AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES EM OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR EM UM MUNICÍPIO DA ZONA DA MATA MINEIRA

Thiara Guimarães H. de Oliveira Pôncio, Daniela Schimitz de Carvalho, Roberta Mendes von Randow

Resumo


O presente estudo trata-se de um projeto desenvolvimento pelo Curso de Enfermagem da FACIG com objetivo de integrar os conteúdos das disciplinas ministradas no 3º período do curso, no 1° semestre do ano de 2017. Foi realizado a partir de visitas domiciliares realizadas por acadêmicos em conjunto com professores aos pacientes com suporte ventilatório não invasivo (oxigenoterapia domiciliar) de um município da Zona da Mata Mineira com o objetivo de verificar a qualidade de vida destes pacientes assistidos pelo Sistema Único de Saúde, por meio da aplicação do Questionário do Hospital Saint George na Doença Respiratória (SGRQ), já validado no Brasil e utilizado em outros estudos. Foram entrevistados 7 pacientes domiciliados e atendidos pelas equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF) do município, com média de idade de 79,6 ±3,4 anos, destes 57,2% do sexo masculino, este percentual maior predomínio de pacientes do sexo masculino se repete em vários estudos nacionais. Os resultados obtidos indicaram como os impactos decorrentes das limitações físicas afetam diretamente a qualidade de vida destes pacientes, que necessitam de intervenções direcionadas ao seu bem-estar.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. M.; MENEZES BRITO, M.J; LARA SILVA, K.; VON RANDOW, R.M.; COZER, L.M.

Singularidades do trabalho na atenção domiciliar: imprimindo uma nova lógica em saúde. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, V. 5, n.1 p.3383-93.

BÔAS, M. L. de C. V., et al. Elaboração de instrument de classificação de complexidade assistencial de pacientes em atenção domiciliar. Rev. Esc. Enfermagem da USP. V.50, n.3, p.434-441, 2016.

BUSS, A. S., e SILVA, L. M. C. Estudo comparativo entre dois questionários de qualidade de vida em pacientes com DPOC. Jornal Bras. Pneumologia. V.35, n.4, p.318-324, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 963, de 27 de Maio de 2013. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do SUS. Brasília; 2013. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/54869258/dou- secao-1-28-05-2013-pg-30?ref=previous_button . Acesso em 26 set. 2017.

FARIAS, G. M da S., e MARTINS, R. M. L. Qualidade de vida da pessoa com doença pulmonar obstrutiva crônica. Millenium . V.45, p.195-209, 2013.

JONES, P. W. and FORDE, Y. St George’s Respiratory Questionnaire Manual. St George’s, University of London, Division of Cardiac and Vascular Science.Jun, 2009, 17f. DisponÍvel em: http://www.healthstatus.sgul.ac.uk/SGRQ_download/SGRQ%20Manual%20June%202009.pdf/at_dow nload/file. Acesso em 08 out. 2017.

PEREIRA, E. D. B., et al. Influência dos parâmetros funcionais respiratórios na qualidade de vida de pacientes com DPOC. Jornal Bras. Pneumologia. V.35, n.8, p.730-735, 2009.

SANTOS, K., et al. Relação entre força muscular periférica e respiratória e qualidade de vida em paciente com doença pulmonar obstrutiva crônica. Medicina (Ribeirão Preto) . V.45, n.5, p.417-424, 2015.

SAVASSI, L. C. M. Os atuais desafios da atenção domiciliary na atenção primária à saúde: uma análise na perspective do sistema único de saúde. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade. Rio de Janeiro . V.11, n.38, p.1-12, 2016.

SILVA, M. S. Qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica. 2011. 89f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 2011.

SOUSA, T. C., et al. Validação do questionário do Hospital Saint George na doença respiratória (SGRQ) em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica no Brasil. Jornal de Pneumologia. V.26, n.3, p.119-128, 2000.

WHO. The top 10 causes of death. 2015. World Health Organization. DisponÍvel em: hhttp://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs310/en/i .Acesso em 26 set. 2017.

WHO1. Palliative Care. 2017. World Health Organization. DisponÍvel em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs402/en/i .Acesso em 26 set. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.