TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR POR PROJÉTIL DE ARMA DE FOGO, MANIFESTANDO CLINICAMENTE COM SÍNDROME DE BROWN SÉQUARD

Rúbia Soares de Sousa Gomes, Luiza Gomes Santiago, Letícia Luísa Mattos, Fernanda Alves Luz, Matheus de Andrade da Silva, Kennet Anderson dos Santos Alvarenga, Alex Nagem Machado

Resumo


A Síndrome de Brown-Séquard caracteriza-se clinicamente pela hemissecção medular, apresentando como principal etiologia o traumatismo de medula. Trata-se de um relato de caso de Síndrome de Brown-Séquard devido traumatismo medular causado por projétil de arma de fogo. Realizou-se um estudo retrospectivo de um paciente de 26 anos, vítima de agressão por arma de fogo, alvejado por dois projéteis, alojando-se no corpo de T2, e região pré-vertebral na transição tóraco-lombar. Ao exame clínico neurológico apresentava-se com monoplegia do membro inferior esquerdo, hipoestesia térmica e dolorosa no dimídio direito caudal ao nível sensitivo mamilar, e redução da sensibilidade vibratória a esquerda, distal ao nível sensitivo mamilar, cefaléia postural e sinais de fístula liquórica no ferimento de entrada do projétil. Para avaliar a relação do projétil com as estruturas vasculares e sua relação com o canal vertebral, foi necessário estudo por tomografia computadorizada com reconstrução em 3D. A Síndrome de Brown-Séquard por projétil de arma de fogo é uma apresentação incomum. O conhecimento de sua fisiopatologia e o tratamento precoce e multidisciplinar será um fator importante no prognóstico dos pacientes.

Texto completo:

PDF

Referências


JUNIOR, F.A.A. et al. Traumatismo raquimedular por ferimento de projétil de arma de fogo: avaliação epidemiológica. Coluna/Columna, São Paulo, v. 10, n. 4, p. 290-292, 2011.

BENATO, M.L.; ZANINELLI E.M.; GRAELLS X.S. Avaliação da incidência das lesões por arma de fogo da coluna vertebral. Coluna/Columna, n.6, v.3, p.155-61, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Pessoa com Lesão Medular. Brasília, 2013.

CAMPOS, M. F. et al. Epidemiologia do traumatismo da coluna vertebral. Revista colégio brasileiro de cirurgiões. Rio de Janeiro, v. 35, n. 2, p. 88-93, 2008.

DEFINO, H.L.A. Spinal Cord Injuries. Simpósio de trauma II. Ribeirão Preto, n. 32., p. 388-400, 1999.

FERREIRA, N.P. Nova possibilidade cirúrgica na terapêutica das fístulas liquóricas. Arquivo de neuro-psiquiatria. São Paulo, v.32, n.2, 1974.

HANIGAN, W.C; SLOFFER, C. Nelson's wound: treatment of spinal cord injury in 19th and early 20th century military conflicts. Neurosurg Focus, n.16, v.1, p. 1-12, 2004.

HENRIQUES, G. Medula espinhal. In: Manual de Neuroanatomia Clinica, p. 100-101, 2014.

KUMAR, A. et al. Penetrating spinal injuries and their management. Journal of Craniovertebral Junction and Spine, n.2, v.2, p. 57-61, 2011.

LEVENTHAL, M.L. Fractures, dislocations, and fracture dislocations of spine. In. Canale ST, editor.

Campbell´s operative orthopaedics. 9. ed. Philadelphia: Mosby/Elsevier, p. 2709, 1998. MACHADO, A.B.M.; HAERTEL, L.M. Neuroanatomia funcional. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2006.

MANGIARDI, J.R; ALLEVA M., DYNIA, R.; ZUBOWSKI, R. Transoral removal of missile fragments from the C1 - C2 area: Report of four cases. Neurosurgery, n. 23, p. 254–257, 1988.

RUBIN, G. et al. An unusual stab wound of the cervical spinal cord: a case report. Spine, 2001; n.26, v. 4, p. 444-447.

SISCÃO, M.P. et al. Spinal Cord Injury: Characterization at a Public Hospital. Arquivo de ciências da saúde, n.20, v.3, p. 145-147, 2007.

SPECIALI, J.G. Classification for headache disorders. Medicina, Ribeirão Preto, n. 30, p. 421-427, 1997.

VELMAHOS, G.C. et al. Changing profiles in spinal cord injuries and risk factors influencing recovery after penetrating injuries. Journal of Trauma, n. 38, v.3, p. 334-337, 1995.

WATERS, R.L. et al. Motor recovery following spinal cord injury caused by stab wounds: a multicenter study. Paraplegia, n. 33, v.2, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.