RESSIGNIFICAÇÃO DE ESPAÇOS PÚBLICOS E SUA CONTRIBUIÇÃO NA REQUALIFICAÇÃO DA CIDADE: UM ESTUDO DO PARQUE DE EXPOSIÇÕES DE MANHUAÇU

Bruna Agda Cezário Tuelher, Wagner de Azevedo Dornellas

Resumo


O presente artigo levanta a realidade dos espaços públicos na cidade de Manhuaçu (MG) frente aos conflitos oriundos de seu mau ou inexistente planejamento urbano, bem como sua importância para a imagem da cidade. O local escolhido para enfatizar o estudo atualmente é utilizado como parque de exposição para festividades locais, contudo, de uso esporádico, se encaixa em mais um dos espaços subutilizados no município. O objetivo deste trabalho foi chegar ao conhecimento específico acerca das consequências de um espaço mal utilizado e os benefícios de um local bem planejado e estruturado para sua população usuária. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória utilizando-se de método qualitativo descritivo a partir de pesquisa bibliográfica, diagnósticos do sítio, análise cartográfica e iconográfica e análise urbana com técnicas apropriadas. Observou-se que o parque apresenta subutilização ao longo do ano, entorno com uso e ocupação variado, sobretudo residencial e comercial, infraestrutura e acessos inadequados, embora localizado próximo a rodovias e em uma região que é vetor de expansão da malha urbana. Diante do exposto, concluiu-se que o parque de exposição pode servir de estímulo para as potencialidades do município, mas para tanto, é necessário provê-lo de condições adequadas para usos variados, tornando-o multifuncional, democrático, mais seguro e acessível a todo o tipo de público durante todo o ano.O presente artigo levanta a realidade dos espaços públicos na cidade de Manhuaçu (MG) frente aos conflitos oriundos de seu mau ou inexistente planejamento urbano, bem como sua importância para a imagem da cidade. O local escolhido para enfatizar o estudo atualmente é utilizado como parque de exposição para festividades locais, contudo, de uso esporádico, se encaixa em mais um dos espaços subutilizados no município. O objetivo deste trabalho foi chegar ao conhecimento específico acerca das consequências de um espaço mal utilizado e os benefícios de um local bem planejado e estruturado para sua população usuária. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória utilizando-se de método qualitativo descritivo a partir de pesquisa bibliográfica, diagnósticos do sítio, análise cartográfica e iconográfica e análise urbana com técnicas apropriadas. Observou-se que o parque apresenta subutilização ao longo do ano, entorno com uso e ocupação variado, sobretudo residencial e comercial, infraestrutura e acessos inadequados, embora localizado próximo a rodovias e em uma região que é vetor de expansão da malha urbana. Diante do exposto, concluiu-se que o parque de exposição pode servir de estímulo para as potencialidades do município, mas para tanto, é necessário provê-lo de condições adequadas para usos variados, tornando-o multifuncional, democrático, mais seguro e acessível a todo o tipo de público durante todo o ano.

Texto completo:

PDF

Referências


ALOMÁ, P. R. O espaço público, esse protagonista da cidade. Archdaily. 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 de abril de 2018.

ARANTES, O. B. F.; MARICATO, E.; VAINER, C. B. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

BORJA, J. Ciudad y cidadania dos notas. WP núm. 177, Instituto de Ciências e Políticas Sociais, Barcelona, 2000.

ARROYO, J. Bordas e espaço público. Fronteiras internas na cidade contemporânea. Portal Vitruvius, São Paulo, Arquitextos nº081.02 ano07, fev. 2007. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/07.081/269 Acesso em: junho de 2010.

BOTELHO, T. R. Revitalização de centros urbanos no Brasil: uma análise comparativa das experiências de Vitória, Fortaleza e São Luís. Revista Eure. Santiago de Chile, v. 31, n. 93, pp. 53-71, ago, 2005.

DEL RIO, V. Desenho de revitalização da área portuária de Rio de Janeiro. 1991. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

GEHL, J. Cidade para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GEHL, J.; GEMZOE, L.; KIRKNAES, S. New City Life. Copenhague: The Danish Archtectural Press, 2006.

GROSSO, K. S. S. Intervenções urbanísticas como estratégia para o desenvolvimento local e revalorização da imagem da cidade: análise da revitalização no município de Niterói (RJ). In: SIMPÓSIO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DO ESTADO DE SÃO PAULO,1. 2008, Rio Claro. Anais eletrônicos... Rio Claro, 2008. Disponível em: < http://www2.rc.unesp.br/eventos/igce/simpgeo/lista_trabalhos.php>. Acessado em 22 de Abril de 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas de população de 2017. Disponível em:< http://www.ibge.gov.br> Acessado em 22/03/2018.

JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

KLIASS, R. G. Parques urbanos de São Paulo e sua evolução na cidade. São Paulo: Pini, 1993.

______ : Desenhando paisagens, moldando uma profissão. São Paulo: SENAC, 2006. Parque da Juventude. Disponível em: . Acesso em 22 de Abril de 2018.

LYNCH, K. A imagem da cidade. Lisboa: Edições 70, 1988. 205 p.

MACEDO. S. S.; SAKATA, F. G. Parques Urbanos no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Quapá, 2010.

MACEDO. S. S. Quadro do paisagismo no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Quapá, 2015.

MANHUAÇU, Administração Municipal. Revisão do Plano Diretor Municipal. Plano de mobilidade urbana. Manhuaçu, MG. 2016. Disponível em: < www.manhuacu.mg.gov.br/detalhe-da-materia/...plano-diretor-de-manhuacu/58475 >. Acessado em 08 de junho de 2018.

_______ . A cidade. Disponível em: . Acessado em 01 de junho de 2018.

PORTAL MANHUAÇU, 22º Simpósio de cafeicultura. 2018. Disponível em: < http://www.manhuacu.com/artigo/ler/aciam_comemora_excelentes_resultados_do_22o._simposio_de_cafeicultura/>. Acesso em 19 de junho de 2018.

SERPA, Ângelo. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007. 205 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.