REINFARTO APÓS ANGIOPLASTIA CORONARIANA PRIMÁRIA EM PACIENTE JOVEM

Talita de Freitas Souza, Mariana Cardoso Abreu, Renata Teixeira de Melo Diniz, Tony Carlos Rodrigues Junior, Gabriela Simão Pires, Ludmilla Garcia Lacerda Dornellas, Vinícius Pedro Almeida Valentim

Resumo


O termo “Síndrome Coronariana Aguda” (SCA) descreve o conjunto de acometimentos do miocárdio envolvendo angina instável e infarto com supra de ST e sem supra do segmento ST. Quando o paciente apresenta um quadro de dor torácica com evidencia bioquímica de necrose miocárdica, trata-se de um infarto agudo do miocárdio, que quando não acompanhada de elevação de ST é chamado Infarto agudo do miocárdio sem supra de ST. Os fatores de risco envolvidos com a doença englobam histórico familiar, dislipidemias, diabetes, tabagismo, entre outros. O diagnóstico envolve manifestações clínicas, marcadores de necrose miocárdica e a avaliação do eletrocardiograma, que pode apresentar-se sem alterações isquêmicas. Também é recomendada a estratificação do paciente nos escores de risco, que além de auxiliar no diagnóstico, tem valor prognóstico. O objetivo deste artigo é descrever o caso de um paciente de 38 anos com infarto agudo do miocárdio sem supra desnível do segmento ST que após tratamento inicial bem-sucedido apresentou recidiva do quadro de dor e de eventos isquêmicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTMAN, Elliott M. et al. Enoxaparin prevents death and cardiac ischemic events in unstable angina/non–Q-wave myocardial infarction. Circulation, v. 100, n. 15, p. 1593-1601, 1999.

AVEZUM, Álvaro et al. III Diretriz sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio. Arq. Bras. Cardiol. São Paulo, v. 83, supl.4, p. 1-86, set. 2004. Disponível em: . Acesso em 13 out. 2018.

CORCORAN, David; GRANT, Patrick; BERRY, Colin. Risk stratification in non-ST elevation acute coronary syndromes: Risk scores, biomarkers and clinical judgment. IJC Heart & Vasculature, v. 8, p. 131-137, 2015.

CORREIA, L. C. et al. Valor prognóstico do escore de risco GRACE versus escore de risco TIMI em síndromes coronarianas agudas. Arq Brasil Cardiol, v. 94, n. 5, p. 613-9, 2010.

INCALCATERRA, E. et al. Myocardial infarction in young adults: risk factors, clinical characteristics and prognosis according to our experience. Clin Ter, v. 164, n. 2, p. e77-82, 2013.

JANUARY, Craig T. et al. 2014 AHA/ACC/HRS guideline for the management of patients with atrial fibrillation. Circulation, v. 130, n. 23, p. e199-e267, 2014.

KONISHI, Hirokazu et al. Long-term prognosis and clinical characteristics of young adults (≤ 40 years old) who underwent percutaneous coronary intervention. Journal of cardiology, v. 64, n. 3, p. 171-174, 2014.

KUMAR, Amit; CANNON, Christopher P. Acute coronary syndromes: diagnosis and management, part I. In: Mayo Clinic Proceedings. Elsevier, 2009. p. 917-938.

MARIN-NETO, J. Antonio et al. Persistência de distúrbios perfusionais miocárdicos após intervenção coronária percutânea com êxito: dependência de fatores microcirculatórios. Rev Bras Cardiol Invas, v. 15, n. 2, p. 107-114, 2007.

NATIONAL, Clinical Guideline Centre UK. Unstable Angina and NSTEMI: The Early Management of Unstable Angina and Non-ST-Segment-Elevation Myocardial Infarction. 2010.

NATIONAL INSTITUTE FOR CLINICAL EXCELLENCE et al. Secondary prevention in primary and secondary care for patients following a myocardial infarction. NICE guidelines [CG172]. 2013.

NICOLAU, José Carlos et al. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre angina instável e infarto agudo do miocárdio sem supradesnível do segmento ST (II Edição, 2007) -Atualização 2013/2014. Arquivos brasileiros de cardiologia, v. 102, n. 3, p. 01-75, 2014.

SOEIRO, Alexandre de Matos et al. Clinical characteristics and long-term progression of young patients with acute coronary syndrome in Brazil. Einstein (São Paulo), v. 13, n. 3, p. 370-375, 2015.

TEICH, Vanessa; ARAUJO, Denizar Vianna. Estimativa de custo da síndrome coronariana aguda no Brasil. Rev Bras Cardiol, v. 24, n. 2, p. 85-94, 2011.

THYGESEN, Kristian et al. Third universal definition of myocardial infarction. European heart journal, v. 33, n. 20, p. 2551-2567, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.