HÁBITOS DE VIDA RELACIONADOS A ASCARIDÍASE E CONHECIMENTOS DOS ESTUDANTES DE MEDICINA EM UMA FACULDADE DO LESTE MINEIRO SOBRE A PARASITOSE

Ábila Dutra Oliveira, Indra Peixoto Godinho, Jocimar Kénede Oliveira Bárbara, Larissa Alvim Mendes, Juliana Santiago da Silva

Resumo


A ascaridíase é uma parasitose denominada também de lombriga ou bicha. São vermes nematódeos, sem segmentação, e com tubo digestivo completo. No Brasil, as parasitoses intestinais se encontram disseminadas e com alta prevalência. Diversos fatores interferem na prevalência dessa parasitose, como: área geográfica, nível socioeconômico, acessibilidade a bens e serviços, estado nutricional, idade e ocorrência de predisposição à infecção parasitária. Assim, foi realizado um questionário sobre o tema “conhecimento e prevalência de ascaridíase” no universo dos estudantes de uma faculdade do leste mineiro, somente no curso de Medicina, durante primeiro semestre letivo do ano de 2018. A partir desses dados foi possível investigar sobre o conhecimento da epidemiologia, etiologia e a patologia causada pelo parasita Ascaris lumbricoides entre os alunos e seus familiares, com base em seus conhecimentos gerais e específicos sobre o assunto, bem como acontecimentos de sua vida diária. Apesar de o grupo estudado ser de alunos da área da saúde, não há uma preocupação em relação a importância da lavagem das mãos em momento anterior as refeições. Em relação à higiene com frutas, verduras e legumes foi possível concluir que existe uma pequena porcentagem que não lava e a maioria lava apenas com água corrente sem o uso de outros produtos. Dessa maneira, as pessoas que não realizam a lavagem dos alimentos e das mãos estão mais expostas ao risco de contaminação por Ascaris lumbricoides

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, S. M., OLIVEIRA, da P, M, R., LEITE, de S, R, T.; et, al.; Ascaridíase, uma parasitose negligenciada: Revisão de literatura. Revista Brasileira de Biodiversidade e Biotecnologia. 2015.

BASSO, R. M. C., SILVA-RIBEIRO, R. T., SOLIGO, D. S., RIBACK, S. I., CALLEGARI-JACQUES, S. M., ZOPPAS, B. C. D. A. Evolução da prevalência de parasitoses intestinais em escolares em Caxias do Sul, RS. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Brasília. Vol. 41, no. 3 (maio/jun. 2008), p. 263-268, 2008.

CAMPOS, M. R., VALENCIA, L. I. O., FORTES, B. D. P. M. D., BRAGA, R. C. C., MEDRONHO, R. D. A. Distribuição espacial da infecção por Ascaris lumbricoides. Revista de Saúde Pública, v. 36, p. 69-74, 2002.

FORTES, B. D. P. M. D., ORTIZ VALENCIA, L. I., RIBEIRO, S. D. V., MEDRONHO, R. D. A. Modelagem geoestatística da infecção por Ascaris lumbricoides. Cadernos de Saúde Pública, v. 20, p. 727-734, 2004.

MELO, M. C. B; KLEM, V. G. Q., MOTA, J. A. C., PENNA, F. J. Parasitoses Intestinais. Revista Médica Minas Gerais, v.14, n.1, 2004.

MATI, V. L. T., PINTO, J. H., DE MELO, A. L. Levantamento de parasitos intestinais nas áreas urbana e rural de Itambé do Mato Dentro, Minas Gerais, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v. 40, n. 1, p. 92-100, 2011.

MELO, Z. F. M. Complicações da ascaridíase em crianças: uma revisão literária. UNICEUB, 2018.

SILVA, J. C., FURTADO V. F L., FERRO. C. T.; et al.; Parasitismo por Ascaris lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2011.

SOUZA, B. B. Parasitoses intestinais. SBMFC. 2010. Online. Disponível: . Acesso: 05/04/16

VIANA, F. A. C.. Estudo comparativo, randomizado para avaliar a eficácia terapêutica da piperazina hexahidratada com extrato fluido de rhaminuspurshiana no tratamento da ascaridíase. 2007. 158 f. Dissertação (Mestrado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2007.

WERNER, David. Onde Não Há Médico, Londres (Grã-Bretanha). EDITORA TALC, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.