ANÁLISE CRÍTICA DA OBRA: O DESAFIO DE SANTCHO: O MACAQUINHO.

Patrícia Aparecida Souza, Lídia Maria Nazaré Alves, Leonardo Gomes de Souza, Paulo César Risso de Souza, Janilson Carvalho de Alvarenga Mendes, Ivete Monteiro de Azevedo

Resumo


O presente trabalho introduz o leitor no universo cultural africano, com suas tradições primigênias, expõe sobre o processo de colonização europeia e suas consequências, que subjugou tradições pré-existentes, forjando nova cultura ideologicamente eurocêntrica. Ao enredar o leitor no histórico de opressão à cultura negra, busca-se moldar o contexto interpretativo do texto a ser investigado, a fim de resultar na aceitabilidade do leitor à obra. Posteriormente, adentramos a análise textual de “O desafio de Santcho: o macaquinho”, mostrando que o referido mimetiza aspectos da cultura africana, mais especificamente guineense, resultando em uma analogia entre identidade africana, texto e intencionalidade das autoras, na construção do sentido da narrativa. Sua tessitura foi possível a partir de entrevista com três alunos da Guiné Bissau que fazem intercâmbio no Brasil, na FACIG, de Manhuaçu. Objetiva-se, com o presente artigo, uma consciência cultural acerca das tradições e preceitos de um povo que foi não apenas dominado, mas teve sua história dirimida pelo complexo de superioridade de uma nação branca. O artigo filia-se ao Projeto de extensão em desenvolvimento na UEMG – Unidade de Carangola, 2018, Produção/divulgação de estudos poéticos de e sobre negros, financiado pelo PAEx.


Texto completo:

PDF

Referências


AUGEL, M. P. O desafio do escombro: Nação, Identidades e Pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Ed. Garamond, 2007.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. São Paulo: Ed. Edusc, 1999.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora Edufba, 2008.

FERREIRA, J. A literatura popular da Guiné-Bissau. África, n. 16-17, p. 211-218, 25 dez. 1994.

HAMPÂTÉ BÂ, Amadou. Tradição Viva. In: História Geral da África: Metodologia e Pré-História da África. Vol. I. Brasília: Unesco, 2010, p. 167-212.

LEISTER, C.F. Um prefácio a povos da Guiné-Bissau: O boletim cultural da Guiné portuguesa (1946-1973) 2012

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

SOYINKA, W. O leão e a joia. Tradução de William Lagos. São Paulo: Geração Editorial, 2012.

BOUT, N.; GHIURGHI, A. Guia dos mamíferos do parque nacional de cantanhez. Ação para o desenvolvimento, Guiné-Bissau, 2013.

IBAP - Instituto da Biodiversidade das Áreas Protegidas. Página inicial. Disponível em: < https://www.ibapgbissau.org/ >. Acesso em: 01 de set. de 2018.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

CHATELAIN, Heli (1960), Contos Populares de Angola. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.