ANÁLISE E IDENTIFICAÇÃO DO MODELO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA EM UMA ENTIDADE HOSPITALAR FILANTRÓPICA

Dyego Penna Carvalho, Mônica de Oliveira Costa, Farana de Oliveira Mariano, Alex Santiago Leite, Jonathan Pio Borel

Resumo


A Governança Corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento entre proprietários, conselhos de administração, diretoria executiva e órgãos de controle. As boas práticas de Governança Corporativa alinham interesses com a finalidade de preservar e de otimizar o valor da organização. No caso da área da saúde, essa necessidade de se adequar a Governança Corporativa é relevante, pois na ponta dos processos existem vidas. Esta pesquisa possui como objetivo analisar e identificar o modelo de governança praticado no Hospital Filantrópico Padre Máximo em Venda Nova do Imigrante– ES.  O estudo foi direcionado aos membros da organização da entidade, abrangendo a Presidência e o Conselho Deliberativo que outorga os planos e os desígnios propostos pela Presidência. Essa coleta de informação foi obtida por meio de uma entrevista padronizada que apresentava três tópicos distribuídos nas seguintes seções: Acesso as Informações, Conteúdo das Informações Públicas e Estrutura do Conselho de Administração. Assim evidenciou-se que o modelo de Governança Corporativa da instituição de saúde pesquisada pode ser considerado como Atual, ou seja, as práticas de governança são informais, carentes de metodologia adequada à organização.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A,; ROSSETI, J. P. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas, 2004.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HOSPITAIS PRIVADOS – ANHP. Estatuto Social. 2001. Disponivel em: . Acesso em: 15 jan. 2017.

BABIC, V. Corporate governance problems in transition economies. Winston-Salem; Wake Forest. University, Social Science Research Seminar, 2003.

BEDICKS, Heloisa. Governança corporativa e dispersão de capital: múltiplos casos no Brasil.1.ed. São Paulo: Saint Paul Editora, 2009.

BLAIR, M.M. For Whom should corporations be run? An economic rationale for stakeholder management. Long Runge Planning, v. 31, 2009.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2012. Sistema de Informações hospitalares – SIHSUS. www.datasus.gov.br

CARVALHO, H. Soares. As práticas da boa Governança Corporativa nas empresas e os reflexos destas ações no terceiro setor. Trabalho de Conclusão de Curso Pós Graduação “Lato-Sensu” Vitória, UFES, 2009.

CERDA, A. C. Tender Offers, Takeovers abda Corporate Governance. The Latin Amarica Corporate Governance Roundtable, São Paulo, Apr 2000.

CÓDIGO DAS MELHORES PRÁTICAS DE GOVERNANÇA. Janeiro, 2004. Disponível em:

. Acesso em Janeiro de 2017.

CMB. CONFEDERAÇAO DAS SANTAS CASAS DE MISERICÓRDIA, HOSPITAIS E ENTIDADES FILANTRÓPICAS (2010). Disponível em: acesso em: 08 de janeiro de 2017

DENIS, Daiane, McCONNEL, Jhon. International Corporate Governance. Journal Of Financial and Quantitative Analyses. v 38, n. 1, p. 192, March, 2001.

Di MICELI, A. Da Silveira. Estrutura de Governança e Valor das Companhias Abertas Brasileiras, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIMENEZ, E. R.; LEONARDO, V. S. Transparência na prestação de contas. Graduação “Lato- Sensu” Vitória, UFES, 2009.

FONTES FILHO, J. R. O que podemos aprender com a governança das organizações públicas e não empresariais. São Paulo: Saint Paul Editora, 2013. p. 263-284.

GREGORI, M. S. Planos de saúde: a ótica da proteção do consumidor. 3. Ed. São Paulo: RT, 2011. IBCG. Pesquisa sobre Governança Corporativa. Janeiro, 2014. Disponível em:. Acesso em Janeiro de 2017.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. The Journal of Financial Economics, Rochester, 3 (4): 305-360, October, 1976.

HART, O. Corporate governance: some theory and implications. The Economic Journal, v. 105, n. 430, p. 678-689, May 1995.

LANCELLOTTI, Renata. Prefácio. In: BARBOSA, Marcelo et al. Governança corporativa: estrutura de controles societários.1.ed. São Paulo: Saint Paul Editora, 2009.

MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Fundamento da Metodologia Cientifica. Ed Atlas, 5ª ed,. São Paulo, 2003. 311p.

MANUAL DO SUS. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. 2002. Disponível em: www.datasus.gov.br/idb2002. Acesso em: 07 de outubro de 2016

MOTTA, Paulo Roberto. A ciência e a arte de ser dirigente. In: Gestão Contemporânea. 8. ed. Rio de Janeiro / São Paulo: Record, 1991.

OLIVEIRA, Marco de. Teoria da Agência. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 1997. 212p.

PORTELA, Margareth Crisóstomo...[et al.]. Hospitais Filantrópicos no Brasil. Rio de Janeiro: BNDES, 2002.

SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. Ed Martins Fontes, 9. ed., São Paulo, 1990. 152p.

SILVEIRA, A. M. Governança Corporativa: desempenho e valor da empresa: estratégia para geração de valor. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.

STEINBERG, Herbert. Governança Corporativa: Pessoas criam as melhores e as piores práticas. São Paulo: Editora Gente, 2003.

UGA, Maria Alicia D. et al. Uma análise das operadoras de planos próprios de saúde dos hospitais filantrópicos no Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. vol.24, n.1, pp.157-168, 2008.

VILAR, J. M. (Org). Governança Corporativa em Saúde: uma receita de qualidade para as empresas do setor. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

VIACAVA, F. et al. Uma metodologia de avaliação do desempenho do sistema de saúde brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 3, p. 711-724, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.