CONHECIMENTO QUANTO AOS MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO E AUTOMEDICAÇÃO DOS USUÁRIOS ATENDIDOS PELOS SERVIÇOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM UM BAIRRO DA CIDADE DE MANHUAÇU-MG

Mariana Cordeiro Dias, Diulle Braga Oliveira, Lanna Isa Estanislau de Alcântara, José Renato de Oliveira Campos Paiva, Nathely Bertly Coelho Pereira, Rafaela Lima Camargo, José Carlos Laurenti Arroyo, Daniele Maria Knupp Souza Sotte

Resumo


O presente estudo aborda o tema terapêutica farmacológica, utilizando-se o intuito de recuperação e garantia da qualidade de vida. O principal ponto discutido é a automedicação e consequências de seu consumo. A pesquisa justifica-se pela falta de informação sobre os efeitos dessa terapêutica medicamentosa, cujo objetivo consiste em analisar a automedicação e conhecimento quanto aos fármacos. Trata-se de um estudo observacional analítico transversal em que consiste na investigação da prevalência com a investigação por meio de questionários. Como resultado obtivemos os dados referentes às medicações contínuas, com acompanhamento médico, as medicações utilizadas sem prescrição médica, entre eles, os analgésicos, anti-inflamatórios, anestésicos, antitérmicos e antiácidos. A automedicação gera consequências negativas aos usuários. O estudo suscitou a necessidade de campanhas educativas para conscientização e conhecimento das possíveis consequências da automedicação para a população sobre os danos, que um medicamento usado, de forma errada, pode causar à saúde do próprio usuário, bem como gera gastos para o sistema de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARES, J. et al.. Pesquisa Nacional sobre Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de Medicamentos: métodos. Rev. Saúde Pública, v. 51, n. suppl 2, p. -, 2017.

ANVISA. Agência nacional de vigilância sanitária. Disponível em: . Acesso em: 12 de outubro de 2018.

ARRAIS, P. S. D.et al. Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Rev. Saúde Pública, v. 50, n. suppl2, p. -, 2016

CARVALHO, M.F. et al. Utilizacionof medicines by Brazilian population, 2003. Cad Saúde Pública. 2005; 21 (suppl 1): S100-8.

CRIADO, Paulo Ricardo et al. Receptores de anti-histamínicos; novo conceito. Anais brasileiros de dermatologia. n. 85, v. 2, p. 195-210, 2010.

COPELLO, M. A. et al. Comportamiento de laprescripción de lareceta medica. Boletín de la Academia Nacional de Medicina de Buenos Aires 1998; 76(2):419-428.

FERNANDES, L.C. Caracterização e análise da farmácia caseira ou estoque domiciliar de medicamentos. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre:Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2000.

FERREIRA, RA et al. Hipertensão arterial referida e utilização de medicamentos de uso contínuo no Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2014 abr, 30 (4):815-26.

GOLDMAN, Lee; SCHAFER, Andrew I. Goldman Cecil Medicina - Vol. 1 - 24ª Ed. Editora Elsevier, 2014.

LOYOLA FILHO et al.. E. Bambuí Project: qualitative approach to self medication. Cadernos de Saúde Pública, vol. 20, nº6, p. 1661-1669, nov.-dez., 2004.

MALTA, DC; SILVA JUNIOR, JB. O plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e a definição de metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiol Serv Saúde. 2013 mar, 22 (1):151-64

MANUAIS MSD. HUSSAR, D. A.. Tolerância e resistência. 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 de outubro de 2018.

MENDEZ, Z. et al.. Prevalência de automedicação na população urbana portuguesa. Ver Bras Cien Farmaceuticas. 2004, 40 (1): 21-5.

MOSEGUI, G. B. G. L. L. Avaliação da qualidade do uso de medicamentos em idosos. Revista de Saúde Pública, v. 33, p. 437-444, 1999.

PAULO, L. G.; ZANINI, A.C. Automedicaçäo no Brasil. AMB RevAssocMedBras, v. 34, n. 2, p. 69-75, 1988.

PEIXOTO, S. D. A.. Métodos não farmacológicos de controle da dor. 2016. Tese de Doutorado.

PEREIRA, J.R. et al.Riscos da automedicação: tratando o problema com conhecimento, 2006. Disponível em: Acesso em: 28 maio 2011.

PEREIRA, J. R. et al. Riscos da automedicação: tratando o problema com conhecimento. Universidade da Região de Joinville, 2008.

SANTOS, G. A. S.; BOING, A.C.. Hospitalizationsanddeathsfromdrugpoisoningand adverse reactions in Brazil: ananalysisfrom 2000 to 2014. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 6, 2018.

RAPKIEWICZ, J. C.. Riscos da automedicação sem a orientação do farmacêutico. O Farmacêutico, Curitiba, v. 3, n. 98, p.24-31, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2018.

TANIGUCHI, C. M. et al. Toxicidade dos Fármacos. In: GOLAN, David E. et al. Princípios da Farmacologia: A base fisiopatológica da farmacologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. Cap. 5. p. 58-68. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.