A INFLUÊNCIA DOS DISCURSOS NA PROPAGAÇÃO DA IDEOLOGIA DA MINORIA NEGRA NA SOCIEDADE BRASILEIRA

Davi Borges Afonso, Nayara Lima Alcântara da Silva, Nayorrane Lima Alcântara da Silva, Amanda Dutra Hot, Lídia Maria Nazaré Alves

Resumo


Ao utilizar-se da análise de discursos midiáticos, literários e daqueles contidos no próprio comportamento social, o presente artigo objetiva estabelecer as bases do ideal de minoria quantitativa da população negra na sociedade brasileira, oriunda das ideologias propagadas pelos supracitados discursos; ideologias essas que, por sua vez, consistem em falseamentos de uma realidade social a qual procura nevoar a fim de um objetivo especifico de dominação. Essa realidade, por vezes falseada, tem por finalidade clara a minoração quantitativa dos 54% da  população brasileira, de modo que estes passem apenas a ocupar certos nichos sociais, levando-os a uma submissão involuntária à população dominante; nesse contexto especificamente, o estrato branco. Dessa forma, serão utilizados autores como Marilena Chauí (2001), Mikhail Bakthin (1999), Žižek (2003), dentre outros, para compor o referencial teórico no qual será alicerçada toda a relação entre discursos ideológicos e a minoração de uma parcela expressiva da população. Assim, o cerne da proposição a seguir trata-se da busca pela confirmação da influência dos discursos na propagação da ideologia da minoria negra na sociedade brasileira, que levará estes a serem relegados a estabelecer-se no círculo social através de uma cotização. Essa minoração, como levar-se-á em consideração a seguir, será combatida por discursos contraideológicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE PROPAGANDA. Código de Ética dos profissionais de propaganda. 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 de nov. 2017

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1999.

BARROSO chama Joaquim Barbosa de 'negro de primeira linha' em discurso. O Globo: [s.n.], 2017. Disponível em:. Acesso em: 27 jun. 2017.

BOECKEL, Cristina. Autor de 'Olhos coloridos' conta que música surgiu de caso de racismo: Canção é considerada um símbolo do orgulho negro no Brasil. Macau foi preso injustamente quando participava de uma exposição. Disponível em:

racismo.html>. Acesso em: 29 jul. 2017.

BRECHT, Bertolt. Sátiras Alemãs. In: Poemas 1913-1956. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense: 1990. CHAUÍ, Marilena. O que é Ideologia. São Paulo: Brasiliense, 2001.

CONTRERA, Malena Segura. Mídia e Pânico: Saturação da informação, violência e crise cultural na mídia. São Paulo: AnnaBlume: Fapesp, 2002.

DE ALENCAR, José. Cartas de Erasmo. Academia Brasileira de Letras: Estúdio

Castellani, 2009. 428 p. Disponível em:

_-_jose_de_alencar.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2017.

EAGLETON, Terry. Ideologia. São Paulo: Edunesp: Boitempo Editorial, 1997.

FAGUNDEZ, Ingrid. ‘Empoderamento feminino é clichê constrangedor, diz Washington Olivetto’. BBC Brasil. Disponível em: . Acesso em:27 jul.2017

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

IBGE. Atlas do Censo Demográfico 2010. 2010. Disponível em:

. Acesso em: 10 jun. 2017.

LEE, Harper. O sol é para todos: To Kill a Monkingbird. Rio de Janeiro, 2016, 14ª ed. Editora Record.

LEE, Harper. Vá, coloque um vigia: Go Set a Watchman. Rio de Janeiro, 2015, 1ª ed. Editora Record.

LOBATO, Monteiro. Sítio do Pica-Pau Amarelo: Caçadas de Pedrinho, 1931, 107 p. v. 3. Disponível em

. Acesso em: 16 ago. 2017

LOPEZ, Debora Cristina; DITTRICH, Ivo José. A Palavra como Signo Ideológico no Discurso Jornalístico. Disponível em:. Acesso em: 26 jun. 2017.

LYRA, Pedro. Literatura e Ideologia: ensaios de sociologia da arte. Petrópolis: Editora Vozes, 1979.

SARAIVA, Vanessa de Oliveira Tavares; DOS SANTOS, Alana Correia; DOS SANTOS, Cinthia Lima. Da Justificação Aristotélica Sobre A Escravidão Até Sua Abolição. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2017.

ZIZEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real: cinco ensaios sobre 11 de Setembro e datas relacionadas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.