“PELOS OLHOS DE MAISIE”: A LITERATURA ANTECIPANDO O DIREITO

Amanda Augusta de Carvalho Narciso, Lídia Maria Nazaré Alves, Misleni Alini dos Santos Rhodes, Maria Pricila Magro Dias, Paulo César Risso de Souza

Resumo


Este artigo está desenvolvido em torno do tema Direito e Literatura. Coloca-se este binômio em diálogo porque acredita-se que tal ação contribui satisfatoriamente para graduandos de Direito e de Literatura. O graduando de Direito precisa experimentar acontecimentos do cotidiano com os quais lidará em vida profissional, mas nem sempre tem a oportunidade de fazê-lo. Neste caso, a Literatura pode contribuir para a aproximação dos graduandos de Direito com acontecimentos do cotidiano. Isso porque a função social da literatura é mimetizar a realidade. Nessa mímesis o aluno de Direito conseguirá observar situações do cotidiano que o levará a experimentações interpretativas e interventivas sobre elas. As obras utilizadas para as experimentações serão “Pelos olhos de Maisie” do autor inglês Henry James.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, LBP. Educação infantil: discurso, legislação e práticas institucionais [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. 193 p. ISBN 978-85-7983-085-3.

ARANTES, Esther Maria de Magalhães. Direitos da criança e do adolescente: um debate necessário. Psicol. clin. [online]. 2012, vol.24, n.1, pp.45-56. ISSN 0103-5665.

ARIÈS, P. História social da infância e da família. Tradução: D. Flaksman. Rio de Janeiro: LCT, 1978.

ARISTÓTELES. Arte Poética. São Paulo: Martin Claret, 2004.

ARISTÓTELES. Poética. 3ª ed. Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

AZEVEDO, Vera e SANI, Ana Isabel. Ser ou não ouvida: Percepções de crianças expostas à violência doméstica. Aná. Psicológica [online]. 2017, vol.35, n.4, pp.487-497. ISSN 1646-6020

BRASIL, Lei Federal nº 12.318 de 26/08/2010, que dispõe sobre a Alienação Parental. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12318.htm. Acesso em: novembro de 2012.

BRASIL. Direito a Comunicação no Brasil. Terceira Versão 2015. Inter vozes- Coletivo Brasil de Comunicação Social. http://intervozes.org.br/arquivos/interliv010dac2016.pdf

BUOSI, Caroline de Cássia Francisco. Alienação Parental: uma interface do direito e da psicologia. 1ª edição. Curitiba: editora Juruá, 2012.

CABRAL; DIAS. Alienação parental: quando a implantação de falsas memórias decorre do exercício abusivo da guarda. 2013. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=13352. Acesso em: 23 de agosto de 2016.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. In: Ciência e cultura. São Paulo. USP, 1972.

CANDIDO. Antonio. Literatura e Sociedade. 3ª ed. Rio de Janeiro. Editora Ouro Sobre Azul, 2006.

CORDEIRO, Sandro da Silva; COELHO, Maria das Graças Pinto. Descortinando o conceito de infância na história: do passado à contemporaneidade. Junho. 2007. Disponível em: http://www.tjpe.jus.br/documents/72348/120032/CORDEIRO_COELHO_Descortinando+o+conceito+de+inf%C3%A2ncia.pdf/4c0e5920-53c5-4766-a8ef-15b451c5e6be?version=1.0 Acesso em: 19/10/2018.

DE OLIVEIRA, Thalissa Corrêa. Evolução histórica dos direitos da criança e do adolescente com ênfase no ordenamento jurídico brasileiro. Revista Interdisciplinar de Direito, [S.l.], v. 10, n. 2, out. 2017. ISSN 2447-4290.

DIAS, Maria Berenice. Síndrome de alienação Parental, o que é isso? 2006. Disponível em: http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI26732,21048-Sindrome+da+alienacao+parental+o+que+e+isso. Acesso em: 23 de agosto de 2016.

EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: uma introdução. 6ª ed. São Paulo. Editora Martins Fontes, 2006.

FACHIN. Melina Girardi. Diálogos entre o direito e a literatura: Arquipélagos a descobrir. Uma proposta de aproximação entre a prática e a teoria dos direitos humanos fundamentais a partir do conto da ilha desconhecida. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/direito/article/viewFile/7037/5013. Acesso em novembro de 2016.

FÉLIX, Luciene. Medeia e a Tragédia da Alienação Parental. 2012. Disponível em:http://www.cartaforense.com.br/conteudo/colunas/medeia-e-a-tragedia-da-alienacao-parental/8710. Acesso em 24 de agosto de 2016.

FONSECA, Priscila Maria Pereira Corrêa da. Síndrome da alienação parental. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/32874-40890-1-PB.pdf

FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). História social da infância no Brasil. 5. ed., rev. e ampl São Paulo: Cortez, 2003. 334 p.

GARDNER, Richard A. O DSM-I tem equivalente para diagnóstico de síndrome de alienação parental (SAP)? 2002. p.2 Tradução para o português por Rita Fadanelli. Disponível em. Acesso em: outubro de 2016.

GARDNER, Richard. (1998). The Parental Alienation Syndrome. Second Edition. Cresskill, New Jersey: Creative Therapeutics, Inc.

GÉLIS, Jacques. A individualização da criança. In: ARIÈS, Phillipe; CHARTIER, Roger (Orgs). História da vida privada. vol. 3 (Da Renascença ao século das Luzes). São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 310-320

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Direito & Literatura – Anatomia de um Desencanto: Desilusão Jurídica em Monteiro Lobato. Curitiba: Juruá Editora, 2002.

GROENINGA, Giselle Câmara. Os direitos da personalidade e o direito a ter uma personalidade. In: Aspectos psicológicos na prática jurídica. 3º Ed. Campinas, São Paulo: Millenuim, 2010.

JAMES, Henry. Pelos olhos de Maisie. 1ª ed. São Paulo. Editora Companhia das Letras, 2010.

LOCKE, John. Ensaio sobre o entendimento humano. vol.1. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1999b.

LUZ, Ariele Faverzani da; GELAIN, Denise e LIMA, Luana Rocha de. Reflexões sobre alienação parental em um projeto de mediação de conflitos. Rev. Psicol. Saúde. 2014, vol.6, n.2, pp. 96-103. ISSN 2177-093X.

NASCIMENTO, Cláudia Terra; BRANCHER, Vantoir Roberto; OLIVEIRA, Valeska Fortes. A construção social do conceito infância: uma tentativa de reconstrução historiográfica. Revista Linhas, Florianópolis, v. 9, n. 1, p8, jan. / jun. 2008.ISSN 1984-7238

PINHO, Marco Antônio Garcia de. Alienação Parental. Disponível em:http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=6540: Acesso em novembro de 2016.

PODEVYN, François. Síndrome de alienação parental. 2001. Tradução para o português por APASE – Associação de Pais e Mães Separados. Disponível em . Acesso em: outubro de 2016.

RECHDAN, M. L. A. Dialogismo ou Polifonia? Revista de Ciências Humanas, Taubaté, v. 9, n.1, p. 45-54, 2003.

REDIN, Euclides. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou Da Educação. Tradução Roberto Leal Ferreira. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SIQUEIRA, Ada Bogliolo Piancastelli. Notas sobre direito e literatura: o absurdo do direito em Albert Camus. Disponível em: < http://funjab.ufsc.br/wp/wp-content/uploads/2012/02/Notas_sobre_direito_V_IV_texto1.pdf>. Acesso em: agosto de 2016.

TRINDADE, Jorge. Manual de Psicologia Jurídica para operadores do Direito – Porto Alegre: Livraria do Advogado, editora, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.