MIELORADICULOPATIA ESQUISTOSSOMÓTICA: RELATO DE CASO

Gabriela Heringer Almeida, José Renato de Oliveria Campos Paiva, Letícia Nora Henri Guitton, Rebeca Muniz Gomes da Costa Silva, Sara Hertel Ribeiro D’ Avila, Yan Heringer de Oliveira, Juliana Santiago da Silva

Resumo


A esquistossomose mansônica é uma doença endêmica de muitas regiões do Brasil, dentre elas o estado de Minas Gerais. Sabe-se que os vermes adultos vivem no sistema porta e ao chegarem no fígado desenvolvem a maturidade sexual e migram para as veias mesentéricas, onde ocorre o acasalamento e posteriormente a postura de ovos. No entanto, pode haver formas ectópicas da doença, como a mielorradiculopatia esquistossomótica. Paciente do sexo masculino, com 31 anos, inicialmente queixando-se de dor nas pernas, evoluiu para dificuldade em urinar e alterações na marcha. Foi solicitado exame de sangue e ressonância, que constataram, respectivamente, eosinofilia e imunofluorescência indireta para Schistosoma mansoni reagente, e aumento volumétrico importante na região do cone medular, confirmando assim mieloradiculopatia esquistossomótica. O paciente foi tratado com Praziquantel e segue medicado com Prednisona e Complexo B.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAS, Abul K.; LICHTMAN, Andrew H.; PILLAI, Shiv. Imunologia celular e molecular. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 144 p. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica e controle da mielorradiculopatia esquistossomótica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 28p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

KATZ, N. Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansoni e Geo-helmintoses/ Naftale Katz. – Belo Horizonte: CPqRR, 2018. 76p.

NEVES, D. P. Parasitologia Humana. 11 ed. São Paulo: Atheneu, 2004.

PEREIRA, A. L. D. D., MARTINS, A. R. B., MORAIS, A., CORDEIRO, B. D. M., FONTANELA, B. D. G., FLAM, E. L., SIQUEIRA, I. D. A., MENDONÇA, L. G., LAMBERTUCCI, J. R. Mielorradiculopatia esquistossomótica: relato de caso. Rev Med, Minas Gerais 2010; 20 (2 Supl 1): S123-S125.

ROCHA, T. J., SANTOS, M. C. S., LIMA, M. V. M. D., CALHEIROS, C. M. L., WANDERLEY, F. S. Aspectos epidemiológicos e distribuição dos casos de infecção pelo Schistosoma mansoni em municípios do Estado de Alagoas, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude 2016; 7(2):27-32.

SILVA, J. H., BARBOSA, M., COSTA, J. B., FERRARI, T. C. D. A. Mielorradiculopatia esquistossomótica. Revista Médica de Minas Gerais, Minas Gerais, v. 13.1, 2004.

SILVA, L. C. S., MACIEL, P. E., RIBAS, J. G. R., PEREIRA, S. R. D. S., SERUFO, J. C., ANDRADE, L. M., ANTUNES, C. M., LAMBERTUCCI, J. R. Mielorradiculopatia esquistossomótica. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v.37, n.3, p.261-272. Uberaba: 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.