AS METODOLOGIAS ATIVAS COMO INSTRUMENTOS OTIMIZADORES À TRAVESSIA DO INDIVÍDUO DE JURE AO INDIVÍDUO DE FACTO

Humberto Vinício Altino Filho, Lídia Maria Nazaré Alves, Cínthia Luiz da Silva

Resumo


Este artigo objetiva discutir o uso de metodologias ativas como instrumentos otimizadores para a formação do sujeito crítico. Para que tal discussão seja feita de uma forma mais específica, no que tange à terminologia, elegeu-se a proposta de Bauman (2001) sobre os indivíduos de jure, os cidadãos e os indivíduos de facto. Além disso, buscou-se mostrar como as metodologias ativas estão em consonância com os objetivos da educação na atualidade. Como metodologia utilizou-se a pesquisa bibliográfica com base nos estudos de Morin (2000), Delors (2012), Berbel (2011), Rosso e Taglieber (1992), a coleta de dados, através de entrevistas e depoimentos com os licenciandos do curso de Licenciatura em Matemática, da Instituição de Ensino Superior, utilizada como unidade de análise, uma vez que tiveram contato com tais metodologias, desde o início da graduação.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

____. A Sociedade Individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Tradução de José Gradel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As Metodologias Ativas e a Promoção da Autonomia de Estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas. v. 32, n. 1, p. 25-40, 2011. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326/10999>. Acesso em: 12 abr. 2016.

BORGES, Tiago da Silva; ALENCAR, Gidélia. Metodologias Ativas na Promoção da Formação Crítica do Estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do Ensino Superior. Cairu em Revista: Sociedade, Educação, Gestão e Sustentabilidade. v.3, n. 4, p. 119-143, 2014. Disponível em: . Acesso

em: 12 abr. 2016.

BRASIL. Parecer CNE/CES nº 1.302 de 06 de dezembro de 2001.

DELORS, Jacques (org.). Educação um tesouro a descobrir – Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Editora Cortez, 7ª edição, 2012.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2011.

MENDES, Andréia Almeida. A ausência ou presença de artigo definido diante de antropônimos e topônimos na zona urbana de Abre Campo e Matipó. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

MORIN, Edgar. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2000.

ROSSO, Ademir José; TAGLIEBER, José Erno. Métodos Ativos e Atividade de Ensino. Perspectiva.

v. 10, n. 17, p. 37-46, 1992. Disponível em:

. Acesso em: 12 abr. 2016.

SANTOS, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa; CARVALHO, Angela Maria Grossi de. Sociedade da Informação: avanços e retrocessos no acesso e no uso da informação. Informação & Sociedade: Estudos, v.19, n.1, p. 45-55, 2009. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/viewFile/1782/2687>. Acesso em: 15 abr. 2016.

SERRA, Joaquim Paulo. Manual de teoria da comunicação. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.