MORADIA UNIVERSITÁRIA: O ÂMBITO DA DEMANDA HABITACIONAL DE MANHUAÇU

Laís de Souza Andrade, Melanie Marian León Graça

Resumo


O pressente artigo objetiva compreender a tipologia e a vivência em moradias universitárias, bem como identificar e analisar os pontos positivos e negativos de morar nesse tipo de habitação. Estudou-se o contexto da cidade de Manhuaçu (MG), referente ao seu crescimento, à sua economia e à existente demanda habitacional do público estudantil. Para elaboração da pesquisa, após o estudo bibliográfico foram questionados 1170 alunos de determinada instituição de ensino superior e 7 imobiliárias da cidade. Os resultados conferiram de forma positiva com pesquisas de diversos autores, que abrangeu a caracterização dos alunos e as vantagens sobre a facilidade de morar perto da faculdade, como o envolvimento em atividades extracurriculares e a obtenção de estágio. Para a confirmação da hipótese, 63% dos alunos mostraram interesse de residir em uma moradia universitária na cidade e manifestou majoritariamente de forma positiva à indagação sobre a melhoria do desempenho acadêmico e no desenvolvimento interpessoal. Houve questões negativas na pesquisa, como a constatação de uma má alimentação e o desgaste do deslocamento diário dos estudantes que moram fora da cidade. A pesquisa com as imobiliárias inferiu a existente e crescente procura de imóveis por estudantes universitários e afirmou que eles optam por locais próximos às instituições de ensino. Foi constatada viável a implantação de uma moradia universitária na cidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, H. J.; BOOG, M. C. F. Comportamento alimentar em moradia estudantil: um espaço para promoção da saúde. Revista Saúde Pública, v.41, n.2, p.197-204, abr., 2007.

ANDRÉS, A. Aspectos da assistência estudantil nas universidades brasileiras. Brasília, DF: Câmara dos deputados, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

BARRETO, D. Moradias estudantis das universidades federais do sul do Brasil: reflexões sobre as políticas de gestão universitária. 2014. Dissertação (Mestrado em Administração Universitária) - Programa de pós-graduação em Administração Universitária, UFSC , Florianópolis, 2014.

BARROS, A. A. Hábitos no habitar: Hábitos de morar e a criação do espaço arquitetônico. Vitruvios. Ano 12, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

BRASIL. Congresso. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 510, de 07 abr. 2016. Brasília, DF,

e 07 abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

___. Censo da Educação Superior. Brasília. Ministério da Educação, 2005. Disponível em:

/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/491267>. Acesso em: 18 mar. 2017.

___. Censo da Educação Superior. Brasília. Ministério da Educação, 2015. Disponível em:

. Acesso em: 18 mar. 2017.

FIOR, C. A. Contribuições das atividades não obrigatórias na formação universitária. 2003. 136f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Disponível em: < http://www.ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/conteudo-2012-1/1SF/Sandra/apostilaMetodologia.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2017.

FREIRE, M. C. M.; et al. Condição de saúde bucal, comportamentos, autopercepção e impactos associados em estudantes universitários moradores de residências estudantis. Revista de odontologia da unesp, v.41, n.3, p.185-191, mai./jun. 2012.

FRESCA, T. M. Em Defesa dos Estudos das Cidades Pequenas no Ensino de Geografia. Revista Geografia, v. 10, n. 1, p. 27-34, jan./jun. 2001.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6.ed. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2012.

GOMES, E. País tem história universitária tardia. Jornal da Unicamp, Campinas, 23 a 29 set. 2002. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2017.

GOMES, C. M.; et al. A Universidade e a fundamental importância da moradia estudantil como inclusão social. Saberes da UNIJIPA, Ji-Paraná, v. 1, n.1, p. 1-18, jul. 2014. Disponível em:

. Acesso em: 11 abr. 2017.

HERTZBERGER, H. Lições de arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

IBGE. Manhuaçu: senso de 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2017.

LARANJO, T. H. M.; SOARES, C. B. Moradia universitária: processos de socialização e consumo de drogas. Revista de Saúde Pública, v.14, n.1, p.123-155, dez. 2006.

LIMA, C. P. N. A arte na participação e a participação pela arte: uma experiência nas casas de estudantes universitárias da UFPE. Serviço Social em Revista, v.5, n.1, 2002.

MACHADO, L. O. As Repúblicas Estudantis da Universidade Federal de Ouro Preto, Brasil. Revista Crítica de Ciencias Sociais, Coimbra, v. 66, p. 197-199, out. 2003.

MENICONI, R. O. M. A construção de uma cidade-monumento: o caso de Ouro Preto. 1999. Dissertação (Mestre em Arquitetura e Urbanismo) - Escola de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1999. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUOS-8GCML9>. Acesso em: 14 abr. 2017.

MOREIRA JUNIOR, O. Cidades pequenas: Territórios da Exclusão?. XIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisas em Planejamento Urbano e Regional. 2009.

NAWATE, P. S. Moradia do estudante universitário. 2014. 74 f. Trabalho de conclusão de curso (Curso de Arquitetura e Urbanismo) - Departamento de Construção Civil, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MANHUAÇU. História. Manhuaçu: Comunicação Social, 2012. Disponível em: < http://www.manhuacu.mg.gov.br/detalhe-da-materia/info/historia/6498>. Acesso em: 14 abr. 2017.

SANFELIU, C. B. La inserción de la universidad en la estructura y forma urbana. El caso de la Universitat de Lleida. Scripta Nova, Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidade de Barcelona, vol.XV, n.381, nov. 2011.

SANTOS, M. A nova urbanização diversificação e complexidade. A urbanização brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - Edusp, 1993. p.49-56.

SANTOS FILHO, R. E.; et al. Radiodocumentário Residentes da República: a moradia em comunidades estudantis. In: XXII PRÊMIO EXPOCOM 2015 – EXPOSIÇÃO DA PESQUISA EXPERIMENTAL EM COMUNICAÇÃO, 2015, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos do Congresso da INTERCOM. Viçosa: UFV, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

SOUSA, R. G. Renascimento. Brasil Escola, s/d. Disponível em: . Acesso: em 09 Abr. 2017.

STEPHAN, Í.; LATINI, T. O impacto da implantação de um campus universitário em rio paranaíba, MG. IV Simpósio cidades médias e pequenas da Bahia. Barreiras, v.4, out. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2017.

VILELA JÚNIOR, A. J. Uma visão sobre Alojamentos Universitários no Brasil. Anais do 5º Seminário DOCOMOMO Brasil. São Carlos, 2003. Disponível em:

. Acesso em: 14 abr. 2017.

ZALAF, M. R. R.; FONSECA, R. M. G. S. Uso problemático de álcool e outras drogas em moradia estudantil: conhecer para enfrentar. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.42, n.1, p. 132- 138, mar. 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.