ALCOOLISMO NA JUVENTUDE: POSSÍVEIS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS

Bianca Sthefany Barçante Santana, Cinthia Mara de Oliveira Lobato Schuengue, João Wagner da Silva

Resumo


O consumo de bebida alcoólica é uma atividade comum na vida de grande parte da sociedade, sendo utilizado em eventos sociais onde a maioria das pessoas encontrados nesses ambientes são jovens. O objetivo deste trabalho é revisar pesquisas que abordam o tema alcoolismo na juventude, buscando identificar condições de risco e vulnerabilidade, relacionadas aos jovens que estão expostos ao alcoolismo. São conhecidos alguns fatores de vulnerabilidade para esta situação, entre eles, encontram-se os padrões familiares: filhos de pais alcoólicos têm maior risco de consumir álcool excessivamente no futuro. A influência familiar tem um papel muito forte no desenvolvimento do alcoolismo. Adolescentes com comportamento antissocial, baixa autoestima, baixo rendimento escolar, excluídos por pares ou família ou com amigos com consumos ilícitos, bem como adolescentes com co-morbilidades como depressão, história de abuso físico ou Perturbação de Hiperatividade e Déficit de Atenção, são mais vulneráveis.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. A política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicações/política_atenção_drogas.pdf. Acessado em: 12 de outubro de 2017.

CABRAL, L. Consumo de bebidas alcoólicas em rituais/praxes acadêmicas. Dissertação de Candidatura ao grau de doutor em ciências Biomédicas (saúde Mental) submetida ao Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto, 2007.

CEBRID. II Levantamento nacional sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país. São Paulo: UNIFESP; 2006.

CISA. Relatório Global sobre Álcool e Saúde- 2014. Disponível em:

www.cisa.org.br/artigo/4429/relatorio-global-sobre-alcool-saude-2014.php.

Acesso em:

agosto.2017.

COMMITTEE ON SUBSTANCE ABUSE. Alcohol Use and Abuse: a pediatric concern. Pediatrics 2001; 108:185-9.

COSTA, M. O. Uso frequente e precoce de bebidas alcoólicas na adolescência: análise de fatores associados. Revista Adolescência e saúde. p.25-32. 2013.

GALDURÓZ, J. C. et al. V levantamento nacional sobre o consumo de drogas psicotrópicas entre estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino nas 27 capitais brasileiras, 2004. Secretaria Nacional Antidrogas,CEBRID - Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas,Universidade Federal de São Paulo. Brasília, 2004

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 2008. 6 ed. São Paulo: Atlas S. A.

HOMBURGER, F; HAYES, J.A; PELIKAN E.W. A guide to general toxicology. Basel: Karger; 1983.

MATOS, A.M; CARVALHO, R.C; COSTA, M.C.O et al. Consumo freqüente de bebidas alcoólicas por adolescentes escolares: estudo de fatores associados. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(2):302-13.

NUTT, D.; KING, L., PHILLIPS, L. On behalf of the Independent Scientific Committee on Drugs, Lancete, 2007.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAUDE. Classificação Internacional de Doenças- CID10-2008. Disponível em < www.datasus.gov.br/cid10/v2008/cid10/html > Acesso em: 11.agosto.2017

PELICIONI, Marina et al. Perfil do consumo de álcool e prática do beber pesado episódico entre universitários brasileiros da área da saúde. Jornal Brasileiro de psiquiatria,vol.66,no.3.Rio de Janeiro 2017.

PRATTA, E.M.M; SANTOS, M.A. Reflexões sobre as relações entre drogadição, adolescência e família: um estudo bibliográfico. Estud Psicol. 2006;11(3):315-22.

. Acesso em: 10.Agosto.2017.

RUBENZER, S. Judging intoxication. Behav Sci Law. 2011;29(1):116-37.

SILVA, S.; PADILHA, M. O alcoolismo na historia de vida de adolescentes: uma analise a luz das representações sociais.texto e contexto enfermagem.vol.3 pag.577, Florianópolis 2013.

STRAUCH E.S, PINHEIRO R.T, SILVA R.A, HORTA B.L. Uso do álcool por adolescentes: estudo de base populacional. Rev Saúde Pub. 2009;43(4):647-55.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.