MIELORRADICULOPATIA ESQUISTOSSOMÓTICA: UM RELATO DE CASO

Ana Carolina Dondoni Fávero, Flávio Cunha de Faria, Raquel Sena Pontes Grapiuna, Amanda Soares de Carvalho Barbosa, Fernanda Caldeira Ferraz Batista, Rúbia Soares de Sousa Gomes, Juliana Santiago da Silva

Resumo


Milhares de pessoas no mundo são afetadas por algum tipo de doença negligenciada, em especial as parasitárias. Uma delas é a esquistossomose, uma parasitose endêmica no Brasil; sua elevada incidência gera impacto na economia e na saúde pública do país. Nesse sentido, esse trabalho tem como objetivo acentuar os conhecimentos acerca do diagnóstico e tratamento da mielorradiculopatia esquistossomótica através do detalhamento de um relato de caso. O paciente, com mielorradiculopatia esquistossomótica, aos 17 anos, começou a apresentar quadros de dores de cabeça intensas, com vômitos e mal estar, sintomas que foram relacionados erroneamente à ingestão de bebida alcóolica. Com a evolução da doença, o paciente apresentou piora do quadro, e mesmo com acompanhamento médico não obteve um diagnóstico preciso, chegando a ser diagnosticado com tumor na medula. Quando descoberta a esquistossomose ectópica, o paciente foi tratado, recuperando-se sem sequelas. Conclui-se que devido à dificuldade de identificação da esquistossomose, demonstrada no relato de caso, faz-se necessária a vigilância epidemiológica da doença, a sensibilização de profissionais a respeito de suas características, principalmente aos que atuem em áreas endêmicas, visando um preciso e rápido diagnóstico, diminuindo assim os impactos à saúde pública e garantindo o direito de bem estar ao indivíduo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO FILHO, H. et al . Parasitoses intestinais se associam a menores índices de peso e estatura em escolares de baixo estrato socioeconômico. Rev. paul. pediatr., São Paulo, v. 29, n. 4, p. 521- 528, 2011. Disponível em: . Acesso em: 06.out.2017

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica e controle da mielorradiculopatia esquistossomótica. Brasília. 2006. p. 30. Disponível em:

. Acesso em: 23.jun.2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. 4 ed. Brasília, 2014. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_esquistossome_mansoni_diretrizes_tecnicas.pdf

> Acesso em: 25.jun.2017.

DINIZ, M. C. P.; BRAGA, R. B.; SCHALL, V. T. As Representações Sociais da Esquistossomose de Escolares de Área Endêmica de Minas Gerais. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte). Belo Horizonte, v. 5, n. 2, p. 109-128, dez. 2003. Disponível em:

. Acesso em: 06.out.2017.

LIMA, H.S.N et al. Esquistossomose medular. Revista de Pediatria da Sociedade de Pediatria do Rio de Janeiro. v. 15, n 1, p 40-43, 2015. Disponível em:

Acesso em: 24.jun.2017. LOBATO, J.B. (1918). Urupês. São Paulo: Globo, 2010. 184p.

MASSARA, Cristiano Lara et al. Caracterização de materiais educativos impressos sobre esquistossomose, utilizados para educação em saúde em áreas endêmicas no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Brasília. v. 25, n. 3, p. 575-584, 2016 . Disponível em:

. Acesso em: 23.jun.2017.

PEREGRINO, A.J.P et. al. Esquistossomose medular: análise de 80 casos. Arquivo de Neuropsiquiatria. n. 60, v.3, p. 603-608, 2002. Disponível em :

Acesso em: 24.jun.2017.

RAPADO, L.N. et al. Ovicidal effect of piperaceae species on Biomphalaria glabrata, Schistosoma mansoni HOST. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. v. 55, n. 6, p. 421-424, 2013. Disponível em:

. Acesso em: 23.jun.2017.

SANTOS, A.D. et al. Spatial analysis for the identification of risk areas for schistosomiasis mansoni in the State of Sergipe, Brazil, 2005-2014. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 49, n. 5, p. 608- 615, 2016. Disponível em: . Acesso em: 06.out.2017.

SILVA, L.C.S et al. Mielorradiculopatia esquistossomótica. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 3, n.37, p. 261-272, 2004. Disponível em :< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822004000300013 > Acesso em: 24.jun.2017.

SOUZA, F. P. C.; VITORINO, R.R.; COSTA, A.P.; et al. Esquistossomose mansônica: aspectos gerais, imunologia, patogênese e história natural. Revista Brasileira de Clínica Médica. n. 4, v. 9, p. 300-307, 2011. Disponível em: Acesso em: 06.out.2017.

VITORINO, R.R. et al. Esquistossomose mansônica: diagnóstico, tratamento, epidemiologia, profilaxia e controle, São Pulo. Revista Brasileira de Clínica Medica. n.10, v.1, p. 39-45, 2012. Disponível em:

< http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2012/v10n1/a2676.pdf > Acesso em: 24.jun.2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.