OS PLINTHS DO CENTRO DE MANHUAÇU: UMA ANÁLISE DAS RUAS ANTÔNIO WELLERSON E AMARAL FRANCO NO TRECHO ENTRE AS RUAS ETELVINO GUIMARÃES E CAPITÃO RAFAEL

Maycown Roberto Amaral da Costa, Fernanda Cota Trindade

Resumo


A partir do início do século XX a cidade de Manhuaçu passou por grandes mudanças físico- espaciais, implantando obras que contribuíram para seu desenvolvimento e mudança de sua paisagem, processo que se estende e se dinamiza durante o final do século XX e início do século XXI. O modo como a população se relaciona com a cidade vai interferir na sua dinâmica e consequentemente na sua paisagem, seu centro é local de extrema importância econômica e simbólica. As ruas e espaços públicos são definidores da imagem das cidades, e ligado a estes estão as fachadas térreas dos prédios, denominadas plinths. É necessário pensar como as relações entre os espaços públicos e os plinths refletem na formação da paisagem das cidades. O objetivo da pesquisa busca compreender e analisar os processos que influenciaram na mudança da paisagem do centro de Manhuaçu em determinado trecho, além de ressaltar a importância da dinamização dos plinths. A metodologia da pesquisa compreende revisão bibliográfica, levantamento em acervos da cidade e análise in loco por meio do “Safari Urbano”. Um local atrativo deve propiciar acolhimento e suprir o déficit de qualidade na paisagem, que se vê predominante na cidade de Manhuaçu.


Texto completo:

PDF

Referências


Ab’ SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ed. Ateliê Editorial, 2003.

BONAMETTI, João Henrique. Paisagem urbana bases conceituais e históricas. Terra e cultura. n.38, p.107, 2004.

CLOS, Joan. Introdução. In: A Cidade ao Nível dos Olhos: Lições para os plinths. Editado por Hans Karssenberg et al. Traduzido por Paulo Horn Regal e Renee Nycolaas. Porto Alegre: Ed. EdiPUCRS, 2015.

CULLEN, Gordon. Paisagem Urbana. Lisboa/Portugal: Ed: Edições 70, LDA. 2013.

FERREIRA, Aurélio. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1999.

FERREIRA, Silvio. Na lente da História: Diário de Manhuaçu. 2013. Disponível em: http://nalentedahistoria.blogspot.com.br/ Acesso em: 15 de set. 2017.

BOCCACCIO, Gabriela. Safári Urbano: metodologia já está disponível para download. 2015. Cidade- Ativa. Disponível em: http://media.wix.com/ugd/7c3bc5_42f0312d5ae748b0b8413194e042852d.pdf. Acesso em: 11 mai. 2016.

GEHL, Jan. Cidades para Pessoas. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2013.

IBGE. Minas Gerais. Manhuaçu. 2010. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=313940. Acesso em: 15 set. 2017.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. 3.ª ed. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2011.

KARSSENBERG, Hans. A cidade ao nível dos olhos: Lições para os plinths. Porto Alegre RS: Ed. EdiPUCRS, 2015.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. 1 ed. São Paulo: Ed. Moraes, 1991. LYNCH, kevin. A Imagem da Cidade. 3.ed. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2006.

MASCARÓ, Juan Luis. Infraestrutura da Paisagem. Porto Alegre RS: Ed. Masquatro Editora, 2008.

PORTELLA, A. et al. Devolvendo a cidade para as pessoas. 2015. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/16.185/5783 Acesso em: 15 set. 2017.

SABOYA, R. et al. Fatores morfológicos da vitalidade urbana. 2015. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.180/5554 Acesso em 15 set. 2017.

SABOYA, Renato. Zoneamento e planos diretores. 2007. Disponível em: http://urbanidades.arq.br/2007/11/zoneamento-e-planos-diretores/ Acesso em: 15 set. 2017.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: ed. Editora da Universidade de São Paulo, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.