JOGOS E HISTÓRIA: UMA PERSPECTIVA ATIVA DE ENSINO

Paulo Vinicius Silva de Santana, Camila Klen Oliveira, Juniely Cesária da Silva

Resumo


Por meio das concepções pedagógicas atuais, o contato com o conhecimento da história dentro do processo formativo do sujeito escolar não tem ficado apenas a cargo da mediação do professor. Televisão, livros jornalísticos e internet atingem um público grande e são muito mais atraentes do que livros didáticos e aulas no quadro. Fica então, a cargo do educador, buscar uma aproximação entre o saber histórico acadêmico, ensinado nas escolas, e o saber vulgar, debatido e desenvolvido por não especialistas e voltado para o público leigo. Os métodos ativos vem ganhando espaço como estratégias de ensino inovadoras pois têm demonstrado a validade da prática na absorção de conhecimento. O que temos como objetivo em nosso trabalho é associar essa concepção de educação com um tipo de mídia interativa amplamente utilizada pelos alunos em seus momentos de lazer: os Jogos Eletrônicos. Algumas vertentes dos games proporcionam caminhos mais abertos permitindo uma maior interação com as dinâmicas históricas de maneira participativa. Buscaremos principalmente responder a duas questões: como é tratado o conteúdo histórico nos jogos eletrônicos e como o professor pode utilizar os mesmos como ferramentas de ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Lynn. Relações entre os jogos digitais e aprendizagem: delineando percurso. Revista Educação, Formação & Tecnologias, vol. 1 (2), 2008. Acessado em 03/10/2017. https://www.institutoclaro.org.br/uploads/relacoesentrejogosdigitais_lynnalves.pdf.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Obras escolhidas, I. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CARDOSO, Oldimmar Pontes. A didática da Histórica e o slogan da formação de cidadãos. Tese de Doutorado. São Paulo: Faculdade de Educação, 2007.

DUBIELA, Rafael Pereira. A utilização de narrativas embutidas no auxílio da narrativa da histórica nos jogos eletrônicos informatizados. Dissertação de Mestrado. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2008.

FERREIRA, Helenice Mirabelli Casino; COUTO JÚNIOR, Dilton R. do. Jogos eletrônicos e educação: um diálogo possível com a escola. Acessado em 03/10/2017. http://www.ufsj.edu.br/portal-repositorio/File/Vertentes/Helenice%20e%20Dilton.pdf

FONCECA, Selva G. Caminhos da história ensinada. São Paulo: Papirus, 1993.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2012.

KENSKI, Vani Moreira. O ensino e os recursos didáticos em uma sociedade cheia de tecnologias. In.: VEIGA, Ilma P. Alencastro (org). Didática: o ensino e suas relações. Campinas, SP: Papirus, 1996.

NESTERIUK, Sérgio. Reflexões acerca do videogame: algumas de suas aplicações e potencialidades. In:

SANTAELLA, Lúcia. FEITOZA, Mirna. Mapa do jogo. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

PALANGANA, Isilda Campaner. Et al. Acerca da relação entre ensino, aprendizagem e desenvolvimento.

Revista Portuguesa de Educação, 2002, pp. 111-128.

ROSSO, Ademir José e TAGLIEBER, José Erno. Métodos Ativos e Atividades de Ensino. Revista Perspectiva

, 1992. pp 37-46.

SANTAELLA, Lúcia. FEITOZA, Mirna. Mapa do jogo. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

SANTOS, Ana Paula. Game facilita aprendizado de alunos na rede estadual. A Tarde, 21 jul. 2016. Acessado em 08/10/2017. http://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/1788248-game-facilita- aprendizado-de-alunos-na-rede-estadual.

SETTON, Maria da Graça Jacintho. Família, escola e mídia: um campo com novas configurações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n.1, 107-116, jan/jun. 2002.

SMOSINSKI, S. Jogos eletrônicos podem auxiliar nos estudos, mas não devem ser muito didáticos. UOU Educação, 24 ago. 2012. Acessado em 08/10/2017. http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/08/24/jogos-eletronicos-podem-auxiliar-nos-estudos-mas- nao-devem-ser-muito-didaticos.html


Apontamentos

  • Não há apontamentos.