ESTRATÉGIA NEUROCIRÚRGICA PARA O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO INTRACRANIANA GRAVE COM A UTILIZAÇÃO DE BOLSA DE BOGOTÁ

Letícia Luísa Mattos, Luiza Gomes Santiago, Rúbia Soares de Sousa Gomes, Fernanda Alves Luz, Kennet Anderson dos Santos Alvarenga, Matheus de Andrade da Silva, Alex Nagem Machado

Resumo


A hipertensão intracraniana (HI) é a principal complicação em pacientes com traumatismo cranioencefálico grave decorrente de ferimento por projétil de arma de fogo, sendo indicado  a craniectomia descompressiva, para controle da HI. Posteriormente a realização desse procedimento há a ocorrência de edema cerebral e herniação de parênquima cerebral pela craniolacuna (falha óssea) em decorrência do aumento da pressão intracraniana, dificultando o fechamento cutâneo e a aproximação das bordas da pele para seu fechamento hermético. Para isso, foi analisada a opção da estratégia cirúrgica de enxerto cutâneo artificial, semelhante à técnica cirúrgica para fechamento de laparotomia traumática denominada “Bolsa de Bogotá”, com o objetivo de manter as bordas da pele afastadas de modo que não exponha o conteúdo cerebral, permita devida expansão, e enfim mantenha a pressão intracranianana dentro dos limites da normalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE A. F., et al. Atualização do diagnóstico e conduta no paciente com traumatismo cranioencefálico grave. Departamento de Trauma da Sociedade de Neurocirurgia Brasileira. Disponível em:

http://portalsbn.org/painel/uploads/arquivos/atualizac%CC%A7ao_no_protocolo_do_tce_grave_.pdf. Acesso em: 07 out. 2017.

BORRÁEZ O. A. Abdomen Abierto: la herida más desafiante. Rev Colomb Cir. V.23, n.4, p.204-9, 2008. Disponível em: < http://www.scielo.org.co/pdf/rcci/v23n4/v23n4a4.pdf>. Acesso em: 05 out. 2017.

CARLOTTI C. G., COLLI B. O., DIAS L. A. A. Hipertensão Intracraniana. Medicina, Ribeirão Preto, v.31, p.552-562, out./dez. 1998.

CARVALHO M. V. Cinemática do Trauma. Disponível em:

. Acesso em: 05 out. 2017.

FALEIRO R. M. Craniotomia descompressiva: Análise de Fatores Prognósticos e Complicações em

Pacientes. Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em:

. Acesso em: 06 out. 2017

FALEIRO, R. M., et al. Craniotomia descompressiva: para tratamento precoce da hipertensão intracraniana traumática. Arq Neuropsiquiatr v.63, n.2, p.508-513, 2005.

GENTILE J. K. A., et al. Condutas no paciente com trauma cranioencefálico. Rev Bras Clin Med. São Paulo, v.9, n.1, p.74-82, 2011.

GUILBURD J. N., SVIRI G. E. Role of dural fenestrations in acute subdural hematoma. J Neurosurg.

V.95, p.263-7, 2001.

HENRIQUES, J. G. B., et al. "Extensa falha cutânea e craniana em paciente com aplasia cutis congênita. Arq Neuropsiquiatr. V.62, n.4,p.1108-111, 2004.

JUNIOR A. C. R. Abdômen aberto: experiência em uma única instituição. Rev. Col. Bras. Cir. V.42, n.2, p.093-096, 2015.

KELLY D.F., NIKAS D.L., BECKER D.P. Diagnosis and Treatment of Moderate and Severe Head Injury in Adults. Neurologycal Surgery. Youmans; 1996.

LEE K. R. HOFF J. T. Intracranial pressure. Youmans Jr, ed: Neurology surgery. 4th ed. W.B. Saunders, Philadelphia, v. 1, p 491-518, 1996.

MILLER J.D. Traumatic brain swelling and edema. Cooper PR. Head Injury. 3rd ed. New York: Williams & Wilkins. p. 331-354, 1993.

MOSCONA R., BERGER J., GOVRIN J. Large skull defect in aplasia cutis congenita treated by pericranial flap: long term follow-up. Ann Plast Surg. V.26, p.178-182, 1991.

NANCE M. L., TEMPLETON J. M., O’NEILL J. A. Socioeconomic impact of gunshot wounds in an urban pediatric population. J Pediatr Surg. V.29, n.1, p.39-43, 1994.

NETO J. B. R. Cobertura temporária da cavidade abdominal com curativo a vácuo. Rev. Col. Bras. Cir. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rcbc/v34n5/v34n5a11.pdf. Acesso em: 05 out. 2017.

PARREIRA J.G., SOLDÁ S., RASSLAN S. CONTROLE DE DANOS: uma opção tática no tratamento dos traumatizados com hemorragia grave. Arq Gastroenterol. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ag/v39n3/15647.pdf. Acesso em: 07 out. 2017

SAADE N. Traumatismo cranioencefálico por projétil de arma de fogo. p. 131 - 144. Neurotraumatologia. 1ª ed. São Paulo: ed. Roca, 2015.

SAUL T.G., DUCKER T.B. Effect of intracranial pressure monitoring and aggressive treatment on mortality in severe head injury. US National Library of Medicine. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/6801218. Acesso em: 06 out. 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROCIRURGIA. Departamento de Trauma da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia. Atualização do diagnóstico e conduta no paciente com traumatismo cranioencefálico grave. Disponível em:

. Acesso em: 06 out. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.