EFEITOS DA RIZOBACTERIZAÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES E NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE ESPÉCIE NATIVA

Jeane de Fátima Cunha Brandão, Isac Jonatas Brandão

Resumo


O objetivo do trabalho foi avaliar o potencial de isolados de rizobácterias na germinação de sementes e no crescimento de mudas de sibipiruna. Testaram-se os isolados de rizobactérias pré-selecionados para eucalipto, sendo eles, FL2 (Pseudomonas aeruginosa), Ca (Pseudomonas fulva), 3918 (Bacillus subtilis), R1 (Frauteria aurantia), S1 (Bacillus subtilis), S2 (Bacillus subtilis), CIIB (Stenotrophomonas maltophilia), MF2 (Pseudomonas sp.), MF4 (Pseudomonas sp.) e VC2 (não identificado). A suspensão de cada rizobactéria foi preparada no laboratório de Patologia Florestal, sendo adicionada ao substrato. Na testemunha o substrato foi tratado apenas com água. O substrato inoculado foi homogeneizado e distribuído nos tubetes montados em bandejas de 96 células devidamente etiquetadas por repetição e tratamento. Foram avaliadas a porcentagem de germinação, o peso de matéria seca de raízes e da parte aérea aos 40 dias. As médias foram comparadas pelo teste Scott Knott a 5% de significância. Verificou-se aumento significativo na matéria seca de raízes e da parte aérea para todos os isolados de rizobactérias testados, em relação à testemunha. Para porcentagem de germinação a maioria dos isolados diferiu significativamente da testemunha. O uso de PGPR´s (Rizobactérias promotoras de crescimento de plantas) durante a fase de produção de mudas de espécies nativas tende a ser uma alternativa com grande probabilidade de sucesso.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.