IDENTIFICAÇÃO DE FATORES LIMITANTES PARA O CONTROLE DA TUBERCULOSE

Mainara Pereira Temóteo, Thiara Guimarães Heleno de Oliveira Pôncio

Resumo


A Tuberculose (TB) continua sendo uma das principais causas de morte relacionadas a doenças infecciosas no mundo e um problema de saúde pública no Brasil, isto após 138 anos da descoberta do Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch, bactéria responsável pela infecção. Segundo o Ministério da Saúde foram diagnosticados, nos últimos 10 anos, cerca de 71 mil novos casos da doença, indicadores que alarmam a Organização Mundial de Saúde (OMS) pois apesar de poder ser prevenida e curada, permanece em alta magnitude, onde sua prevalência é marcada pela Infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), desestruturação dos serviços de saúde prestados à população e condições de pobreza levando ao processo de urbanização descontrolada. (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2019). A transmissão acontece de pessoa para pessoa, quando um doente com tuberculose pulmonar espirra, tosse ou fala e outro indivíduo suscetível inala as gotículas contendo o bacilo de Koch, essas gotículas atingem os brônquios e alvéolos onde iniciam sua replicação. A transmissão é mais intensa em grandes centros urbanos, asilos, presídios, populações indígenas, pessoas em situação de rua, privadas de liberdade ou mesmo profissionais de saúde. Fatores como as diversas fases da doença, meio de transmissão, tratamento, populações de maior vulnerabilidade evidenciam a necessidade de identificar aspectos primordiais para o controle da TB (PEDRO, 2014). Objetiva-se com o presente estudo uma revisão bibliográfica para compreender os fatores relevantes para o controle da Tuberculose. 


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil. Brasília, DF, 2019.

PEDRO, Heloisa S. et al.CENÁRIO ATUAL DA TUBERCULOSE.HansenologiaInternationalis, (São Paulo. Online), p. 40-55, 2014.

SILVA, Denise R. et al.Tuberculose grave com necessidade de internação em UTI. Jornal Brasileiro de Pneumologia, vol.38, no.3, São Paulo, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.