A ALTERIDADE REIVINDICADA: A REPRESENTAÇÃO DA CULTURA NEGRA NO LIVRO OS CABELOS DE LELÊ

Tailane da Silva Santos, Lídia Maria Nazaré Alves, Vanessa Fernandes Dias

Resumo


Este trabalho resulta dos estudos feitos nos Projetos de Pesquisa e de Extensão: “Estudos de gênero na literatura e sua repercussão na sociedade” e “As representações da crise: interseção de fontes literárias”, respectivamente, financiados pela PAPq, desenvolvido no ano de 2017, na UEMG - Unidade de Carangola, sob a orientação da professora Dra. Lídia Maria Nazaré Alves e Coordenação dos professores Msc. Glaciene Januário Hottis Lyra e Alexandre H.C. Bittencourt. Este tem como premissa o estudo acerca da comunicação como um dos Direitos Humanos e traz um pequeno resumo de como esse conceito é abordado em diferentes documentos internacionais, além de explicitar a maneira em que acontece o processo comunicativo. No que se refere aos grupos minoritários, buscou-se averiguar de que maneira o negro é retratado na Literatura, mais especificamente no livro infantil “Os Cabelos de Lelê”, e como o direito à comunicação o possibilita reivindicar a alteridade. Para tal, foi elegido como escopo teórico os autores Adorno (1995), Bakhtin (1998), Bakhtin (2016), Bechara (2009), Bordenave (1982), Gomes (2003), Gomes (2002), Gomes (2007), Spivak (1984) e Roso, A; Strey, M. N.; Guareschi, P.; E Bueno, S. M. N. (2002).

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio. A violência na sociedade brasileira: um painel inconcluso em uma democracia não consolidada. Sociedade & Estado, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 299-342, jul./dez. 1995. p. 321

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: UNESP Editora, 1998.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BELÈM, Valéria. Os cabelos de Lelê. Companhia Editora Nacional, 2007.

BORDENAVE, Juan E. Díaz. O que é comunicação? Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

BRAIT, Beth (org). Bakhtin: dialogismo e construção do sentido. São Paulo: Editora UNICAMP, 2005.

FIORIN, José Luiz (org). Introdução à linguística. 3° ed. São Paulo: Contexto, 2004.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural?. Revista Brasileira de Educação, Set/Out/Nov/Dez, Nº 21, 2002, p. 40 a 51

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. São Paulo:USP, 2002 (tese: doutorado).

GOMES, Raimunda Aline Lucena. A comunicação no discurso dos direitos humanos: da liberdade de expressão ao direito humano à comunicação. Cenários da Comunicação, vol. 6, p. 13-20. São Paulo, 2007.

GUARESCHI, Neuza Maria e F. A mídia e a produção de modos de ser da adolescência. Revista Famecos. Porto Alegre, agosto/2006, n. 30, p. 81-90.

MANZINI-COVRE, Maria de Lourdes. O que é cidadania. 9 reimpr. da 3 ed., São Paulo, Brasiliense, 2001.

MARCUSCHI, L. A. O tratamento da oralidade no ensino de línguas. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, 1993.BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

PERINI, Mário Alberto. Princípios de Linguística Descritiva. São Paulo: Parábola, 2006.

ROSO, Adriane; STREY, Marlene Neves; GUARESCHI, Pedrinho; e BUENO, Sandra M. Nora. Cultura e ideologia: a mídia revelando estereótipos raciais de gênero. Psicologia e Sociedade. Porto Alegre, jul./dez.2002, p. 74-94

SODRÉ, Muniz. Por um conceito de minoria. In ____. PAIVA, Raquel; BARBALHO, Alexandre (Org.). Comunicação e cultura das minorias. São Paulo: Paulus, 2005. p. 11-14.

SPIVAK, Gayatri. Quem reivindica alteridade? In HOLANDA, Heloisa. B. de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 187-205.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.