TUMOR EPIDERMOIDE ASSOCIADO A MIELOMENINGOCELE LOMBAR

Rúbia Soares de Sousa Gomes, Luíza Gomes Santiago, Giovanna dos Santos Flora, Bruna Aurich Kunzendorff, Rafaela Lima Camargo, Fernanda Alves Luz, Yan Heringer de Oliveira, Priscilla Silva Lima Simões, Luiz Rezende Júnior, Débora Nagem Machado, Matheus de Andrade da Silva, Alex Nagem Machado

Resumo


O presente artigo aborda tumor epidermoide como complicação rara associado a mielomeningocele, bem como a necessidade de conhecimento da fisiopatologia da doença, e sua incidência em pacientes pediátricos. O objetivo do estudo é relatar um caso de mielomeningocele submetido a tratamento cirúrgico ao nascimento e evoluindo após 2 anos  com tumor epidermóide no sítio do disrafismo, esclarecendo a frequência de acontecimento e a importância de realização de diagnostico precoce e preciso para melhor intervenção, além de enfatizar os mecanismos fisiopatológicos e conduta. Realizou-se um estudo retrospectivo analítico de paciente admitido no setor de emergência de um Hospital da Zona da Mata Mineira. É colocado em voga a falta de dados literários sobre o tema e a importância de intervenção precoce, para melhor prognóstico da doença e prevenção de potenciais  complicações.

Texto completo:

PDF

Referências


BIZZI, JWJ; MACHADO, A . Mielomeningocele: conceitos básicos e avanços recentes. Jornal Brasileiro de Neurocirurgia. N.2, v.23, p. 138-151, 2012. Disponível em :

BLACK, S.P.W., GERMAN, W.J.: Four congenital tumors found at operation within the vertebral canal. With observations on their incidence. J Neurosurg, n.7, p. 49-61,1950.

CARVALHO, GTC; PEREYRA, WJ; MARQUES, JAP; DANTAS, FLR; SOUZA, AA. Congenital inclusion cysts of the anterior fontanelle. Ped Neurosurg, N. 56, p. 400-405, 2001.

DUQUE, C. et al. Quiste epidermoide intrarraquídeo dorsal, presentación de dos casos. Neurocirurgia, n.2, v.5, p.145-150, 1994.

FILHO, O.F.; DUARTE, F. Tumores dermóides e epidermóides intra-espinhais. Arquivo de Neuropsiquiatria. São Paulo: n.1, v.29, 1971. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/anp/v29n1/03.pdf>

GAIVA,M.A.M; CORREA, E.R; ESPIRITO SANTO, E.A.R. Estudo das variáveis materno-infantis na espinha bífida. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano. N. 1, v. 21, p. 99-110, 2011. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v21n1/10.pdf>

JUNIOR, M.A.R et al. Tumor epidermoide intramedular: Relato de caso. Arquivo brasileiro de Neuropsiquiatria, n. 61, v. 3, p. 867-869, 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/anp/v61n3B/17311.pdf>

LONGONI, M.; PORCEL, M.J; GERBAUDO, S. Myeloningocele: epidemiology and its relationship with other neurological complications. Revista Colombiana de Medicna Fisica y Rehabilitación, n. 2, v.22, p. 177-122, 2012. Disponível em:< http://www.revistacmfr.org/index.php/rcmfr/article/view/59>

ROUTABOUL, D.C; MONGES, J.A. Tumor epidermoide intraespinal iatrogenico. Medicina Infantil. N. 3, v. 7, 2000. Disponível em: < http://www.medicinainfantil.org.ar/images/stories/volumen/2000/vii_3_225.pdf>

SPERS, V.R.E.P. Mielomeningocele: o dia a dia, a visão dos especialistas e o que esperar do futuro, 2011. Disponível em: < http://mielomeningocele.com.br/site/wp-content/uploads/2012/01/MIELO-21-NOV-11.pdf>


Apontamentos

  • Não há apontamentos.