TECNOLOGIA ASSISTIVA NA PRÁTICA: UM FAZER DIFERENTE

Juliana Santiago da Silva, Thabata Braga Mendes

Resumo


As tecnologias assistivas são metodologias relacionadas à atividade e participação, de pessoas com deficiências visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. Diante destas questões, este trabalho objetiva identificar a prática da tecnologia assistiva na sala de aula, onde foi aplicada uma entrevista semiestruturada para uma professora regente em uma escola pública da rede estadual de ensino. Como apontado neste estudo, a tecnologia assistiva tem ocorrido nas salas de aula. Entretanto, muitas das vezes o professor regente desconhece a terminologia destes recursos. Pontua-se também a necessidade que o professor apresenta em ter mais espaço com os alunos com necessidades especiais, sendo as turmas cheias um dos fatores limitadores para que o aluno com deficiência tenha a atenção necessária durante o aprendizado.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. C. J.; MATSUKURA, T. S. A tecnologia assistiva no contexto da escola regular: relatos dos cuidadores de alunos com deficiência física. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 25-33, abril. 2011.

ARTILES, A.; KOZLESKI, E.; WAITOLLER, F. Inclusive Education: examining equity on five continents. Cambridge, MA: Harvard Education Press, 2011.

BRASIL. Decreto-lei no 7.612, de 17 de novembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2017.

COPLEY, J.; ZIVIANI, J. Barriers to the use of assistive technology for children with multiple disabilities. Occupational Therapy International, v. 11, p. 229-243, 2004.

DELIBERATO, D. Aspectos teóricos e metodológicos na comunicação alternativa: contribuições para educação especial.Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 10, n. 3, p. 387-388, set.- dez. 2004.

GONÇALVES, A. G. Desafios e condições para aprendizagem do aluno com deficiência física no contexto da escola inclusiva. Poíesis Pedagógica. Catalão-GO, v.12, n.1, p. 45-66, jan/jun. 2014.

Ministério da Educação (MEC). Censo escolar 2010.Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2017.

PARETTE, H. P; BROTHERSON, M. J. Family-centered and Culturally Responsive Assistive Technology Decision Making. Infants and Young Children v. 17, n. 4, p. 355-367, 2004.

RODRIGUES , P. A. A. et al. As deficiências múltiplas na escola. Portal do Professor do MEC, Espaço da Aula. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2016.

SANCHES-FERREIRA, M. Manual educação especial educação regular, uma história de separação. Porto: Afrontamento, 2007.

SANCHES-FERREIRA, M.; MICAELO, M. Teacher education for inclusion country report Portugal. European Agency for the Development of Special Needs Education: Odense, Denmark, 2010.

SÁNCHEZ, P. A. A educação inclusiva: um meio de construir escolas para todos no século XXI. Inclusão: revista da Educação Especial, Brasília, DF, v. 1, n. 1, p. 7-18, 2005.

TSAKIRIDOU, H.; POLYZOPOULOU, K. Greek teachers’ attitudes toward the inclusion of students with special educational needs. American Journal of Educational Research, v.2, n.4, p.208-218, 2014.

VIEIRA-RODRIGUES, M. M. M.; SANCHES-FERREIRA, M. M. P. A Inclusão de Crianças com Necessidades Educativas Especiais no Ensino Regular em Portugal: a Opinião de Educadores de Infância e de Professores do 1º Ciclo do Ensino Público e Privado. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 23, n. 1, p. 37-52, jan.-mar. 2017.

ayton. 10. ed. São Paulo: Ed. Manole, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.