CRESCIMENTO URBANO X ÁREA NÃO EDIFICANTES: UMA ANÁLISE DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES DA CIDADE DE MANHUAÇU

Matheus Pinheiro de Almeida, Fernanda Cota Trindade

Resumo


As cidades brasileiras são marcadas por processo de urbanização acelerado e expansão desordenada, que acarretou em problemas com ocupações de áreas de risco e irregulares. A cidade de Manhuaçu passou por um processo de desenvolvimento e crescimento acelerado a partir do final do século XX, e não diferente das demais cidades brasileiras, enfrenta problemas urbanos gerados por esse processo. Atualmente existem legislações para ordenar a ocupação do espaço urbano, dentre elas a Lei 6766/1979 que trata do parcelamento do solo urbano e define áreas não edificantes. O planejamento urbano busca tratar a realidade das cidades e traçar ações para o enfrentamento dos problemas urbanos atuais. O objetivo da pesquisa verificar os processos que levaram à ocupação de áreas não edificantes na cidade de Manhuaçu e analisar os impactos negativos que o mesmo causa na cidade, associando-os a falta de planejamento urbano. Para isso será utilizado como metodologia da pesquisa à revisão bibliográfica, levantamento de imagens por satélite, pesquisa em legislações. O crescimento acelerado sem planejamento provocou a ocupação de muitas áreas não edificantes na cidade de Manhuaçu, porém, a porcentagem de áreas ocupadas irregularmente é menor que a quantidade presente no imaginário da população, sendo ainda possível frear esse processo.

Texto completo:

PDF

Referências


Decreto-lei n.º 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em 08 out. 2017.

BRASIL. Decreto-lei n.º 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6766.htm. Acesso em 08 out. 2017.

BRASIL. Decreto-lei n.º 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm. Acesso em 08 out. 2017.

DUARTE, Fábio. Planejamento Urbano. Curitiba: Ipbex. 2013.

FERREIRA, Silvio. Na lente da História. Disponível em: . Acesso em 08 out. 2017.

IBGE - Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de pesquisas, coordenação de população indicadores sociais, estimativas da população residente. Resultado dos dados preliminares do Censo – 1 de julho de 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/x xtras/perfil.php?codmun=313940. Acesso em 08 out. 2017.

JÚNIOR, Nélson Saule. O Direito à Cidade como paradigma da governança urbana democrática. Instituto Pólis, mar. de 2005. Disponível em: http://www.polis.org.br/uploads/750/750.pdf. Acesso em 07 mai. 2016.

LEITE, Carlos; AWAD, Juliana di Cesare Marques. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Porto Alegre: Bookman Companhia Ltda, 2012.

MARICATO, Ermínia. Urbanismo na periferia do mundo globalizado: metrópoles brasileiras. São Paulo em Perspectiva, vol.14, n 4, 2000.

MEDINA, Ana Maria Vaz de Assis. Diagnóstico Municipal de Manhuaçu. Belo Horizonte: A & M Consultores Associados Ltda, 06 jun. 1996.

RODRIGUES, Rosicler Martins. Cidades brasileiras: do passado ao presente. 3. ed. São Paulo: Editora Moderna Ltda, 2013.

SABOYA, Renato T. de. O surgimento do planejamento urbano. Urbanidades, 2008. Disponível em: http://urbanidades.arq.br/2008/03/o-surgimento-do-planejamento-urbano/. Acesso em 14 mai. 2016.

SANTOS, Flávio Matheus dos. A República do Silêncio: manifestações do poder Local no Leste de Minas Gerais – 1877-1896. Caratinga: FUNEC, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.