O CONCEITO INTERGERACIONAL: A VIABILIDADE DE SUA APLICAÇÃO NOS ESPAÇOS PARA CONVIVÊNCIA ENTRE IDOSOS E CRIANÇAS

Andreia Aparecida da Costa, Izadora Cristina Corrêa Silva, Maurício da Costa Silvestre Júnior

Resumo


Na contemporaneidade, vê-se cada vez mais o distanciamento entre gerações, resultado de uma sociedade cada vez mais acelerada, o que intensifica maior número de pessoas institucionalizadas, as quais são inseridas em locais com carência de acessibilidade, conforto e segurança. Nesse contexto, o artigo apresenta como objeto de pesquisa o conceito intergeracional como fonte de integração entre gerações, nesse caso específico, idosos e crianças. O paradigma norteador deste estudo qualitativo e exploratório é verificar a possibilidade de inserir num mesmo espaço, idosos e crianças, com intuito de convivência com base no comportamento intergeracional. Sendo assim, foram desenvolvidas pesquisas bibliográficas relacionadas ao idoso e às instituições asilares, o desenvolvimento infantil no contexto de creche e o conceito intergeracional, a fim de caracterizar as necessidades das gerações e intensificar as qualidades da inserção da intergeracionalidade. Ainda foram realizados estudos de caso, de forma a analisar a relação entre gerações num mesmo espaço, destacando a importância da arquitetura pensada e projetada para este fim. Portanto, confirmou-se que o comportamento intergeracional traz benefícios de interação, aprendizagem e respeito, evidenciando a inclusão e melhor desenvolvimento individual e social, sendo essencial a concepção de uma arquitetura adequada que proporcione a diversificação de usos.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Sílvia Araújo de. Qualidade em contexto de creche: Ideias e práticas. 2007. 376f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal, 2007. Disponível em:

< https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/19498>. Acesso em: 18.abr.2016.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente, lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. 6. ed. Brasília: Senado Federal, 2005. Disponível em:

< http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70318/64.pdf?sequence=3>. Acesso em: 16.mar.2016.

BRASIL. Estatuto do Idoso, lei n. 10.741, de 1 de outubro de 2003. Brasília: Senado Federal, 2003. Disponível em: < http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/

/672768.pdf?sequence=2> . Acesso em: 9.abr.2016.

BRASIL. Política Nacional do Idoso, lei n. 1.948, de 3 de julho de 1996. Brasília: Presidência da República. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d1948.htm>. Acesso em: 9.abr.2016.

CARVALHO, Alyssoon; GUIMARÃES, Marília. Desenvolvimento da criança de 0 a 6 anos. In: CARVALHO, Alysson; SALLES, Fátima; GUIMARÃES, Marília (Organizadores). Desenvolvimento e aprendizagem. Belo Horizonte: UFMG / Proex - UFMG, 2006. p. 31-48. Disponível em:< https://books.google.com.br >. Acesso em: 10.abr.2016.

EMERENCIANO, Anna Paula Santos. Casa intergeracional: Um lar por toda a vida. 2014. 140f.

Monografia (Graduação em Arquiteta e Urbanista) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014. Disponível em:

. Acesso em: 15.mar.2016.

FERNANDES, Sandra Lizete da Costa. Vivências em lares de idosos: Diversidade de percursos. 2010. 155f. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Social) – Universidade Portucalense, Portugal, 2010. Disponível em:< http://repositorio.uportu.pt:8080/xmlui/handle/11328/219>. Acesso em: 9.abr.2016.

FERRIGNO, José Carlos. Programas intergeracionais no Brasil. Revista A terceira idade SESC:

Estudos sobre envelhecimento. São Paulo, v.22, n. 50, p. 7-18, março de 2011. Disponível em:

. Acesso em: 9.abr.2016.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas S.A, 2012.

GONZALEZ-MENA, Janet; EYER, Dianne Widmeyer. O cuidado com bebês e crianças pequenas na creche: Um currículo de educação e cuidados baseado em relações qualificadas. 9.ed. Porto Alegre: AMGH editora Ltda, 2014. 384p.

Disponível em:< https://books.google.com.br >. Acesso em: 10.abr.2016.

LEITE, Ana Katharina de Figueiredo. Avaliação do ambiente construído de instituições de longa permanência para idosos. 2010. 173f. Dissertação (Mestrado em Design e Ergonomia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010. Disponível em: < http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2937>. Acesso em: 9.abr.2016.

LIMA, Ana Beatriz Rocha; BHERING, Eliana. Um estudo sobre creches como ambiente de desenvolvimento. 2006. v.36. Monografia (Pesquisa em educação) – Universidade do Vale do Itajaí – Univali, Santa Catarina, 2006. P. 573-596. Disponível em:

. Acesso em: 16.mar.2016.

LORDELO, Eulina da Rocha; et al. Contexto e Desenvolvimento cognitivo: Frequência à creche e evolução do desenvolvimento mental. In: . Psicologia: Reflexão e Crítica. 2007. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006. p. 324-334. Disponível em: . Acesso em: 10.abr.2016.

LUCINI, Hugo Camilo. Habitação Social: Procurando alternativas de projeto. Itajaí: Univali, 2003.

MARTÍNEZ, Mariano Sánchez. Programas intergeracionais na Europa: Breve avaliação crítica das políticas, práticas, teorias e pesquisas. Revista A terceira idade SESC: Estudos sobre envelhecimento. São Paulo, v.22, n. 50, p. 19-34, março de 2011. Disponível em:

. Acesso em: 9.abr.2016.

MATSUURA, Koichiro. Dia Internacional da Juventude. Mensagem do Sr. Koïchiro Matsuura, Diretor-Geral da Unesco, 2004. Disponível em: < http://portal.unesco.org/en/ev.php- URL_ID=22035&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html >. Acesso em 16.mar.2016.

NEWMAN, Sally. Histórico, modelos, resultados e melhores práticas dos programas intergeracionais. Revista A terceira idade SESC: Estudos sobre envelhecimento. São Paulo, v.22, n. 50, p. 74-91, março de 2011. Disponível em: . Acesso em: 9.abr.2016.

PAIVA, Marie Monique Bruere; SANTOS, Vilma Maria Villarouco. Ergonomia no ambiente construído em moradia coletiva para idosos: Estudo de caso em Portugal. Revista Ação Ergonômica. Pernambuco, v.7, n. 3, p. 56-75, 2012.

Disponível em:< http://www.abergo.org.br/revista/index.php/ae/article/view/169 >. Acesso em: 9.abr.2016.

PRADO, Adriana Romeiro de Almeida. Acessibilidade e Desenho Universal. In: 3º CONGRESSO PAULISTA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA, Santos – SP: Sociedade Brasileira de Geriatria Gerontologia, 2003. Disponível em:

. Acesso em: 16.mar.2016.

PROVIDENCE Mount St. Vincent. Providence Health e services. Disponível em:

. Acesso em: 8.maio.2016

SENIORS’ RESIDENCE + Nursery. Archdaily, 2013. Disponível em:

. Acesso em: 8.maio.2016

SCHARFSTEIN, Eloisa Adler. Instituições de longa permanência: Uma alternativa de moradia para os idosos brasileiros na vida contemporânea. 2006. 134f. Tese ( Doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) – Universidadde Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: < http://pos.eicos.psicologia.ufrj.br/wp-content/uploads/eloisaadler.pdf>. Acesso em: 10.abr.2016.

TAVARES, Cláudia Martins. Programas Intergeracionais: Revisão teórica e construção de proposta de intervenção. 2010. 70f. Dissertação (Mestrado em Educação Social e Comunitária) – Universidade da Beira Interior, Faculdade de Ciências Sociais e Humana, Departamento de Psicologia e Educação, Covilhã, 2010.

Disponível em: Acesso em: 13.abr.2016.

TEIGA, Sara Armanda Mora. As relações intergeracionais e as sociedades envelhecidas: Envelhecer numa sociedade não stop – O território multigeracional de Lisboa Oriental. 2012. 315f. Dissertação (Mestrado em Educação Social e Intervenção Comunitária) – Instituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Educação de Lisboa, Lisboa, 2012. Disponível em:. Acesso em: 10.abr.2016.

TOMASINI, Sérgio Luiz V.; et al. Espaços abertos junto a edificações de instituições para idosos: Um estudo para a realidade de Porto Alegre – RS. Publicado no ENTAC 2002. IX Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil. Disponível em:

< http://www.infohab.org.br/entac2014/2002/Artigos/ENTAC2002_0035_44.pdf>. Acesso em: 10.abr.2016.

VANDERBECK, Robert M.; WORTH, Nancy. Intergenerational Space. New York: Routledge, 2015. Disponível em:< https://books.google.com.br > Acesso em: 10.abr.2016.

WELFER, Márcia; CREUTZBERG, Marion. A Instituição de longa permanência para idosos: Um espaço para a promoção da saúde. In: TERRA, Newton Luiz e et al. (Org.). Envelhecimento e suas múltiplas áreas do conhecimento. Porto Alegre: Edipucrs, 2010. p. 83-87.

XIMENES, Maria Amélia; CÔRTE, Beltrina. A Instituição asilar e seus fazeres cotidianos: um estudo de caso. In: . Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento. 2007. v.11. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007, p. 29-52. Disponível em: . Acesso em: 16.mar.2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.