EMPIEMA EPIDURAL ASSOCIADO A MIELOPATIA ESPONDILÓTICA CERVICAL GRAVE

Rafaela Lima Camargo, Bruna Aurich Kunzendorff, Fernanda Alves Luz, Giovanna dos Santos Flora, Luiz Rezende Junior, Luíza Gomes Santiago, Priscilla Silva Lima Simões, Rúbia Soares de Sousa Gomes, Yan Heringer de Oliveira, Débora Nagem Machado, Matheus de Andrade da Silva, Alex Nagem Machado

Resumo


Discutir os principais pontos referentes  ao empiema epidural associado a mielopatia espondilótica cervical grave é um desafio pelos limitados relatos na literatura. Empiema Epidural consiste em uma infecção da coluna vertebral que em consequência da localização entre a dura-máter e o periósteo , pode extender-se de forma ampla por todo o canal raquiano. As infecções do espaço epidural são pouco frequentes. Já a Mielopatia Espondilótica Cervical, refere se a um problema que acomete a funcionalidade da coluna vertebral, comprimindo a medula cervical decorrente de processo degenerativo que acomete o complexo discal.  Apresentamos e relatamos a evolução clínica de paciente acometido com empiema epidural associado a mielopatia espondilótica cervical grave, acarretando tetraplegia por mielopatia compressiva cervical. Com base na patologia do caso citado, discuti-se sobre as principais etiologias, sintomas e sinais de empiema epidural e mielopatia espondilótica cervical grave, bem como demostrar a importância do conhecimento semiológico .

Texto completo:

PDF

Referências


BEHRMAN E. R. Infecções do sistema nervoso central. Em Nelson. Tratado de Pediatria. Stanford: McGraw-Hill; 1997, p.885-95.

BROCK, Dr. R. S. Mielopatia Cervical. Sociedade Brasileira de Neurologia. Disponível em: Acesso em: 14.out.2018.

GREENLEE, J. E. Abscessos epidurais intracranianos e empiemas subdurais. 2015. Disponível em: Acesso em: 22.out.2018.

HENRIQUES, G. Manual de Neuroanatomia Clínica. Coopmed, 2014.

HUFF J. Epidural e Subdural Infecções: eMedicine Specialties -Emergency Medicine- Infectious Diseases. eMedicine.com inc. Virginia: Última Atualização; 2002: 25

JONES, H. R. et al. Coleção Netter de Ilustrações Médicas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014

JUNIOR, W. E. P. et al. Mielopatia cervical espondilótica – tratamento com laminoplastia e artrose com sistema de fixação de massa lateral. v.7, n.1, p. 17-22, 2008. Disponível em: Acesso em: 14.out.2018.

LIMA, Á. Cirurgia da coluna. 2015. Disponível em: Acesso em: 22.out.2018.

MACHADO, A. B. M.; HAERTEL, L.M. Neuroanatomia funcional. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2006.

MANUAL MSD. Espondilose cervical e mielopatia cervical espondilódica. 2015. Disponível em: Acesso em: 14.out.2018.

MCRAE, R. Exame Clínico Ortopédico. 6ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

MELUZZI, A. et al. Fatores prognósticos associados ao tratamento cirúrgico da mielorradiculopatia espondilótica cervical. Coluna/Columa, São Paulo, v.11, n.1, 2012. Disponível em: Acesso em: 16.out.2018.

SILVA, G. d.; APPEL, H; FILHO, S. J. Empiema epidural: relato de um caso. Santa Catarina, 1977. Disponível em: Acesso em: 13.out.2018.

VELÁZQUEZ, Dr. A. G. Empiema epidural. Revista Cubana de Medicina Militar, Havana, v.8, n.3, jul.-set. 2003. Disponível em: Acesso em: 14.out.2018.

WAGNER R. C.; PREUSS J. M. Abscesso epidural supratentorial e empiema subdural. Em: Apuzzo MLJ ed. Cirurgia Cerebral Nova Iorque: Churchill Livingstone; 1993; v. 2, p. 1401-9.

WEINGARTEN, K. et al. Empiema subdural e epidural: imagem de ressonância magnética. Am J Roetgenol 1989; n.152, p.615-21.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.