracts as potential antimicrobial agents. Phytomedicine, v. 10, n. 5, p. 434-439, 2003.

ULIANA M. P. et al. Composition and biological activity of Brazilian rose pepper (Schinus terebinthifolius Raddi) leaves. Industrial Crops and Products, v. 83, p. 235-240, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.