LEISHMANIOSE CUTÂNEA DIFUSA EM MEMBRO INFERIOR: RELATO DE CASO

Isabela Letícia Carvalho Félix, Maíra Tarôco Bertolino, Gustavo Henrique de Melo da Silva, Juliana Santiago da Silva

Resumo


A Leishmaniose Tegumentar é uma doença infecciosa e não contagiosa, uma zoonose   transmitida através da picada de fêmeas de mosquitos do gênero Lutzomya, as quais inoculam o protozoário causador da patologia. As espécies Leishmaniose amazonensis, L. brasiliensis e L. guyanensis são as mais prevalentes no país. A leishmaniose cutâneo difusa (LCD) é um tipo raro de leishmaniose tegumentar humana, caracterizada pela presença de nódulos múltiplos não ulcerativos, com predomínio maior de recidivas e difícil tratamento.  O diagnóstico da doença se define pela presença dos anticorpos anti-leishmania em amostras de soro, ELISA, intradermorreação de Montenegro, sem esquecer-se da clínica e da evolução crônica. Os tratamentos para leishmaniose são os mesmos, alterando as posologias, sendo os antimoniais pentavalentes a primeira linha de escolha, e como segunda linha conta-se com a anfotericina B, anfotericina B lipossomal e isetionato de pentamidina.

Texto completo:

PDF

Referências


AMATO V. S. et al Um caso de leishmaniose cutâneo-mucosa tratado com sucesso com baixa dose de antimonial pentavalente. RevSocBrasMed Trop. 1998, 31(2):221-4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86821998000200008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 28 nov 2017

BARRAL, A.; NETO, M.B. Aspectos imunológicos da leishmaniose cutânea difusa (LCD). Gazeta Médica da Bahia, v. 79, Supl. 3, p. 35-39, 2009. Disponível em: http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/viewFile/1028/1004. Acesso em: 06 dez 2017

CATORZE M. G. B. Leishmaniose e SIDA. Med. Cutan. Iber. Lat. Amer. 2005,6:237-250. Disponível em: http://www.medigraphic.com/pdfs/cutanea/mc-2005/mc056b.pdf. Acesso em: 28 nov 2017

COSTA, J. M. L. et al. Leishmaniose cutânea difusa (LCD) no Brasil após 60 anos de sua primeira descrição. Gazeta Médica da Bahia, v. 79, Supl. 3, p. 16-24, 2009. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/9762. Acesso em: 06 dez 2017

LIMA, E. B. et al. Tratamento da Leishmaniose Tegumentar Americana. An. Bras. Dermatol. 2007, vol.82, n.2, pp.111-124. ISSN 0365-0596. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962007000200002〈=pt. Acesso em: 28 nov 2017

MAIA, H. et al Projeto Saúde e Meio Ambientes.CAPES - FAPERJ.Fundação Oswaldo. 1998 Disponível em:http://www.dbbm.fiocruz.br/tropical/leishman/leishext/html/sobre_a_equipe.htm. Acesso em: 02 dez 2017

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Leishmaniose Tegumentar Americana. Guia de Vigilância Epidemiológica; Caderno 11, 2017. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_leishmaniose_tegumentar.pdf. Acesso em: 28 nov 2017

NETO F. X. P. et al Manifestações Otorrinolaringológicas Relacionadas à Leishmaniose Tegumentar Americana: Revisão de Literatura. ArqIntOtorrinolaringol./IntlArchOtorhinolaryngol. 2008,12(4):531-537. Disponivel em:http://www.arquivosdeorl.org.br/conteudo/acervo_port.asp?id=568. Acesso em: 28 nov 2017

NEVES, L.O. et al.Estudo clínico randomizado comparando antimoniato de meglumina, pentamidina e anfotericina B para o tratamento da leishmaniose cutânea ocasionada por Leishmaniaguyanensis. An. Bras. Dermatol. [online]. 2011, vol.86, n.6, pp.1092-1101. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962011000600005〈=pt. Acesso em: 28 nov 2017

PAULA, C.D.R. et al Estudo comparativo da eficácia de isotionato de pentamidina administrada em três doses durante uma semana e de N-metil-glucamina 20mgSbV/kg/dia durante 20 dias para o tratamento da forma cutânea da leishmaniose tegumentar americana. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2003, vol.36, n.3. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822003000300009〈=pt. Acesso em: 28 nov 2017

RATH, S.et alAntimoniais empregados no tratamento da leishmaniose: estado da arte.Quím. Nova [online]. 2003, vol.26, n.4, pp.550-555. ISSN 0100-4042. Disponível em: . Acesso em: 28 nov 2017

SALDANHA A. C. R.et al.Cura clínica na leishmaniose cutânea difusa (LCD) no brasil. Gazeta Médica da Bahia, v. 79, Supl. 3, p. 25-29, 2009. Disponível em:http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/viewFile/1031/1007. Acesso em: 06 dez 2017

SILVEIRA. Leishmaniose cutânea difusa (LCD) na amazônia, brasil: aspectos clínicos e epidemiológicos. Gazeta Médica da Bahia, v. 79, Supl. 3, p. 25-29, 2009. Disponível em: http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/viewFile/1026/1002 Acesso em: 06 dez 2017

VARELLA, P. P. V.;FORTE, W. C. N.Citocinas: Revisão. Rev. bras. alerg. imunopatol. v. 24(4), p. 146-154, 2001. Disponível em: http://www.asbai.org.br/revistas/Vol244/citocinas.htm. Acesso em: 05 dez 2017


Apontamentos

  • Não há apontamentos.