TOXOPLASMOSE: RELATO DE CASO E RELEVÂNCIA DA PARASITOLOGIA

Nathely Bertly Coelho Pereira, Lanna Isa Estanislau de Alcântara, Mariana Cordeiro Dias, Rafaela Lima Camargo, Yolanda Schiavo Schettino de Oliveira Borges, Gean Léri de Souza, Juliana Santiago da Silva

Resumo


O objetivo geral desse trabalho consistiu em relatar um caso clínico, observando sua forma de contágio; a reação do indivíduo infectado; e as manifestações clínicas e tratamento. Trata-se de um relato de caso de toxoplasmose ocular cronificada. A toxoplasmose, apesar de ser uma parasitose relativamente comum no Brasil e no mundo, é extremamente negligenciada tanto pelo governo, que promove campanhas somente quando há epidemias, quanto pela população, que em sua maioria desconhece medidas de prevenção e sintomatologia das diversas formas da doença. O que leva a procura tardia do tratamento e, consequentemente, podendo haver sequelas graves. Além disso, ela possui características imunológicas próprias quanto ao IgG e IgM, que devem ser conhecidas pelos profissionais de saúde para que haja um diagnóstico correto mais rápido e tratamento mais efetivo, de acordo com o tipo e a fase da doença na qual a pessoa encontra-se. Deste modo, pretendeu-se como proposta de intervenção, fornecer informações sobre a transmissão e prevenção da doença, amplificando o conhecimento geral sobre toxoplasmose e possibilitando reduzir o número de casos.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU MT, Belfort Jr R, Garcia AR, Muccioli C, Soriano E, Nussenblat R, Silveira C. Toxoplasmose ocular em Venda Nova do Imigrante, ES, Brasil. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia 61:540-545,1998.

ACCIOLY, F. Publicações eletrônicas [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por mfmendes@uff.br em 24 abr. 2000.

ALEIXO, Ana Luisa Quintella do Couto et al. Frequência de lesões sugestivas de toxoplasmose ocular em uma população rural do Estado do Rio de Janeiro. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, [S.l.], v. 42, n. 2, p. 165-169, mar. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

ALMEIDA, Márcio José de et al. Aspectos sociopolíticos da epidemia de toxoplasmose em Santa Isabel do Ivaí (PR). Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

CIMERMAN B. Parasitologia humana e seus fundamentos gerais. Ed Atheneu, Rio de Janeiro, 2009.

CORDEIRO, Cynthia Azeredo et al. Imunologia da retinocoroiditetoxoplásmica. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 73, n. 6, p. 548-551, dez. 2010. Disponível em . Acesso em: 21 jun. 2018.

GLASNER PD, Silveira C, Kruszon-Moran D, Martins MC, Burnier Júnior M, Silveira S, Camargo ME, Nussenblatt RB, Kaslow RA, Belfort Júnior R. An unusually high prevalence of ocular toxoplasmosis in southern Brazil. American Journal of Ophthalmology 114:136-144, 1992.

GRANATO, Celso Francisco Hernandes. Dilemas da interpretação da sorologia para o Toxoplasma gondii durante a gestação. Fleury Medicina e Saúde, São Paulo, ed.2, abr. 2008. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2018.

GOLDMAN, Lee; AUSIELLO, Dennis.Cecil MedicinaInterna. 24. ed. SaundersElsevier, 2012.

GOMES, Mário Cândido de Oliveira. Sorologia para toxoplasmose. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Sorocaba-SP, v. 6, n. 2, p. 8-11, set. 2004. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de bolso doenças infecciosas e parasitárias. 7. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

MENDES, Norma Helena Duarte. Estudo da frequência e perfil epidêmico-sorológico da Toxoplasmose ocular em pacientes atendidos no ambulatório de oftalmologia do Hospital Universitário Onofre Lopes no município de Natal, Rio Grande do Norte. 2011. 67 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

NEVES, D.P.; MELO, A.L.; LINARDI, P.M.; VITOR, R.W.A. Parasitologia humana. Rio de Janeiro: Atheneu, 2010.

NEVES DP. Parasitologia básica. Rio de Janeiro: Atheneu, 2010.

ORÉFICE, Fernando et al. Toxoplasmose ocular adquirida: Toxoplasmose ocular pós-natal. Revista Brasileira de Oftalmologia, [S.l.], v. 69, n. 3, p. 184-207, jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2018.

PEDROSO, M. O. C. Fundamentos em infectologia. Rio de Janeiro: Rubio, 2009.

ROSA, Alexandre. Toxoplasmose ocular, o que é? como se contamina? qual o tratamento?. 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2018.

SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. (Brasil). Toxoplasmose: CID 10: B58. In: MINISTÉRIO DA SAÚDE. (Brasil). Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8 ed. Brasília-DF: [s.n.], 2010. cap. 66, p. 404-407. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2018.

VARELLA, Pedro P. V.; FORTE, Wilma C. Neves. Citocinas: revisão. Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia: São Paulo, v. 24, n. 4, ago. 2001. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2018.

VIEIRA, Mariana. Aspectos clínicos e laboratoriais da toxoplasmose. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.