A AVALIAÇÃO DE FUROS HORIZONTAIS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO AOS DESLOCAMENTOS VERTICAIS E À ELEVAÇÃO DA QUANTIDADE DE ARMADURA

Roberto Vicente Silva de Abreu, Alessandra Ambrósio Horsth, Hellen Cristine Prata de Oliveira, José Francisco Anunciação Pinto

Resumo


O conceito BIM (Building Information Modeling) tem sido difundido mundialmente no mercado da Construção Civil uma vez que ele visa a integração dos projetos de uma construção para que o planejamento e a compatibilização dos diferentes sistemas fiquem integrados. De tal modo, pode-se economizar em materiais e tempo já que o BIM traz uma ideia de que todos os projetos devem serem feitos de maneira conjunta e sem individualização ou desmembramento de etapas que constituem uma obra. No Brasil o modelo ainda é incipiente e não e usado pela maioria dos profissionais da área quando os projetos são concebidos. Um dos exemplos com elevada incidência é a falta de compatibilidade dos projetos estruturais e dos projetos hidrossanitários. Assim, em muitos casos, as estrutura é construída e posteriormente os tubos e conexões são locados, porém vigas e pilares podem não permitir que os tubos prossigam para o ponto de descida da prumada ou escoamento. De maneira errônea, as vigas e pilares são furados sem as observações contidas na norma de concreto, NBR 6118 (2014) e a capacidade resistente dos elementos estruturais pode ficar comprometida. A presente pesquisa visou avaliar os efeitos da adição de furos horizontais de 5 cm em vigas de concreto armado em relação às flechas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.