A INTERFERÊNCIA DA OBESIDADE NO SURGIMENTO DO CÂNCER DE MAMA

Raquel Sena Pontes Grapiuna, Ana Carolina Dondoni Fávero, Rúbia Soares de Sousa Gomes, Fernanda Caldeira Ferraz Batista, Flávio Cunha de Faria, Ríudo de Paiva Ferreira

Resumo


O câncer de mama é a segunda doença mais comum entre mulheres no Brasil e no mundo. Sua ocorrência está relacionada com fatores genéticos e ambientais, dentre eles a obesidade. A gordura corporal possui características pró-inflamatórias associadas à produção de hormônios relacionados à neoplasia. Assim, este estudo objetivou identificar se o excesso de tecido adiposo interfere no câncer de mama e de que forma isso ocorre. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura científica, a partir da análise de estudos escritos nas línguas portuguesa e inglesa que utilizaram os métodos qualitativo e quantitativo. As análises revelaram que o excesso de tecido adiposo visceral desencadeia um estado de inflamação crônica sistêmica, com resistência à insulina e dismetabolismo associados, criando um ambiente pró-tumorigênico. Além disso, concluiu-se que ter um estilo de vida saudável tem sido associado à redução no risco de desenvolver câncer de mama.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLINI, V.B.S.; SANTOS, C.; OSELAME, G.B. Fatores de risco e de proteção para câncer de mama na mulher. Rev. Uniandrade. V. 14, n. 1, p. 45-64, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 82p.

CRISTOVAO, M,F,; SATO, A.P.S.; FUJIMORI, E. Excesso de peso e obesidade abdominal em mulheres atendidas em Unidade da Estratégia Saúde da Família. Rev. Esc. Enferm. USP. V. 45, n. spe2, p. 1667-1672, 2011.

FELDEN, J.B.B.; FIGUEIREDO, A.C.L. Distribuição da gordura corporal e câncer de mama: um estudo de caso-controle no Sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. V. 16, n. 5, p. 2425-2433, 2011.

JAMES, F. R.; WOOTTON, A. J.; WISEMAN, M.; COPSON, E. R.; CUTRESS, R. I. Obesity in breast

cancer- What is the risk factor? Eur. J. Cancer. V. 51, n. 6, p. 705-720, 2015.

LAUTER, D.S.; BERLEZI, E.M.; ROSANELLI, C.L.S.P.; et al. Câncer de mama: estudo caso controle no Sul do Brasil. Rev. Ciência & Saúde. V. 7, n. 1, p. 19-26, 2014. .

LOTTENBERG, A.M.P.; FAN, P.L.T.; BUONACORSO, V. Efeitos da ingestão de fibras sobre a inflamação nas doenças crônicas. Einstein. V. 8, n. 2, p. 254-258, 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto Nacional De Câncer (INCA), 1986-2017. Cartilha Câncer de Mama: É preciso falar disso. Disponível em:

. Acesso em: 22.jun.2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto Nacional de Câncer (INCA). Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev) Falando sobre Mamografia. Viva Mulher – Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama – Rio de Janeiro, 2002. Disponível em:

. Acesso em: 23.jun.2017.

MOLINA, L.; DALBEN, I.; LUCA, L. A. de. Análise das oportunidades de diagnóstico precoce para as neoplasias malignas de mama. Rev. Ass. Med. Bras. V. 49, n. 2, p. 185-190, 2003.

PINHEIRO, A.B.; BARRETO-NETO, N.J.S.; RIO, J.A.; et al. Associação entre índice de massa corpórea e câncer de mama em pacientes de Salvador, Bahia. Rev. Bras. Mastologia. V. 24, n. 3, p. 76-81, 2014.

ROSSI, L. Repercussões Psicológicas do Adoecimento e Tratamento em Mulheres Acometidas pelo Câncer de Mama. Psicol., Ciênc. Prof. V. 23, n. 4, p. 32-41, 2003.

SANT’ANA, R.S.; MATTOS, J.S.C.; SILVA, A.S.; et al. Fatores associados a alterações mamográficas em mulheres submetidas ao rastreamento do câncer de mama. Einstein. V. 14, n. 3, p. 324-329,

SCAPINELLI, A. et al. Sistema intrauterino liberador de levonorgestrel e risco de câncer de mama.

Rev. Ass. Med. Bras. São Paulo, V. 56, n. 6, p. 636-637, 2010.

SEDIYAMA, C.M.N.O. Avaliação dos fatores de risco para o câncer de mama e dosagem de fração livre de DNA em mulheres atendidas na Maternidade Odete Valadares, Belo Horizonte- MG. 2012. 81f. Dissertação (Pós-graduação Ciências da Nutrição). Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 2011.

STEIN, A.T.; ZELMANOWICKZ, A.M.; ZERWES, F.P. et al. Rastreamento do câncer de mama: recomendações baseadas em evidências, Porto Alegre. Rev. Ass. Med. do Rio Grande do Sul. V. 53, n.4, p. 438-446, out./dez. 2009.

THULER, L.C.. Considerações sobre a prevenção do câncer de mama feminino. Rev. bras. cancerol. V. 49, n. 4, p. 227-238, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.