USO DAS TECNOLOGIAS E MÉTODOS ATIVOS NA EDUCAÇÃO: POSSIBILIDADES DE APLICAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA

Luciana Rodrigues de Souza, Germano Moreira Campos

Resumo


O presente trabalho abordou o ensino  de história como peça fundamental para  sua construção. Entendemos que a escola é fundamental para a criação de personalidades nos alunos e importante para a autonomia dos mesmos. Foram abordados os principais pontos negativos de um ensino padronizado e feitas algumas comparações entre os ensinos que o Brasil teve desde o período colonial até o atual. Apresentamos algumas propostas de metodologias ativas para tentar solucionar as principais queixas de alunos e professores sobre a matéria de história e tentar aproximá-los enquanto agentes do saber. Os objetivos neste trabalho eram a valorização de novas formas didáticas em sala de aula, a disseminação de informações sobre como utilizar a tecnologia de melhor maneira e alcançar um bom aproveitamento das aulas de história pelos discentes. Para a obtenção de resultados, os quais foram favoráveis para a pesquisa, foi realizado um questionário entre alunos do 1º ano do ensino médio, em uma escola particular e em uma escola pública, relacionado ao ensino, à didática de professores e à opinião deles sobre a matéria.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A.; MEDIANO, Z. D. “O cotidiano da escola: elementos para a construção de uma didática fundamental”. In: CANDAU, V. M. (Org.). Rumo a uma nova didática. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2011, p. 179–192.

ARANHA, M. L. De A. História da educação e da pedagogia: geral e Brasil. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

BERTUCCI, J. L. De O. Metodologia básica para elaboração de trabalhos de conclusão de cursos: ênfase na elaboração de TCC de pós graduação Lato Sensu. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2009. BITTENCOURT, C. (Org.). O saber histórico na sala de aula. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

CANDAU, V. M. (Org.). Rumo a uma nova didática. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

CARDOSO, C. F.; BRIGNOLI, H. P. Os métodos da história. Tradução de João MAIA. 6. ed. Rio de Janeiro: Graal, [s.d.].

CAPES, Fundação. Pibid - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2017.

HANNAS, Anandy Kassis de Faria Alvim et al. METODOLOGIAS ATIVAS NO ENSINO: manual de aplicação. Belo Horizonte: 3i Editora, 2017.

REAL, Luciane M. Corte; MENEZES, Crediné Silva De. Júri simulado: possibilidade de construção de conhecimento a partir de interações em um grupo. In: MENEZES, Crediné Silva De; CARVALHO, Marie Jane Soares De; NEVADO, Rosane Aragón De (Orgs.). Aprendizagem em rede na Educação

a Distância: Estudos e Recursos para Formação de Professores. [S.l.]: Ricardo Lenz Editor, 2007. Disponível em:

.

CHAVES, E. O. C. Tecnologia na educação, ensino a distância, e aprendizagem mediada pela tecnologia: conceituação básica. Revista de educação, 1999. 7. v. 3, p. 29 a 43.

FAUSTO, B. História do Brasil. 13. ed. São Paulo: Edusp, 2009. FERREIRA, J. O Brasil republicano. [S.l.]: EDUSC, 2003.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967. FREIRE, P. PEDAGOGIA DA AUTONOMIA: Saberes Necessários à Prática Educativa. 25. ed. São Paulo: EDITORA PAZ E TERRA S/A, 1996.

GIL, A. Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

HANNAS, A. K. De F. A. et al. Metodologias ativas no ensino: manual de aplicação. Belo Horizonte: 3i Editora, 2017.

MARIN, M. J. S. et al. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Revista brasileira de educação médica, 2010. n. 1. Disponível em:

.

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleções mídias contemporâneas, 2015. v. 2, p. 15 a 32.

NADAI, E. O ensino de história no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História, set. 92/ago. 93. v. 13, n. 25//26, p. 143 a 162.

PRIORE, M. Del. Histórias íntimas: sexualidade e erotismo na história do Brasil. São Paulo: Planeta do Brasil, 2011.

RAYMUNDO, G. M. C. Os princípios da modernidade nas práticas educativas dos jesuítas. Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 1998. Dissertação de mestrado.

RIBEIRO, M. L. S. História da educação brasileira: a organização escolar. 21. ed. Campinas: Autores Associados, 2010.

RIBEIRO, P. R. M. História da educação escolar no Brasil: notas para uma reflexão. Paideia, 1993. n. 4, p. 15 a 30.

ROMANELLI, O. De O. História da educação no Brasil. 38. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

SCHMIDT, M. A. “A formação do professor de história e o cotidiano da sala de aula”. In:

BITTENCOURT, C. (Org.). O saber histórico na sala de aula. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2004. VIGLUS, D. O filme na sala de aula: um aprendizado prazeroso. [s.d.]. p. 1 a 22.

VILLALTA, L. C. Dilemas da relação teoria e prática na formação do professor de história: alternativas em perspectiva. Revista brasileira de história, [s.d.]. v. 13, n. 25/26, p. 223 a 232.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.