PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE EM ÁREA ENDÊMICA DE FEBRE AMARELA - RELATO DE EXPERIÊNCIA.

Fernanda Lima Ferreira, Marianne Romagnoli Silva, Josianne Romagnoli Silva, Roberta Maria Rola Albergaria

Resumo


A febre amarela é uma doença infecciosa viral, transmitida através da picada de insetos do gênero Haemagogus e Sabethes no ciclo silvestre e Aedes aegypti no ciclo urbano. Em 2017, um surto da doença atingiu diversas regiões do Brasil, principalmente Minas Gerais, levando a um grande número de óbitos. Na fase leve a moderada da doença, a taxa de letalidade varia entre 5% a 10%, aumentando em casos mais graves para 50%. Assim, a estratégia de promoção e prevenção da saúde é essencial para o combate da doença. O presente estudo objetiva relatar as medidas educativas exercidas por acadêmicas do Curso de Medicina em uma área propícia à febre amarela silvestre, na zona rural do interior de Minas Gerais, e os benefícios para a região após as estratégias usadas.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Situação Epidemiológica no Brasil. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/situacao-epidemiologica-dados-febreamarela. Acesso em: 18 abr. 2017.

COSTA, Z.G.A . Redefinição das áreas de risco para febre amarela silvestre no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 35 (supl I): 84, 2002

GERSHMAN, M. Doenças Infecciosas Relacionadas à Viagem: Febre Amarela . In: CDC Health Information para viagens internacionais.3. Atlanta, Geórgia: Centros de Controle e Prevenção de Doenças; 2016

ROMANO, A.P.C. Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle. Epidemiol.Serv.Saúde. 2011; 20 (1): 101-106

TUBOI, S.H; COSTA, Z.G; VASCONCELOS, P.F.C. Clinical and epidemiological characteristics of yellow fever in Brazil: analysis of reported cases 1998-2002. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2007; 101 (2): 169

VASCONCELOS, P.F.C. Febre amarela: reflexões sobre a doença, as perspectivas para o século XXI e o risco da reurbanização. Rev. Bras. Epidemiol. Vol. 5, Nº 3, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.