NEUROCRIPTOCOCOSE COMO COMPLICAÇÃO DA SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

Fernanda Alves Luz, Letícia Luísa Mattos, Luíza Gomes Santiago, Rúbia Soares de Sousa Gomes, Emanuel Costa Sales, Alex Nagem Machado

Resumo


Trata-se de um relato de caso de um paciente com otite de repetição, portador do vírus da imunodeficiência humana (HIV), que evoluiu com infecção por Cryptococcus neoformans, neurocriptococose, complicação comum em pacientes imunodeprimidos. Foi realizada uma pesquisa básica, com o intuito de levantar conhecimentos importantes, sem prever aplicação prática, e com uma abordagem qualitativa. Os objetivos compreendem uma pesquisa explicativa, descritiva e exploratória, com procedimentos de revisão bibliográfica e estudo de caso, tendo sido selecionados 12 artigos. A relação da infecção por Cryptococcus neoformans com o paciente imunodeprimido se faz pela capacidade oportunista desse fungo de aproveitar-se da resposta imune deficiente do paciente e se instalar no organismo. Logo, a criptococose deve ser sempre suspeitada no paciente com Aids. Diante da gravidade que essa infecção pode representar, um diagnóstico rápido e confiável deve ser empregado e o tratamento com antifúngicos tem se mostrado eficaz. É de extrema importância conhecer essa patologia, saber diagnosticar e tratar para se obter sucesso na condução desse tipo de problema.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL (Org.). O que é HIV. 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2017.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. DST.AIDS. Casos de aids identificados no Brasil: Freqüência segundo Ano Notificação; período: 1996-2016. 2016.

CAMPOS, E. P.; et al. Estudo retrospectivo terapeutico da neurocriptococose em 112 aidéticos ou não. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, São Paulo, v. 4, n. 25, p.241-246, out. 1992.

CHUCK, M.N., SANDE, M.A. Infections with Cryptococcus neoformans in the acquired immunodeficiency syndrome. N Eng J Med 1989; 321: 794-9

DENNING, D. W., ARMSTRONG, R.W., LEWIS, B.H., STEVENS, D.A. Elevated cerebrospinal fluid pressures in patients with cryptococcal meningitis and acquired immunodeficiency syndrome. Am J Med 1991; 91: 267 – 72

FERNANDES, O.F.L. et al. Cryptococcus neoformans isolados de pacientes com AIDS. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 33, n. 1, p. 75-78, Feb. 2000 . Available from

. access on 22 Oct. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0037- 86822000000100011.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D.T. Métodos de pesquisa. UFRGS Editora. Rio Grande do Sul, 2009.

MCMANUS, E.J., JONES, M. Detection of a Trichosporon beigelii antigen cross- reactive with Cryptococcus neoformans capsular polyssaccharide in serum from a patient with disseminated Trichosporon infection J Clin Microbiol 1985; 21: 681-5

MOREIRA, T. A.; et al. Criptococose: estudo clínico-epidemiológico, laboratorial e das variedades do fungo em 96 pacientes. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberlândia, v. 39, n. 3, p.255-258, maio 2006.

PAPPALARDO, M. C. S. M. CRIPTOCOCOSE EM AIDS: ESTUDO CLÍNICO E MICROBIOLÓGICO

EM 35 PACIENTES ACOMPANHADOS NO “INSTITUTO DE INFECTOLOGIA EMÍLIO RIBAS”,

SÃO PAULO, DE 1995 A 1997. 1995. 106 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Medicina, Coordenadoria de Controle de Doenças (ccd) da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2017.

Powderly WG. Cryptococcal meningitis and AIDS. Clin Infect Dis 1993; 17: 837-42

Sugar AM. Overview: Cryptococcosis in the patient with AIDS. Mycopathologia 1991; 114: 153-7


Apontamentos

  • Não há apontamentos.