ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DA ESPÉCIE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI (AROEIRA-VERMELHA): BREVE REVISÃO DA LITERATURA

Alane Torres de Araújo Lima, Lívia Mol Fraga Melo, Júlia Esteves de Moraes, Ríudo de Paiva Ferreira, Maria Diana C. Sales

Resumo


Nas últimas décadas, foram intensificadas as investigações sobre fitoterápicos que possam oferecer tratamento alternativo para o controle microbiano. Dentre as plantas mais estudadas, encontra-se a Schinus terebenthifolius Raddi (aroeira-vermelha). A partir da seleção de nove publicações, contemplando um total de 50 experimentos, este trabalho objetiva reconhecer a atividade antimicrobiana das diversas partes da Aroeira-vermelha, frente  diferentes  micro- organismos. Os experimentos utilizaram as seguintes partes da planta: frutos maduros (40%), casca (38%) e folhas (11%). Dentre as espécies microbianas utilizadas, houve maior prevalência de Staphylococcus aureus, Escherichia coli e Enterobacter sp., o que pode ser justificado pela grande importância clínica destas no contexto das infecções comunitárias e nosocomiais de difícil controle na atualidade. Com este trabalho, pode-se evidenciar que a atividade antimicrobiana da aroeira vermelha frente diferentes patógenos de interesse clínico está sedimentada na literatura, concluindo- se que esta espécie é um potencial candidato para futuras terapêuticas contra tais patógenos, e que portanto, mais estudos acerca deste tema são importantes, para que posteriormente esta possa vir a ser utilizada como uma opção viável de tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A.P; BEHAR, P.R. Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de KPC em um hospital terciário do sul do Brasil. Revista AMRIGS V. 57, n. 3, p. 213-218, 2013.

ALVES, P. M. et al. Atividade antimicrobiana, antiaderente e antifúngica in vitro de plantas medicinais brasileiras sobre microrganismos do biofilme dental e cepas do gênero Candida. Rev. Soc. Bra. Med.Trop. P. 222-224, 2009.

BACCARO, M. R. et al. Resistência antimicrobiana de amostras de Escherichia coli isoladas de fezes de leitões com diarréia. Arquivos do Instituto Biológico, v. 69, n. 2, p. 15-18, 2002.

BARBOSA-FILHO, J.M. et al. Natural products with antileprotic activity. Rev. Bras. Farmacognosia. V.17, p.141-148, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2007000100022. Acesso em 05 out. 2017.

BENDAOUD, H. et al. Chemical Composition and Anticancer and Antioxidant Activities of Schinus Molle L. and Schinus Terebinthifolius Raddi Berries Essential Oils. J. Food Sci. V.75, n.6, p.466-472, 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20722898. Acesso em 05 out. 2017.

BIASI-GARBIN, R. P. et al. Antifungal potential of plant species from Brazilian Caatinga against dermatophytes. Rev. Inst. Med. Trop. V. 58, 2016.

BORNHAUSEN, R. L. As Ervas do Sítio.12. ed. São Paulo: Ed. Bai, 2009.

CALFEE, D. P. Methicillin-resistant Staphylococcus aureus and vancomycin-resistant enterococci, and other Gram-positives in healthcare. Curr. Opin. Infect. Dis. V. 25, n. 4, p. 385-394, 2012.

COLE, E. R. et al. Chemical composition of essential oil from ripe fruit of Schinus terebinthifolius Raddi and evaluation of its activity against wild strains of hospital origin. Brazilian journal of microbiology, v. 45, n. 3, p. 821-828, 2014.

DE SOUSA SOARES, D. G. et al. Atividade Antibacteriana in vitro da Tintura de Aroeira (Schinus terebinthifolius) na Descontaminação de Escovas Dentais Contaminadas pelo S. mutans. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada, v. 7, n. 3, 2007. dermonecrosis in skin infection models. Sci Rep. 2017. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28186134. Acesso em: 06 out.2017.

EL-MASSRY, K. F. et al. Chemical compositions and antioxidant/antimicrobial activities of various samples prepared from Schinus terebinthifolius leaves cultivated in Egypt. Journal of agricultural and food chemistry, v. 57, n. 12, p. 5265-5270, 2009

FERREIRA, W.A., et al. Prevalência de Staphylococcus aureus meticilina resistente (MRSA) em pacientes atendidos em ambulatório de dermatologia geral em Manaus-Amazonas. Rev. Patol. Trop. V. 38, n.2, p.83-92, 2009.

FEUERSCHUETTE, O. H. M. et al. Candidíase vaginal recorrente: manejo clínico. Femina, V.38, n.1, Jan. 2010.

FRANCOIS, P. et al. Evaluation of three molecular assays for rapid identification of methicillin- resistant Staphylococcus aureus. J. Clin. Microbiol. V. 45, n. 6, p. 2011-2013, 2007.

FREIRES, I.A. et al. Atividades antibacteriana e antiaderente in vitro de tinturas de Schinus terebinthinfolius (aroeira) e Solidago microglossa (arnica) frente a bactérias formadoras do biofilme dentário. Odontologia Clínico-científica. V. 9, p. 139-143, 2010.

FURONES, M.J.A. Anti-inflamatory activity of Schinus terebinthifolius (Copal) in Rats. Rev. Cub. Farm. V.27, p.139-44, 1993.

JAIN, M.K., et al. Specific competitive inhibitor of secreted phospholipase A2 from berries of Schinus terebinthifolius. Phytochemistry. V.39, p.537-47, 1995.

JORGE L.I.F; MARKMANN B.E.O. Exame químico e microscópico de Schinus terebinthifolius Raddi (Aroeira). Ver. Ciênc. Farm. V.17, p.139-45, 1996.

LEITE, G. B. Análise de portadores assintomáticos de Staphylococcus aureus no Hospital Universitário de Brasília. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Patologia Molecular) - Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília, 2008.

MACÊDO, N. R. et al. Detecção de cepas patogênicas pela PCR multiplex e avaliação da sensibilidade a antimicrobianos de Escherichia coli isoladas de leitões diarréicos. Arq. bras. med. vet. zootec, v. 59, n. 5, p. 1117-1123, 2007.

MARTINEZ, M.J., et al. Screening of some Cuban medicinal plants for antimicrobial activity. J Ethnopharmacol. V.52, p.171-4, 1996.

MENEGOTTO, F.R; PICOLI, S.U. Staphylococcus aureus oxacilina resistente (MRSA): incidência de cepas adquiridas na comunidade (CA-MRSA) e importância da pesquisa e descolonização em hospital. Rev. Bras. Anal. Clin. V.39, n.2, p. 147-50, 2007.

MIMICA, L. M. J. et al. Diagnóstico de infecção por Candida: avaliação de testes de identificação de espécies e caracterização do perfil de suscetibilidade. J. Bra. Pat. Med. Lab. V. 45, n. 1, p. 17-23, 2009 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676- 24442009000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 05 out.2017.

MOURA-COSTA, G. F. et al. Antimicrobial activity of plants used as medicinals on an indigenous reservein Rio das Cobras, Parana, Brazil. Journal Of Ethnopharmacology: An Interdisciplinary Journal Devoted to Indigenous Drugs. V.148, p.631-638, 2012. Disponível em: http://www.academia.edu/21309547/Antimicrobial_activity_of_plants_used_as_medicinals_on_ an_indigenous_reserve_in_Rio_das_Cobras_Paraná_Brazil. Acesso em: 20 set.2017.

MUHS, A. et al. Virulence inhibitors from Brazilian Peppertree block quorum sensing and abate dermonecrosis in skin infection models. Scientific Reports. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5301492/. Acesso em: 05 out.2017.

NOCCHI, S. R. et al. In vitro cytotoxicity and anti-herpes simplex virus type 1 activity of hydroethanolic extract, fractions, and isolated compounds from stem bark of Schinus terebinthifolius Raddi. Pharmacognosy magazine. V. 12, n. 46, p. 160, 2016.

OLIVEIRA, C.F. et al. Emergência de Staphylococcus aureus resistentes aos antimicrobianos: um desafio contínuo The emergency of antimicrobial-resistant Staphylococcus aureus: a continuing challenge. Rev. Ciênc. Méd. Biol., Salvador, v. 13, n. 2, p. 242-247, 2014.

OPAS/OMS- BRASIL. OMS publica lista de bactérias para as quais se necessitam novos antibióticos urgentemente.2017.Disponível:www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article

&id=5357/ Acesso: 02.jun.2017.

OSTROSKY, E.A. et al. Métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da concentração mínima inibitória (CMI) de plantas medicinais. Rev. Bras. Farmacognosia. V.18, n.2, p.301-307, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2008000200026. Acesso em 05 out. 2017.

PINHO, L. de et al. Atividade antimicrobiana de extratos hidroalcoolicos das folhas de alecrim- pimenta, aroeira, barbatimão, erva baleeira e do farelo da casca de pequi. Ciência Rural. V. 42, n. 2, p.1-6, fev. 2012. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/cr/2012nahead/a3312cr5470.pdf. Acesso em: 20 set. 2017.

PIRES, O.C., et al. Análise preliminar da toxicidade aguda e dose letal mediana (DL50) comparativa entre os frutos de Pimenta-do-Reino do Brasil (Schinus terebinthifolius Raddi) e Pimenta-do-Reino (Piper nigrum L.). Acta Farm Bonaer. V. 23, p.176-182, 2004.

PUPO, M.T. et al. Biologia química: uma estratégia moderna para a pesquisa em produtos naturais. Química Nova. V.30, n.6, p. 1446-1455, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422007000600014&script=sci_abstract. Acesso em 05 out. 2017.

SALES, M.D.C. Avaliação e caracterização de insumos bioativos da aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi) com potencial econômico para o desenvolvimento tecnológico de bioprodutos [Tese de Doutorado]. Vitória (ES): Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); 2013.

SALES, M.D.C.; SARTOR, E de B., GENTILLI, R.M.L. Etnobotanica e Etnofarmacologia: Medicina Tradicional e Bioprospecção de Fitoterápicos. Salus J. Health Sci. v. 1; n. 1; p. 17-26, 2015.

SANTOS L.C; AMORIM, M.M.R. Uso da Aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi) para tratamento de infecções vaginais. Femina. V.30, p.339-42, 2002.

SANTOS, Ana Carolina de Mello et al. A virulência de Escherichia coli patogênica extra- intestinal (ExPEC) em relação à idade e ao sexo do hospedeiro. Mundo saúde (Impr.), v. 33, n. 4, p. 392-400, 2009.

TOMAZZONI, M.I., BONATO, N., REJANE, R. CENTA, M. L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71415114. Acesso em 05 out. 2017.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Biblioteca virtual do estudante brasileiro: aroeira. Disponível em: http://www.scirp.org/(S(lz5mqp453edsnp55rrgjct55))/reference/ReferencesPapers.aspx?Refere nceID=1286117. Acesso em 05 out. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.